Os Di­a­bo na Cruz à pro­cu­ra de um país que não exis­te

Publico - Ipsilon - - Primeira Página - Gonçalo Frota

Ao quar­to ál­bum, Le­bre, con­ti­nu­am

a vi­ver da ten­são en­tre tra­di­ção e mo­der­ni­da­de e a ten­tar res­pon­der

à per­gun­ta que se co­lo­ca­ram no iní­cio: a que po­de so­ar a música po­pu­lar por­tu­gue­sa no sé­cu­lo XXI.

Xmar­ca o lu­gar. Só que, des­ta vez, o X não iden­ti­fi­ca o lu­gar a que se pro­cu­ra che­gar, o te­sou­ro há mui­to en­ter­ra­do à es­pe­ra de ser rei­vin­di­ca­do de pi­ca­re­ta em ris­te, o des­ti­no fi­nal de uma lon­ga su­ces­são de epi­só­di­os ro­cam­bo­les­cos. Es­te X, na vi­da de Jor­ge Cruz (e Cruz, co­mo é evi­den­te, é uma ou­tra for­ma de X), era uma in­cóg­ni­ta nu­ma equa­ção do fu­tu­ro da sua ban­da, os Di­a­bo na Cruz, no pon­to em que ter­mi­na­va a ex­te­nu­an­te di­gres­são de apre­sen­ta­ção do seu ter­cei­ro ál­bum, ho­mó­ni­mo, em 2016. O pas­so se­guin­te de um per­cur­so cres­cen­te de co­lo­car em dis­cos e nos pal­cos do país uma res­pos­ta à per­gun­ta do que po­de ser a música po­pu­lar por­tu­gue­sa no sé­cu­lo XXI — em que rit- mos de ma­lhões e de chu­las tra­zem na cau­da gui­tar­ras eléc­tri­cas que po­de­ri­am ter si­do ex­traí­das com bis­tu­ri da dis­co­gra­fia dos Qu­e­ens of the Stone Age —, não es­pan­ta­ria se pas­sas­se pe­la as­sun­ção de um per­fil mais co­mer­ci­al.

“Hou­ve uma cla­ra in­ca­pa­ci­da­de da mi­nha par­te de se­guir pa­ra es­se ca­mi­nho”, con­fes­sa Jor­ge Cruz ao Íp­si­lon. Sa­ben­do que pa­ra al­guns mem­bros da ban­da es­se X se­ria o pas­so ló­gi­co (e tal­vez por is­so mes­mo), o vo­ca­lis­ta, gui­tar­ris­ta e prin­ci­pal mu­ni­ci­a­dor de canções dos Di­a­bo na Cruz foi sur­pre­en­di­do pe­la mal­di­ção do blo­queio cri­a­ti­vo e quan­do olhou pa­ra a sua fon­te de canções con­cluiu que ti­nha se­ca­do. Pe­lo menos tem­po­ra­ri­a­men­te. “De­pois per­ce­bi que era nor­ma­lís­si­mo, mas no iní­cio não se per­ce­be bem o que se es­tá a pas­sar — mes­mo o pes­so­al da ban­da não es­ta­va a en­ten­der por­que é que is­to es­ta­va a acon­te­cer, que­ria ver as coi­sas a con­ti­nu­ar.” A so­lu­ção de Jor­ge pas­sou por iso­lar-se na al­deia pa­ra on­de se mu­dou en­tre­tan­to e imer­gir num ano de “vi­da nor­mal”, em no­vas ro­ti­nas que cri­as­sem uma sen­sa­ção de es­ta­bi­li­da­de, sem so­bres­sal­tos, até que no­vas canções co­me­ças­sem a ma­ni­fes­tar-se e pu­des­se de­di­car-se a se­guir as pis­tas que fos­sem sur­gin­do com vis­ta à cri­a­ção de um novo ál­bum. Um ál­bum que, de pre­fe­rên­cia, não se li­mi­tas­se a re­com­bi­nar as idei­as ex­plo­ra­das nos três dis­cos an­te­ri­o­res.

De cer­ta for­ma, Le­bre — as­sim se cha­ma o quar­to lon­ga-du­ra­ção dos Di­a­bo na Cruz — é a res­pos­ta a uma ou­tra per­gun­ta, aque­la mes­ma que os Si­ti­a­dos se co­lo­ca­ram no se­gun­do ál­bum: E Ago­ra...!? Na al­tu­ra em que os Di­a­bo na Cruz ma­ta­ram a di­gres­são do dis­co ho­mó­ni­mo, à sua fren­te ha­via aqui­lo que, aos olhos de Jor­ge Cruz, to­ma­va a for­ma de “um na­da, um va­zio”. E es­sa imagem exi­gia re­fle­xão, pau­sa, um mí­ni­mo de certezas an­tes de al­çar a per­na e fin­car o pé no pas­so se­guin­te. Até Ago­ra, cai­xa que, em 2017, agru­pa­va os três ál­buns do gru­po mais o EP Com­ba­te, con­ta­va as es­pin­gar­das de um co­lec­ti­vo que sou­be ser da ci­da­de sem dei­xar a al­deia, ins­ta­lar o bai­la­ri­co po­pu­lar nos pal­cos do rock, tro­car acor­deões por gui­tar­ras, encher le­tras com le­bres que se re­pro­du­zi­am com fi­de­li­da­de à sua fa­ma de po­vo­a­do­ras. E pa­re­cia anun­ci­ar que aqui­lo que de­pois vi­es­se te­ria en­tão de per­cor­rer ou­tros ca­mi­nhos.

Ora Le­bre, que ele­va o ro­e­dor pre­fe­ri­do dos Di­a­bo a tí­tu­lo de ál­bum, não pro­mo­ve ne­nhu­ma rup­tu­ra pro­nun­ci­a­da com es­se passado. Mas ac­tu­a­li­za o “en­saio fi­lo­só­fi­co e ten­ta­ti­va de res­pos­ta” à tal ques­tão que in­ter­ro­ga que for­ma po­de to­mar a música po­pu­lar por­tu­gue­sa no sé­cu­lo XXI. Cla­ro que o sé­cu­lo XXI em 2018 não tem a mes­ma apa­rên­cia que ti­nha há dez anos, quan­do ba­te­mos com os quei­xos no es­pan­to­so con­jun­to de canções que, em Vi­rou!, nos apre­sen­ta­va à música dos Di­a­bo — en­tão ilus­tra­da por uma mi­nho­ta de ócu­los de sol, cu­ja saia ro­da­da a ex­pu­nha sem pu­dor. “Em 2008/2009”,

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.