Me­mó­ri­as da Colôm­bia no ci­ne­ma de Luis Os­pi­na

Publico - Ipsilon - - Primeira Página -

É is­so o que se pas­sa no seu ci­ne­ma? Tu­do pa­re­ce acon­te­cer à me­di­da que se fil­ma, quan­do é tu­do en­sai­a­do.

É o mai­or elo­gio que po­dem fa­zer aos meus fil­mes. As pes­so­as pen­sam que são in­ven­ta­dos à me­di­da que fil­ma­mos. Não é as­sim. São com­ple­ta­men­te co­re­o­gra­fa­dos. Por­que te­mos pou­co tem­po de ro­da­gem. Dei­xo os ac­to­res li­vres, mas apri­si­o­no-os mui­to às po­si­ções da câ­ma­ra. Não pá­ro de fa­lar do fil­me, de for­ma que quan­do fil­ma­mos os ac­to­res sen­tem-se li­vres. Mas o tra­vel­ling vai pas­sar por ali, eles têm de me­xer na ca­dei­ra, de-

Mes­mo com o acrés­ci­mo de vi­si­bi­li­da­de de vá­ri­as ci­ne­ma­to­gra­fi­as la­ti­no­a­me­ri­ca­nas, o ci­ne­ma co­lom­bi­a­no con­ti­nua a ser des­co­nhe­ci­do, bem co­mo os seus prin­ci­pais au­to­res. A re­tros­pec­ti­va do Do­cLis­boa 2018, or­ga­ni­za­da em co­la­bo­ra­ção com a Ci­ne­ma­te­ca (on­de de­cor­re­rão to­das as ses­sões), apre­sen­ta-nos um dos prin­ci­pais no­mes do ci­ne­ma co­lom­bi­a­no, o de Luis Os­pi­na. Com uma obra que vem des­de o prin­cí­pio dos anos 1970, Os­pi­na (n. 1949) é um ci­ne­as­ta he­te­ró­cli­to, que to­cou a fic­ção, cru­zou a fun­do o ter­ri­tó­rio do­cu­men­tal (fil­man­do a sua ci­da­de na­tal, Ca­li, e re­tra­tos de ar­tis­tas e in­te­lec­tu­ais co­lom­bi­a­nos), apro­xi­mou-se das “van­guar­das” e do “ex­pe­ri­men­ta­lis­mos” (um dos seus ci­ne­as­tas fa­vo­ri­tos é o ame­ri­ca­no Bru­ce Con­ner), re­flec­tiu so­bre a his­tó­ria do ci­ne­ma, não ape­nas da do co­lom­bi­a­no.

É pre­ci­so di­zer que se tra­ta dum ci­né­fi­lo so­fis­ti­ca­do, co­mo o ates­ta a es­co­lha com que pre­en­cheu a Car­ta Bran­ca que lhe foi oferecida, e on­de não há quais­quer lu­ga­res­co­muns (pa­ra além dum pro­gra­ma com fil­mes de Bru­ce Con­ner, a ver dia 24 às 21h30, há o se­cre­to Nei­ge, de Ju­li­et Ber­to e Je­an-Hen­ri Ro­ger, mos­tra­do dia 25 às 21h30, ou Mé­lo­dra­me, de ou­tro clan­des­ti­no do ci­ne­ma fran­cês dos anos 70, Je­an-Louis Jor­ge, a ver dia 26 às 21h30). E foi co­mo ci­né­fi­lo que Os­pi­na co­me­çou a dei­xar mar­ca na ce­na cul­tu­ral de Ca­li, quan­do, com um gru­po de ami­gos que fi­cou co­nhe­ci­do co­mo o Gru­po de Ca­li ou Ca­liwo­od, fun­dou um ci­ne­clu­be e uma revista de crí­ti­ca de ci­ne­ma (mais tar­de afas­tou-se, de­si­lu­di­do com a ten­dên­cia dos ci­ne­clu­bes pa­ra co­me­ça­rem a mos­trar “fil­mes de Oli­ver Stone ou Pe­ter Gre­e­naway”, con­for­me se po­de ler nu­ma en­tre­vis­ta dos anos 2000). Um dos fil­mes do ciclo é mes­mo uma re­vi­si­ta­ção bi­o­grá­fi­ca ao per­cur­so do Gru­po de Ca­li: To­do Co­men­zó por el Fin, de 2015 (dia 20, 21h30), com uma du­ra­ção qu­a­se épi­ca (3 ho­ras e meia). Ou­tros fil­mes têm o ci­ne­ma co­mo cen­tro: De la Ilu­síon al Des­con­ci­er­to: Ci­ne-Co­lom­bi­a­no

Uma obra qu­a­se des­co­nhe­ci­da, de um dos prin­ci­pais no­mes do ci­ne­ma co­lom­bi­a­no, que tu­do jus­ti­fi­ca des­co­brir.

1970-1995 (dia 19, 18h30), ou os dois tí­tu­los que com­põem a ses­são de dia 22 às 21h30, En Bus­ca de “Ma­ría”, so­bre um fil­me fun­da­dor da ci­ne­ma­to­gra­fia co­lom­bi­a­na, hoje re­du­zi­do a um frag­men­to, e Slaps­tick: La Co­me­dia Mu­da Nor­te­A­me­ri­ca­na, ob­ser­va­ção

“di­dác­ti­ca” (fei­ta pa­ra a te­le­vi­são) dos gran­des pi­o­nei­ros do ci­ne­ma có­mi­co ame­ri­ca­no.

Fil­mou, mui­to, a sua ci­da­de, as­pec­to em que tal­vez o tí­tu­lo mais sig­ni­fi­ca­ti­vo se­ja o do gran­de “fres­co” que es­tre­ou em 1995,

Ca­li: Ayer, Hoy y Maña­na, re­tra­to du­ma ci­da­de atra­vés dos tem­pos e das mais va­ri­a­das te­má­ti­cas (so­ci­ais, ar­tís­ti­cas, cul­tu­rais, po­lí­ti­cas), ou­tro fil­me com uma du­ra­ção “mo­nu­men­tal” (qua­tro ho­ras) mas tam­bém um pos­sí­vel mag­num opus (dia 23 às 17h). Re­tra­tou ar­tis­tas e in­te­lec­tu­ais, co­mo o es­cri­tor Fer­nan­do Val­le­jo ( La De­sa­zón Su­pre­ma: Re­tra­to In­ce­san­te de Fer­nan­do Val­le­jo), au­tor de La Vir­gen de los Si­ca­ri­os, que deu ori­gem ao fil­me de Bar­bet Sch­ro­e­der (tam­bém in­cluí­do na Car­ta Bran­ca: foi Os­pi­na que deu o li­vro a co­nhe­cer a Sch­ro­e­der; pas­sa dia 18 às 21h30); ou o pin­tor Lo­ren­zo Ja­ra­mil­lo, em

Au­tor­re­tra­to Pós­tu­mo de Lo­ren­zo Ja­ra­mil­lo e Nu­es­tra Pe­lí­cu­la (dia 19 às 19h, re­pe­ti­ção a 24 às 18h30). O ca­rác­ter vi­o­len­to de mui­tos as­pec­tos da his­tó­ria co­lom­bi­a­na, e em par­ti­cu­lar de Ca­li, no en­tron­ca­men­to en­tre a vi­o­lên­cia po­lí­ti­ca e a vi­o­lên­cia do nar­co­trá­fi­co, es­tá sub­ja­cen­te a mui­tos des­tes fil­mes mas foi nas su­as in­cur­sões fic­ci­o­nais que Os­pi­na o tra­tou de for­ma menos ve­la­da: So­plo de Vi­da, de 1999 (18 às 19h e 26 às 15h30), va­ri­an­do so­bre o mo­de­lo clás­si­co do fil­me ne­gro; e Pu­ra San­gre, de 1982 (19 Às 21h30 e 23 às 15h30), on­de a co­la­gem ao uni­ver­so do fil­me de vam­pi­ros ser­ve pa­ra a con­tar uma his­tó­ria alu­si­va ao po­der eco­nó­mi­co na Colôm­bia, com cen­tro num ve­lho mag­na­ta pro­du­tor de açú­car. Fic­ções pou­co ca­nó­ni­cas, que mos­tram a veia ci­né­fi­la, “re­fle­xi­va”, de Os­pi­na.

Por Luís Mi­guel Oli­vei­ra

JU­AN CRIS­TO­BAL COBO

Um ci­ne­as­ta he­te­ró­cli­to, que to­cou a fic­ção, cru­zou a fun­do o ter­ri­tó­riodo­cu­men­tal, apro­xi­mou-se das “van­guar­das” e do “ex­pe­ri­men­ta­lis­mos”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.