Cró­ni­ca João Sa­la­vi­za* Sob o sig­no do po­li­ti­ca­men­te cor­rec­to Exor­cis­mos

Publico - Ipsilon - - Primeira Página -

Onú­me­ro mais re­cen­te da revista ita­li­a­na Mi­cro­me­ga, di­ri­gi­da por Pa­o­lo Flo­res d’Ar­cais, é um ma­ni­fes­to co­lec­ti­vo “con­tro il po­li­ti­ca­men­te cor­re­to” (as­sim re­za o tí­tu­lo), de­sig­na­do pe­lo di­rec­tor, no ar­ti­go de apre­sen­ta­ção, co­mo um “ópio da es­quer­da”. Flo­res d’Ar­cais é um in­te­lec­tu­al ita­li­a­no que ini­ci­ou a sua ac­ti­vi­da­de po­lí­ti­ca num mo­vi­men­to ju­ve­nil co­mu­nis­ta e, de­pois de ter passado por vá­ri­as es­ta­ções de aco­lhi­men­to ao sa­bor das con­tin­gên­ci­as e me­ta­mor­fo­ses da po­lí­ti­ca ita­li­a­na, si­tua-se ac­tu­al­men­te num lu­gar ide­o­ló­gi­co in­cer­to. Es­te nú­me­ro da Mi­cro­me­ga, revista que nas­ceu ao ser­vi­ço de uma es­quer­da re­bel­de em re­la­ção a or­to­do­xi­as, con­ta com a co­la­bo­ra­ção de no­mes im­por­tan­tes, tais co­mo a fi­ló­so­fa fran­ce­sa fe­mi­nis­ta Éli­sa­beth Ba­din­ter e a es­cri­to­ra ita­li­a­na Gi­ne­vra Bom­pi­a­ni. A fra­gi­li­da­de em que se en­con­tra o dis­cur­so de es­quer­da, des­de há cer­ca de três dé­ca­das, me­de-se pe­la sua in­ca­pa­ci­da­de em con­tar his­tó­ri­as con­vin­cen­tes, em re­vi­go­rar um “ima­gi­ná­rio”. Daí que ele se te­nha tor­na­do li­te­ral­men­te con­ser­va­dor: a sua ter­mi­no­lo­gia e as su­as lu­tas exer­cem-se, qu­a­se sem­pre, em no­me da con­ser­va­ção do que foi ou­tro­ra ad­qui­ri­do. Pe­lo con­trá­rio, a di­rei­ta (se­cu­ri­tá­ria, ne­o­li­be­ral, mui­tas ve­zes xe­nó­fo­ba), con­se­guiu di­fun­dir um con­jun­to re­la­ti­va­men­te co­e­ren­te de his­tó­ri­as, de imagens, de es­ta­tís­ti­cas, de slo­gans e de me­dos que co­lo­ni­za­ram até mui­to di­ri­gen­tes de par­ti­dos políticos de es­quer­da, co­mo é vi­sí­vel em to­da a Eu­ro­pa. A ques­tão do po­li­ti­ca­men­te cor­rec­to tor­nou-se uma ma­té­ria que ali­men­ta com efi­cá­cia o po­der de ce­na­ri­za­ção da di­rei­ta. Na ver­da­de, es­tá mon­ta­da uma ce­no­gra­fia (a que a revista Mi­cro­me­ga de­ci­diu dar o seu aval, con­si­de­ran­do que ela tra­duz uma re­a­li­da­de a re­jei­tar) que cria uma equi­va­lên­cia ex­clu­si­va en­tre o dis­cur­so de es­quer­da — pe­lo menos, aque­le que é mais au­dí­vel nos tem­pos que cor­rem — e as in­ci­dên­ci­as nor­ma­ti­vas do po­li­ti­ca­men­te cor­rec­to. Es­ta iden­ti­fi­ca­ção, que tem uma par­te le­gí­ti­ma e ou­tra par­te que é a cri­a­ção de um fan­tas­ma, dei­xou a es­quer­da ar­ma­di­lha­da, na me­di­da em que não con­se­gue de­sem­ba­ra­çar-se de uma ob­jec­ti­va­ção ne­ga­ti­va a que ela não con­se­gue res­pon­der de ma­nei­ra si­mé­tri­ca. Is­to é: no­me­ar al­guém co­mo po­li­ti­ca­men­te cor­rec­to é sem­pre, em mai­or ou me­nor grau, pro­ce­der a uma acu­sa­ção. Nin­guém se de­fi­ne a si pró­prio, or­gu­lho­sa­men­te, po­li­ti­ca­men­te cor­rec­to por­que is­so já é co­di­fi­car e di­mi­nuir a sua cor­rec­ção. Em con­tra­par­ti­da, já é pos­sí­vel que al­guém se as­su­ma po­li­ti­ca­men­te in­cor­rec­to, ti­ran­do be­ne­fí­ci­os des­sa afir­ma­ção. Se al­guém diz “sou po­li­ti­ca­men­te cor­rec­to”, es­tas pa­la­vras são sem­pre en­ten­di­das co­mo um dis­tan­ci­a­men­to iró­ni­co; mui­to mais fre­quen­te é ler­mos ou ou­vir­mos di­zer com jac­tân­cia, co­mo uma de­cla­ra­ção pre­sun­ço­sa de re­bel­dia: “sou po­li­ti­ca­men­te in­cor­rec­to”. E foi as­sim que che­gá­mos a uma ce­na­ri­za­ção, on­de se de­sen­ro­la uma his­tó­ria que a di­rei­ta con­ta com mui­to pro­vei­to e que a es­quer­da pa­re­ce não ter ca­pa­ci­da­de de des­mon­tar: uma his­tó­ria que fala de cen­su­ra, de exas­pe­ra­do mo­ra­lis­mo, de po­li­ci­a­men­to, de fi­xa­ção de um lé­xi­co nor­ma­ti­vo, de res­tri­ções ao tra­ba­lho teó­ri­co e ar­tís­ti­co. Em su­ma: a di­rei­ta en­con­trou uma ma­nei­ra de se apro­pri­ar do pa­tri­mó­nio his­tó­ri­co da es­quer­da e a es­quer­da dei­xou­se em­pur­rar pa­ra uma zo­na que foi ha­bi­ta­ção pri­vi­le­gi­a­da da di­rei­ta. Es­ta his­tó­ria tem, por­tan­to, a efi­cá­cia que lhe é con­fe­ri­da por um in­gre­di­en­te nar­ra­ti­vo mui­to se­du­tor: a in­ver­são de pa­péis. Mas ela mos­tra tam­bém ou­tra coisa: a exis­tên­cia de uma ca­ma­da dis­cur­si­va que per­mi­te re­to­car as idei­as com co­res que as tor­nam co­muns e in­con­tes­tá­veis. Ain­da há pou­cos di­as (an­tes da re­mo­de­la­ção mi­nis­te­ri­al), An­tó­nio Cos­ta fa­la­va dos seus mi­nis­tros co­mo “ac­ti­vos” im­por­tan­tes da go­ver­na­ção. “Ac­ti­vos”?

Co­mo é que o vo­ca­bu­lá­rio e as me­tá­fo­ras de um pri­mei­ro-mi­nis­tro, por mais que a eloquên­cia e a so­fis­ti­ca­ção dis­cur­si­va não se­jam o seu for­te, fi­cam con­di­ci­o­na­dos por es­ta gre­lha co­di­fi­ca­da da no­vi­lín­gua fi­nan­cei­ra e empresarial? Co­mo é que ele não per­ce­be que há nes­tas pa­la­vras uma men­ti­ra que não lhe po­de ser au­to­ri­za­da por­que é um lin­gua­jar ide­o­ló­gi­co que res­trin­ge ou até eva­cua a po­lí­ti­ca co­mo de­se­jo e to­das as as­pi­ra­ções que de­ve­mos exi­gir de­la?

Ro­sa, Ed­gar, Re­née e Mi­ra são os no­mes da mi­nha avó, do meu pai, da mi­nha com­pa­nhei­ra e da mi­nha fi­lha. To­dos bra­si­lei­ros, nas­ci­dos em São Pau­lo. Nes­te cer­co de afec­tos e me­mó­ri­as gra­vi­tam tam­bém os es­pí­ri­tos da bi­sa­vó Fanny, do tio Isa­ac, e dos ou­tros Feld­man que fu­gi­ram da Po­ló­nia pa­ra o Bra­sil nas dé­ca­das de 20 e 30, es­ca­pan­do ao Ho­lo­caus­to. En­tre os que fi­ca­ram pa­ra trás, não res­tou um úni­co so­bre­vi­ven­te. Ape­nas uma es­cu­ri­dão bru­tal.

Nos úl­ti­mos anos mer­gu­lhei fi­nal­men­te no Bra­sil. Mas São

Pau­lo fi­cou pa­ra mais tar­de. Na Ter­ra In­dí­ge­na do po­vo Krahô — con­cre­ta­men­te na al­deia Pe­dra Bran­ca, on­de a Re­née pas­sou lon­gas tem­po­ra­das nos úl­ti­mos dez anos — ga­nhei um novo no­me, uma no­va fa­mí­lia e uma ou­tra teia, tam­bém ela for­ma­da por so­bre­vi­ven­tes de um ge­no­cí­dio, pos­si­vel­men­te o mai­or da His­tó­ria: o dos po­vos ori­gi­ná­ri­os. Co­nhe­ci a mai­or área con­tí­nua do Cer­ra­do (um dos bi­o­mas mais ame­a­ça­dos do mun­do) e a lín­gua dos Krahô, que é uma das cer­ca de 300 lín­guas fa­la­das no país. E fiz ami­gos pa­ra a vi­da. In­dí­ge­nas e in­di­ge­nis­tas.

Em S. Pau­lo, fui in­cor­po­ra­do na com­ple­xa ma­qui­na­ria ins­tu­ti­ci­o­nal bra­si­lei­ra: ci­da­dão, pes­soa fí­si­ca, pes­soa ju­rí­di­ca, re­ser­vis­ta do Exér­ci­to. E fi­nal­men­te, elei­tor. Mas hoje, a ca­mi­nho do se­gun­do tur­no, o di­rei­to ao vo­to pa­re­ce uma mi­ga­lha di­an­te da som­bra do Fas­cis­mo que se agi­gan­ta. Pro­pa­ga­se o ódio, o ra­cis­mo, a vi­o­lên­cia.

Na noi­te do pri­mei­ro tur­no, em ca­sa de ami­gos, vi­mos na te­le­vi­são os re­sul­ta­dos que de­ram uma pri­mei­ra vi­tó­ria a Bol­so­na­ro. As son­da­gens pre­vi­am es­te ce­ná­rio, mas quan­do a bom­ba ex­plo­diu per­ce­be­mos que o im­pac­to era mui­to mais vi­o­len­to. Hou­ve lá­gri­mas e de­ses­pe­ro. Re­ce­be­mos e fi­ze­mos te­le­fo­ne­mas a ami­gos e fa­mi­li­a­res pa­ra sa­ber se to­dos es­ta­vam bem, co­mo se a Ter­ra ti­ves­se tre­mi­do. Nes­sa noi­te, o me­do co­me­çou a ins­ta­lar-se nas ro­ti­nas, nas ca­sas, e den­tro de ca­da

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.