Acção Pa­ra­le­la An­tó­nio Gu­er­rei­ro As me­ta­mor­fo­ses do fas­cis­mo

Publico - Ipsilon - - Primeira Página -

Ae­mer­gên­cia de par­ti­dos e mo­vi­men­tos de ex­tre­ma-di­rei­ta em to­da a Eu­ro­pa e a imi­nên­cia da elei­ção de Bol­so­na­ro pa­ra a pre­si­dên­cia do Brasil — as­sim co­mo ou­tros sig­nos in­dis­cre­tos do am­bi­en­te po­lí­ti­co que sus­ci­tam o uso das me­tá­fo­ras mé­di­cas dos sin­to­mas e das me­mó­ri­as trau­má­ti­cas – fi­ze­ram com que se di­fun­dis­se a te­se do re­gres­so aos anos de 1930. A re­fe­rên­cia ao fas­cis­mo his­tó­ri­co, aos fas­cis­mos clás­si­cos eu­ro­peus que ir­rom­pe­ram en­tre as du­as guer­ras mun­di­ais, é cer­ta­men­te ten­ta­do­ra por­que há, aqui e ali, so­bre­vi­vên­ci­as da ma­triz do ve­lho fas­cis­mo, em re­la­ção ao qual a nos­sa cons­ci­ên­cia his­tó­ri­ca nos co­lo­ca em es­ta­do de aler­ta. Mas há uma sim­pli­fi­ca­ção e um es­que­ma in­ter­pre­ta­ti­vo de­ma­si­a­do rí­gi­do nes­ta aná­li­se que si­tua as no­vas di­rei­tas ex­tre­mas — de res­to mui­to he­te­ro­gé­ne­as — nu­ma li­nha de con­ti­nui­da­de ide­o­ló­gi­ca em re­la­ção aos anos 30 do sé­cu­lo pas­sa­do. Es­ta gre­lha ana­lí­ti­ca, le­van­do a um “di­ag­nós­ti­co” er­ra­do, po­de re­ve­lar-se um obs­tá­cu­lo pa­ra a com­pre­en­são do fe­nó­me­no e pro­vo­car for­mas equi­vo­ca­das de li­dar com ele. É o que pen­sam, en­tre ou­tros, dois re­co­nhe­ci­dos his­to­ri­a­do­res do na­zis­mo e da his­tó­ria eu­ro­peia do sé­cu­lo XX: o in­glês Ian Kershaw e o ita­li­a­no En­zo Tra­ver­so. É des­te úl­ti­mo um li­vro so­bre “os no­vos ros­tos do fas­cis­mo”, on­de in­tro­duz o con­cei­to de “pós-fas­cis­mo” co­mo ana­li­sa­dor des­te ti­po de mo­vi­men­tos (mui­tos de­les ain­da em for­ma­ção) que, em­bo­ra ape­lan­do em al­guns as­pec­tos a uma ma­triz fas­cis­ta, são no es­sen­ci­al mui­to di­fe­ren­tes.

Des­de lo­go, ob­ser­va Tra­ver­so, o fas­cis­mo clás­si­co de­sig­na um con­jun­to de or­ga­ni­za­ções de mas­sa di­ri­gi­das por um par­ti­do e im­pul­si­o­na­das por um che­fe ca­ris­má­ti­co. O fas­cis­mo fo­men­ta­va a guer­ra e a re­cons­ti­tui­ção de im­pé­ri­os e re­cla­ma­va a con­di­ção de “re­vo­lu­ci­o­ná­rio”. Que­ria cons­truir uma no­va ci­vi­li­za­ção. Era, por­tan­to, de­ten­tor de va­lo­res for­tes, en­quan­to es­ta no­va ex­tre­ma-di­rei­ta se ca­rac­te­ri­za por ser po­li­ti­ca­men­te re­ac­ci­o­ná­ria e so­ci­al­men­te re­gres­si­va, ob­ce­ca­da, diz Tra­ver­so, com uma du­pla ta­re­fa: res­ta­be­le­cer as “iden­ti­da­des na­ci­o­nais” ame­a­ça­das (a xe­no­fo­bia é a sua mar­ca mais im­po­nen­te e com mais po­der de mo­bi­li­za­ção) e pre­en­cher o va­zio dei­xa­do pe­la po­lí­ti­ca, quan­do es­ta é re­du­zi­da ao “im­po­lí­ti­co”. Tra­ver­so uti­li­za es­ta pa­la­vra pa­ra de­sig­nar uma re­la­ção de­sen­can­ta­da com a po­lí­ti­ca e a pu­ra “go­ver­nan­ça”. Mas a pa­la­vra tem ou­tras res­so­nân­ci­as pro­fun­das, re­en­via-nos pa­ra as Con­si­de­ra­ções de um Im­po­lí­ti­co (1918) que Tho­mas Mann es­cre­veu du­ran­te a Pri­mei­ra Guer­ra Mun­di­al. Tho­mas Mann mo­via-se en­tão no ter­ri­tó­rio ide­o­ló­gi­co da “re­vo­lu­ção con­ser­va­do­ra”, que ape­la­va à “mo­bi­li­za­ção to­tal”, à dis­ci­pli­na e ao sa­cri­fí­cio da guer­ra do­mi­nan­te. Ora, o fas­cis­mo dos anos 30 es­ta­va li­ga­do por es­sên­cia à ideia de mo­bi­li­za­ção to­tal e à fi­gu­ra do Tra­ba­lha­dor, uma Ges­talt his­tó­ri­co­es­pi­ri­tu­al que Ernst Jün­ger re­pre­sen­tou num li­vro de 1932 que se in­ti­tu­la pre­ci­sa­men­te O Tra­ba­lha­dor.

Não nos ilu­da­mos com es­te tí­tu­lo: o Tra­ba­lha­dor do en­saio de Jün­ger é com­ple­ta­men­te sub­traí­do à lin­gua­gem do mar­xis­mo pa­ra fa­lar pu­ra e sim­ples­men­te a lín­gua da mo­bi­li­za­ção to­tal que ins­pi­rou os fas­cis­mos. Fá­cil é en­tão per­ce­ber que es­ta­mos ho­je mui­to afas­ta­dos das con­di­ções do fas­cis­mo dos anos 30. A ca­te­go­ria de “pós-fas­cis­mo” for­mu­la­da por En­zo Tra­ver­so im­pli­ca tam­bém que a si­tu­a­ção ac­tu­al é a de pós-mo­bi­li­za­ção to­tal.

A ma­triz ide­o­ló­gi­ca des­ta ex­tre­ma-di­rei­ta mo­der­na é an­tes o prin­cí­pio iden­ti­tá­rio. O ra­cis­mo vem a par do se­xis­mo, co­mo se viu em Fran­ça, com as ma­ni­fes­ta­ções con­tra o ca­sa­men­to ho­mos­se­xu­al, co­mo se po­de ver nos ca­sos de vi­o­lên­cia ho­mó­fo­ba que os jor­nais ita­li­a­nos no­ti­ci­am di­a­ri­a­men­te, co­mo se vê no que es­tá a acon­te­cer no Brasil. As di­rei­tas ex­tre­mas ac­tu­ais re­ve­lam uma fi­xa­ção iden­ti­tá­ria so­bre a se­xu­a­li­da­de co­mo “da­do na­tu­ral”. Lu­tar con­tra a de­mo­cra­cia se­xu­al se­gue o mes­mo mo­de­lo da lu­ta con­tra a de­mo­cra­cia ra­ci­al. E a ideia de um com­plot e de um ini­mi­go ma­lé­fi­co sur­ge com uma gran­de for­ça mo­bi­li­za­do­ra. Já não se tra­ta, ago­ra da cons­pi­ra­ção ju­dai­ca mun­di­al, dos “Pro­to­co­los dos sá­bi­os de Sião”, mas das ca­te­go­ri­as se­xu­ais que são vis­tas co­mo ame­a­ças à “na­tu­ral” or­dem fa­mi­li­ar e so­ci­al.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.