Tri­ba­lis­tas En­fim ao vi­vo, nu­ma ce­le­bra­ção “mui­to fe­liz”

Publico - Ipsilon - - Primeira Página - Nuno Pa­che­co

Opri­mei­ro dis­co, em 2002, foi pa­ra eles um pra­zer e um tes­te. Ar­nal­do Antunes, Ma­ri­sa Mon­te e Car­li­nhos Brown gra­va­ram um dis­co jun­tos, com 13 canções, e es­se 13 aca­bou por ser um nú­me­ro de sor­te: Tri­ba­lis­tas, as­sim cha­ma­ram ao dis­co, te­ve um enor­me su­ces­so na­ci­o­nal e in­ter­na­ci­o­nal, ven­den­do mais de 2 mi­lhões de có­pi­as no Bra­sil e no mun­do. Ao mes­mo tem­po, cri­ou um gru­po, um su­per­gru­po, já que to­dos eles ti­nham bem- su­ce­di­das car­rei­ras a so­lo, mas um gru­po que não ro­dou pe­los pal­cos.

Até que um se­gun­do dis­co, lan­ça­do em 2017 com o mes­mís­si­mo tí­tu­lo do pri­mei­ro (só Tri­ba­lis­tas, com uma capa tam­bém grá­fi­ca, cri­a­da a par­tir das imagens dos três), os le­vou a que­brar es­se ta­bu. Con­su­man­do uma von­ta­de que, afi­nal, já era tam­bém e de­les há al­gum tem­po, co­mo ex­pli­cam ao Íp­si­lon. “Es­sa ex­pec­ta­ti­va gran­de, que o pú­bli­co tem, de ver o tra­ba­lho em palco, é nos­sa tam­bém”, diz Ar­nal­do Antunes. “Já a tí­nha­mos há mui­to tem­po, mas não hou­ve pos­si­bi­li­da­de. No pri­mei­ro dis­co, gra­var­mos jun­tos já foi mui­to, ha­via as nos­sas car­rei­ras a so­lo e tu­do is­so. Mas gen­te con­ti­nu­ou com­pon­do jun­tos nos anos se­guin­tes e es­se show ago­ra mos­tra es­sa his­tó­ria to­da, que é lon­ga.” Pa­ra Ar­nal­do, su­ce­deu na al­tu­ra cer­ta: “É um mo­men­to mui­to fe­liz, por­que a re­la­ção en­tre nós é bem mais ma­du­ra ago­ra, a gen­te fi­ca sur­pre­so de ver co­mo a in­te­rac­ção das mú­si­cas do pri­mei­ro ál­bum com as do se­gun­do, bem co­mo ou­tras par­ce­ri­as que fo­mos fa­zen­do se­pa­ra­da­men­te, têm uma co­e­são, uma re­la­ção mui­to in­ten­sa na for­ma­ção da iden­ti­da­de dos Tri­ba­lis­tas. En­tão o show aca­bou vin­do no mo­men­to cer­to, é uma ce­le­bra­ção mui­to fe­liz.”

Se os es­pec­tá­cu­los em Lisboa e Por­to, o pri­mei­ro mar­ca­do pa­ra dia 21 na Al­ti­ce Are­na e o se­gun­do pa­ra dia 23 no Co­li­seu do Por­to (am­bos às 21h30), se­gui­rem o ro­tei­ro dos do Bra­sil, co­me­ça­rão e aca­ba­rão com a can­ção Tri­ba­lis­tas, ten­do pe­lo meio as canções dos dois dis­cos, ou­tros te­mas que fo­ram com­pos­tos em par­ce­ria por ape­nas dois de­les ou do re­per­tó­rio individual de ca­da um. Cri­ar canções pa­ra os Tri­ba­lis­tas é, pa­ra eles, “im­pul­si­vo”, diz Ma­ri­sa Mon­te. “Às ve­zes ve­mos uma música que po­de ser po­ten­ci­a­li­za­da na voz dos três, ou­tras te­rão mais a mi­nha ca­ra, a do Ar­nal­do ou a do Brown. Não há uma re­gra.” Ar­nal­do: “Na ver­da­de, gra­var­mos jun­tos co­mo Tri­ba­lis­tas foi nes­ses dois mo­men­tos. E a gen­te viu que eram canções que fa­zia sen­ti­do gra­var­mos jun­tos.”

“Um tra­ba­lho mais co­lec­ti­vo, tal­vez,” diz Ma­ri­sa. E es­se ge­rou o som pró­prio que ca­rac­te­ri­za o gru­po, di­fe­ren­te do de ca­da um. “Não é som, é so­ma”, acres­cen­ta Car­li­nhos Brown. “Nos­so en­con­tro es­tá mui­to ligado a um fe­nó­me­no em que nós in­tuí­mos o que fa­zer, nu­ma or­ga­ni­za­ção não or­ga­ni­za­da. Quan­do as mú­si­cas nos che­gam, são elas que nos es­co­lhem. E es­sa es­co­lha re­la­ci­o­na-se, a tí­tu­lo de tra­di­ção e co­nhe­ci­men­to, com a nos­sa his­tó­ria, fa­la­mos a lín­gua por­tu­gue­sa com um pra­zer enor­me, pro­cu­ran­do que as me­lho­res pa­la­vras que nos vêm de for­ma or­gâ­ni­ca se­jam pin­tu­ras tam­bém. O que pas­sa pe­la gar­gan­ta de Ma­ri­sa é pa­ra qual­quer pes­soa do mun­do can­tar. Ela é um fil­tro de be­le­za, por­que além de can­tar bem, a voz es­co­lhe pa­la­vras, dá uma segurança enor­me. Por­que uma pa­la­vra mal co­lo­ca­da no tem­po, mes­mo que se­ja bo­ni­ta, é uma de­sa­fi­na­ção li­te­rá­ria.”

E há o la­do lú­di­co, qu­a­se in­fan­til (ain­da que fal­sa­men­te in­fan­til), que ema­na de vá­ri­os te­mas. Brown: “Brin­ca­mos mui­to com ono­ma­to­pei­as, ne­o­lo­gis­mos, é o la­do in­fan­til que nós te­mos. As nos­sas ‘cri­an­ças’ se ex­põem mui­to umas às ou­tras, se au­to-ca­ti­vam, mos­tran­do o que há em nós do que se não brin­cou ain­da, e tu­do is­so no nos­so ‘par­que de di­ver­sões’ que é o fa­zer das mú­si­cas.”

Re­fu­gi­a­dos e mi­gra­ções

O novo dis­co tem, en­tre ou­tros te­mas de ins­pi­ra­ção so­ci­al, dois mui­to mar­ca­dos pe­la ac­tu­a­li­da­de: Diás­po­ra e Lu­tar e ven­cer. Ar­nal­do ca­rac­te­ri­za am­bos: “Na ver­da­de a gen­te não es­co­lhe os te­mas, eles apa­re­cem atra­vés da nos­sa vi­vên­cia, aqui­lo é or­ga­ni­ca­men­te vi­vi­do. Diás­po­ra é um tema mui­to ac­tu­al com o que se es­tá vi­ven­do no mun­do, os re­fu­gi­a­dos, es­se dra­ma to­do, mas sen­ti­mo-lo co­mo bra­si­lei­ros, por­que o Bra­sil é um país de imi­gran­tes, de for­ma­ção cul­tu­ral hí­bri­da com vá­ri­as pes­so­as do mun­do. Com a es­pe­ran­ça de que um dia não ha­ja mais fron­tei­ras en­tre nós to­dos, que gen­te va­lo­ri­ze mais o ser hu­ma­no do que a na­ci­o­na­li-

O enor­me êxi­to do pri­mei­ro dis­co não te­ve di­rei­to a pal­cos. Só ago­ra, um ano de­pois do se­gun­do dis­co, os Tri­ba­lis­tas es­tão em di­gres­são jun­tos, apre­sen­tan­do-se dia 21 em Lisboa e 23 no Por­to. Car­li­nhos Brown, Ma­ri­sa Mon­te e Ar­nal­do

Antunes ex­pli­cam porquê.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.