His­tó­ria de um ho­mem que foi fe­liz

Publico - Ipsilon - - Primeira Página -

Um ro­man­ce atrai­ço­a­do pe­la sua efi­cá­cia ro­ma­nes­ca. Má­rio San­tos

A Su­ces­são

Je­an-Paul Du­bois

(Trad. de Jo­a­na Ca­bral) Sex­tan­te Edi­to­ra A his­tó­ria de um ho­mem que foi fe­liz. Po­de­ria re­su­mir- se as­sim o ro­man­ce mais re­cen­te de Je­anPaul Du­bois (Tou­lou­se,

1950). E es­ta­ria cer­to o re­su­mo — pois, co­mo sa­be­mos, a fe­li­ci­da­de é sem­pre coisa do passado —, mas não fa­ría­mos jus­ti­ça à es­cri­ta do au­tor. Di­ría­mos, en­tão, que se tra­ta da his­tó­ria de um ho­mem que foi fe­liz du­ran­te qua­tro anos, mas a des­cri­ção con­ti­nu­a­ria in­su­fi­ci­en­te. E avan­ça­ría­mos um pas­so mais: A Su­ces­são (ori­gi­nal­men­te pu­bli­ca­do em 2016 e fi­na­lis­ta do Pré­mio Gon­court des­se ano) é a his­tó­ria de um ho­mem que foi fe­liz em Mi­a­mi — ci­da­de on­de não fal­tam pes­so­as “que se vão em­bo­ra sem avi­sar nin­guém”, co­mo, aliás, em to­das as ci­da­des — “de me­a­dos de no­vem­bro de 1983 a 20 de de­zem­bro de 1987”. O uso de ta­ma­nha exac­ti­dão em ma­té­ria tão vo­lá­til qu­an­to é a fe­li­ci­da­de tem o efei­to pa­ra­do­xal, cer­ta­men­te pre­ten­di­do, de nos cau­sar es­tra­nhe­za e al­gu­ma in­qui­e­tu­de, mas a an­co­ra­gem da ac­ção em da­tas e lu­ga­res pre­ci­sos é, jus­ta­men­te, uma ca­rac­te­rís­ti­ca da pro­sa de Du­bois. Tal co­mo a exac­ti­dão vo­ca­bu­lar — ve­ri­fi­cá­vel, por exem­plo, na des­cri­ção dos pra­ze­res da pe­lo­ta bas­ca e dos pro­ce­di­men­tos téc­ni­cos da eu­ta­ná­sia —, con­di­ção que lhe dá uma es­pé­cie de sub­til e efi­caz con­fi­a­bi­li­da­de. Fal­ta di­zer, com­ple­tan­do a si­nop­se, que o ho­mem que foi fe­liz se cha­ma Paul (co­mo qu­a­se to­dos os pro­ta­go­nis­tas de Du­bois) e que tam­bém nas­ceu em Fran­ça, em Tou­lou­se (epi­cen­tro da vi­da e da obra do au­tor).

A fe­li­ci­da­de, in­fe­liz­men­te, é ma­té­ria pou­co ro­ma­nes­ca. De­ve ser por cau­sa dis­so que o au­tor, ini­ci­a­da clas­si­cam­nen­te a nar­ra­ção in me­dia res — com a des­cri­ção abre­vi­a­da da­que­les anos du­ran­te os quais o pro­ta­go­nis­ta-nar­ra­dor, mé­di­co re­frac­tá­rio, foi jo­ga­dor pro­fis­si­o­nal de pe­lo­ta bas­ca na Flo­ri­da —, ra­pi­da­men­te avan­ça pa­ra trás e pa­ra a fren­te no tem­po, ins­ta­lan­do- se des­con­for­ta­vel­men­te (e a nós tam­bém) em “to­da es­sa es­plên­di­da me­di­o­cri­da­de que com­põe um vi­da” (p. 32). A qu­e­da de Paul é anun­ci­a­da pe­la che­ga­da a Mi­a­mi de du­as fotografias en­vi­a­das por seu pai, mé­di­co em Tou­lou­se, “após qua­tro anos de si­lên­cio, de ig­no­rân­cia e de in­di­fe­ren­ça”, e pe­lo anún­cio pro­to­co­lar do sui­cí­dio te­a­tral des­te. Os dois acon­te­ci­men­tos são pra­ti­ca­men­te si­mul­tâ­ne­os e pre­ci­pi­tam a ex­pres­são de to­da a es­tra­nhe­za que a sua fa­mí­lia de sui­ci­das — “aque­la gen­te, in­ca­paz de vi­ver, de su­por­tar o seu pró­prio pe­so na ter­ra”, maus ac­to­res que só “sa­bi­am mor­rer até mais não” — acor­da no pro­ta­go­nis­ta e, em par­ti­cu­lar, do ódio que es­te de­di­ca ao seu pro­ge­ni­tor, sem­pre com “o seu la­tim de co­zi­nha” e “com a bo­ca cheia de fra­ções con­tí­nu­as e de ex­po­en­tes e, po­rém, sem uma pa­la­vra pa­ra o seu fi­lho”. Con­ven­ci­do de que, “gra­ças à sua gran­de sa­be­do­ria, os te­tos nun­ca ca­em du­as ve­zes no mes­mo sítio”, Paul es­tá lon­ge de pre­ver o que irá des­co­brir quan­do re­gres­sa a Tou­lou­se, pa­ra o fu­ne­ral do pai.

Dez anos de­pois de Não Brin­que, Se­nhor Tan­ner, o au­tor de Uma Vi­da Fran­ce­sa (ro­man­ce edi­ta­do pe­la Asa em 2005) vol­ta a ser pu­bli­ca­do em Por­tu­gal. E ain­da bem, por­que, sen­do um es­cri­tor dis­cre­to, Je­an-Paul Du­bois é tam­bém um es­cri­tor fiá­vel e com um gos­to efi­caz pe­lo ro­ma­nes­co. Tal­vez se­ja, aliás, es­ta efi­cá­cia apu­ra­da que, tor­nan­do o fi­nal des­te ro­man­ce pre­vi­sí­vel e até mes­mo ine­vi­tá­vel, aca­ba por en­fra­que­cê­lo. Já qu­a­se no fi­nal do li­vro, Du­bois abre um pa­rá­gra­fo com al­gu­mas fra­ses que po­de­ri­am ter si­do um bom in­ci­pit, ca­so a nar­ra­ção fos­se uma só ana­lep­se: “Eu ti­nha 44 anos, a vi­da so­ci­al de uma me­sa de um só pé, uma vi­da amo­ro­sa que so­fria da sín­dro­me de Guil­lain-Bar­ré, e pra­ti­ca­va com apli­ca­ção e ri­gor uma pro­fis­são es­ti­má­vel mas pa­ra a qual eu não era fei­to. Ia ao ci­ne­ma, ou­via música, lia re­vis­tas de ati­vi­da­des náu­ti­cas e se­guia de tem­pos a tem­pos a atu­a­li­da­de do râ­gue­bi. Era pa­re­ci­do com a mai­o­ria dos meus vi­zi­nhos. Com a pe­que­na di­fe­ren­ça de eles nun­ca te­rem pre­ci­sa­do de tocar num fras­co de pan­cu­ró­nio.” (p.194) Por es­ta al­tu­ra, po­rém, o nos­so an­ti-he­rói exis­ten­ci­a­lis­ta, que po­de­ria ter saí­do de um qua­dro de Edward Hop­per, já cru­zou di­ver­sas ve­zes o Atlân­ti­co en­tre Mi­a­mi, Tou­lou­se e o País Bas­co, e, sub­me­ti­do à “gui­lho­ti­na dos di­as”, já des­co­briu que não é pos­sí­vel “cor­rom­per o des­ti­no”. So­bre­tu­do, Paul já acei­tou su­ce­der ao pai e pre­pa­ra- se ago­ra pa­ra hon­rar a sua he­ran­ça, “aque­la in­cor­ri­gí­vel pro­pen­são fa­mi­li­ar a aban­do­nar o palco an­tes do fi­nal da pe­ça”. li­mi­tes do hu­ma­no — no ca­so, de uma es­pé­cie an­ces­tral —, a so­li­dão, a vi­o­lên­cia, a mo­ral, os pa­ra­do­xos en­tre pre­ca­ri­da­de e per­ma­nên­cia, as­pe­re­za e fra­gi­li­da­de, a iden­ti­da­de e uma ideia de mun­do ori­gi­nal que par­te da lin­gua­gem, mais pre­ci­sa­men­te de efi­caz um en­ca­de­ar de pa­la­vras ca­pa­zes de con­fe­rir um pou­co de ve­ro­si­mi­lhan­ça ao mais in­ve­ro­sí­mil.

A ac­ção si­tua-se no Pla­nal­to de Nau­mãn on­de vi­ve um po­vo que ve­ne­ra o fo­go e o fu­tu­ro. Es­se po­vo di­vi­de-se em seis co­mu­ni­da­des e re­ge-se pe­lo nú­me­ro se­te. O ob­jec­ti­vo é fun­dar uma sé­ti­ma co­mu­ni­da­de. “No al­to das es­car­pas de gra­ni­to, on­de ar­de o fo­go, er­guem-se as mu­ra­lhas com se­te Por­tas.

Éra­mos seis co­mu­ni­da­des. Ca­da co­mu­ni­da­de ace­dia ao es­pa­ço ri­tu­al pe­la sua Por­ta. A sé­ti­ma, apren­día­mo-lo des­de a pri­mei­ra vez que pi­sá­va­mos o Pla­nal­to, era pa­ra aque­les que vi­ri­am. Uma pro­mes­sa de pos­te­ri­da­de. A ga­ran­tia de que, de­pois de ca­da dia, ha­ve­ria ou­tro dia, de­pois de ca­da ano, ha­ve­ria ou­tro ano, de­pois de ca­da co­mu­ni­da­de, ha­ve­ria ou­tras co­mu­ni­da­des. Nós, Nau­mans, de de­dos há­beis, res­pei­ta­mos o passado, mas ve­ne­ra­mos o Fu­tu­ro.”

Es­te pa­rá­gra­fo fun­ci­o­na co­mo qu­a­se um li­vro pri­mei­ro, gé­ne­sis de uma his­tó­ria nar­ra­da por Al­va, uma fê­mea de 14 anos, elei­ta pa­ra in­te­grar o gru­po que irá dei­xar o Pla­nal­to, no cen­tro da Ter­ra de To­dos, pas­sar a fron­tei­ra, e fun­dar uma no­va co­mu­ni­da­de de que te­rão de dar con­ta daí a se­te anos, nu­ma ex­pe­di­ção ao lu­gar de par­ti­da, Nau­mãn, ter­ra on­de per­du­ra a paz há 70 ge­ra­ções, que se re­ge por uma com­ple­xa Lei Co­mum que es­ta­be­le­ce co­mo se exer­ce o po­der — mui­to pró­xi­mo do que hoje se cha­ma de­mo­cra­cia —, a eco­no­mia, ba­se­a­da nas tro­cas e bens, a se­xu­a­li­da­de, o nas­ci­men­to, a edu­ca­ção. Os Nau­mans nas­cem de ovos. “... to­dos os anos, um em ca­da qua­tro ovos fer­ti­li­za­dos se­rá con­du­zi­do ao Pla­nal­to pa­ra par­ti­lha e re­dis­tri­bui­ção. De­pois da Tro­ca, as co­mu­ni­da­des re­gres­sa­rão a ca­sa com o mes­mo nú­me­ro de ovos, mas não co­nhe­ce­rão a sua pro­ve­ni­ên­cia. A par­tir de en­tão, se um Nau­man pe­gas­se em ar­mas pa­ra ata­car ou­tro Nau­man, se uma co­mu­ni­da­de se vol­tas­se con­tra a ou­tra, não sa­be­ria se não era os seus fi­lhos ou os seus pró­pri­os pais e ir­mãos que es­ta­va a ma­tar.” Es­ta era re­gra es­sen­ci­al pa­ra ga­ran­tir a paz e a so­bre­vi­vên­cia de um po­vo en­tre pre­da­do­res num ter­ri­tó­rio tão avas­sa­la­do­ra­men­te vas­to qu­an­to hos­til.

Al­va é fi­lha da Tro­ca, uma Nau­man que po­da ser ori­gi­ná­ria de qual­quer co­mu­ni­da­de a qu­em cou­be o pa­pel de nar­rar os fei­tos da co­mu­ni­da­de ex­pe­di­ci­o­ná­ria que ha­via de se fi­xar. Vi­ram um

Sen­do um es­cri­tor dis­cre­to, Je­an-Paul Du­bois é tam­bém um es­cri­tor fiá­vel e com um gos­to efi­caz pe­lo ro­ma­nes­co

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.