Cat Power nas can­ções dos ou­tros

Publico - Ipsilon - - Primeira Página -

Fre­quen­te vi­si­tan­te das can­ções alhei­as, con­se­guiu

con­ven­cer-nos de que (I can’t get no) Sa­tis­fac­ti­on

po­dia per­der o re­frão. Ago­ra, mos­tra-nos o que fa­zer

a uma ba­la­da de Rihan­na.

Na­que­le que te­rá si­do, mui­to pos­si­vel­men­te, o pri­mei­ro mo­men­to de ver­da­dei­ra su­fo­ca­ção com a aten­ção con­quis­ta­da pe­la sua música, Cat Power fez su­ce­der a Mo­on Pix (1998) — pe­que­no ter­ra­mo­to no mun­do das can­ções in­die pa­ra gui­tar­ra e voz frá­gil e rou­ca (atri­bu­to na­tu­ral ou con­se­gui­do com ba­se nu­ma di­e­ta es­me­ra­da de ta­ba­co e ál­co­ol) — um dis­co de ver­sões in­ti­tu­la­do The Co­vers Re­cord (2000). E es­te ar­ran­ca­va com uma abor­da­gem tão sen­su­al quan­to in­tri­gan­te e des­con­cer­tan­te de (I can’t get no) Sa­tis­fac­ti­on, to­da ela de­li­ca­de­za acús­ti­ca e com­pas­sa­da, con­trá­ria à in­qui­e­ta­ção ber­ra­da por Mick Jag­ger e a anos-luz de dis­tân­cia da es­pa­ven­to­sa abor­da­gem que os De­vo ti­nham pro­pos­to pa­ra o mes­mo te­ma dos Rol­ling Sto­nes.

O des­con­cer­tan­te que ha­via na ver­são de Cat Power de­via-se em boa par­te ao de­sa­pa­re­ci­men­to sem qual­quer ras­to de um dos mais me­mo­rá­veis re­frães de um dos mais re­co­nhe­cí­veis can­ci­o­nei­ros da música po­pu­lar do sé­cu­lo XX. Omi­tir a re­pe­ti­ção da frase que dá tí­tu­lo àque­la com­bus­tão blu­es­rock in­ven­ta­da por Jag­ger e Keith Ri­chards pa­re­cia rou­bar de uma pe­na­da a iden­ti­da­de da can­ção. E era um ges­to tão cla­ro e pro­vo­ca­dor que ba­ra­lha­va, des­de lo­go, qu­ais­quer re­gras a que, pre­su­mi­vel­men­te, Cat Power pu­des­se ade­rir pa­ra re­cri­ar te­mas de Bob Dy­lan, Vel­vet Un­der­ground, Smog ou Mae West (com a orquestra de Du­ke El­ling­ton) — a par­ce­ria en­tre West e El­ling­ton, Trou­bled wa­ters, era trans­for­ma­da em ma­te­ri­al des­nu­do e cru, trans­por­tá­vel sem aci­den­tes pa­ra o uni­ver­so de Bill Cal­lahan ou Mary Mar­ga­ret O’Ha­ra.

Só que na­da dis­to era, afi­nal, re­sul­ta­do de um ges­to tão cons­ci­en­te e pre­me­di­ta­do quan­to is­so. “Pa­ra ser sin­ce­ra, o re­frão não es­tá lá por­que não sa­bia to­cá-lo na gui­tar­ra ou no pi­a­no”, con­fes­sa Cat Power ao Íp­si­lon, pas­sa­dos 18 anos so­bre a edi­ção de The Co­vers Re­cord. “Nun­ca ti­ve uma aula de música, não co­nhe­ço os acor­des, sim­ples­men­te con­si­go apro­pri­ar-me de uma can­ção quan­do qu­e­ro es­cu­tá-la.” O que acon­te­ceu no ca­so es­pe­cí­fi­co de Sa­tis­fac­ti­on foi que Chan Marshall tan­to ou­viu a cas­se­te Hot Rocks 1964-1971, com­pi­la­ção dos pri­mei­ros tem­pos dos Sto­nes, na car­ri­nha em que se des­lo­ca­va quan­do vi­via em

Atlan­ta que, quan­do a fi­ta se es­tra­gou e pri­va­da de escutar uma can­ção pe­la qual se tor­na­ra ob­ses­si­va, não te­ve al­ter­na­ti­va a pe­gar na gui­tar­ra e in­ven­tar uma música pa­ra acom­pa­nhar a le­tra. “E is­to ape­nas por­que que­ria ou­vi-la”, diz. “Foi as­sim que fiz es­sa ver­são”.

The Co­vers Re­cord, dis­co com re­cur­sos mí­ni­mos — pou­co mais do que Cat Power, uma gui­tar­ra, um pi­a­no e as can­ções que lhe ape­te­ceu ou­vir —, ser­viu pa­ra a can­tau­to­ra to­mar ba­lan­ço pa­ra os ál­buns mais ex­pan­si­vos da sua car­rei­ra: You Are Free (2003) e The Gre­a­test (2006). Com The Gre­a­test, em par­ti­cu­lar, as­sis­ti­da pe­la Memphis Rhythm Band, di­ri­gia-se pa­ra terrenos fron­tei­ri­ços en­tre a folk e a soul, o mes­mo tom que em­pre­ga­ria ao re­gres­sar às ver­sões, pas­sa­dos dois anos, com a edi­ção de Ju­ke­box, ál­bum em que se ati­ra­va aos re­por­tó­ri­os de Dy­lan, Frank Si­na­tra, Ja­mes Brown, Hank Wil­li­ams, Bil­lie Ho­li­day, Ja­nis Jo­plin ou Jo­ni Mit­chell.

Ago­ra, em Wan­de­rer, mer­gu­lha em Stay, ba­la­da gran­di­lo­quen­te que Rihan­na gra­vou no ál­bum Una­po­lo­ge­tic, com­pos­ta por Mikky Ek­ko e Jus­tin Par­ker (co­la­bo­ra­dor ha­bi­tu­al de La­na del Rey, fac­to que une as pon­tas sol­tas), nu­ma es­co­lha de­ve­ras sur­pre­en­den­te ten­do em con­ta a ten­dên­cia pa­ra os clás­si­cos que cos­tu­ma nor­te­ar a foi­ce em can­ci­o­nei­ro alheio da nor­te-ame­ri­ca­na.

Tal co­mo acon­te­ce­ra com Sa­tis­fac­ti­on, tam­bém ago­ra ao gra­var Stay, Cat Power não se de­di­cou a es­tu­dar exaus­ti­va­men­te o seu ob­jec­to de tra­ba­lho. Acon­te­ceu-lhe no sound­check de um fes­ti­val em Los An­ge­les des­cer os de­dos so­bre o te­cla­do do pi­a­no e re­co­nhe­cer os acor­des que lhe fa­zi­am su­bir a le­tra de Stay à bo­ca. Pas­sa­dos dois di­as, nu­ma das ses­sões de gra­va­ção de Wan­de­rer, en­quan­to o en­ge­nhei­ro de som Rob Sch­napf ca­li­bra­va ins­tru­men­tos e cap­ta­ções, pe­diu a Chan que aque­ces­se e to­cas­se qual­quer coi­sa ao pi­a­no. Era uma me­ra eta­pa de pre­pa­ra­ção de es­tú­dio an­tes de avan­ça­rem pa­ra a gui­tar­ra a fim de fa­ze­rem o mes­mo tra­ba­lho de aque­ci­men­to e afi­na­ção téc­ni­ca. Acon­te­ce que, ao pi­a­no, as mãos de Chan vol­ta­ram a cair so­bre os acor­des de Stay

— “a mi­nha no­va can­ção pre­fe­ri­da que, em­bo­ra ti­ves­se saí­do há uns anos, eu ti­nha des­co­ber­to na­que­la mes­ma se­ma­na”, re­cor­da ao Íp­si­lon —, re­cu­pe­ran­do a me­mó­ria que fi­ca­ra do sound­check. E avan­çou pe­lo te­ma, apoi­an­do-se nos ver­sos de que se lem­bra­va.

“Eu não sa­bia que ele es­ta­va a gra­var”, diz. “Só pas­sa­dos mais dois di­as, quan­do es­tá­va­mos a ter­mi­nar os tra­ba­lhos, é que ele me per­gun­tou se me po­dia to­car uma coi­sa. E ti­nha gra­va­do o Stay. Por is­so aqui­lo que se ou­ve no dis­co não sou eu a ten­tar re­cri­ar a can­ção de for­ma di­fe­ren­te, é mes­mo por­que não sei to­car a música e às ve­zes não me lem­bro da le­tra to­da.” Mas es­se sem­pre foi um dos ce­ná­ri­os per­fei­tos pa­ra Cat Power: aque­les em que não te­nha de ten­tar de­ma­si­a­do. Dei­xa­da as­sim, à sol­ta, a ten­tar re­fa­zer can­ções co­mo se lem­bra de­las ou lhe ape­te­ce no mo­men­to sem­pre deu bons re­sul­ta­dos. E sem­pre nos obri­gou a re­con­si­de­rar ver­da­des in­con­tes­tá­veis. Co­mo aque­la que di­zia que (I can’t get no) Sa­tis­fac­ti­on ja­mais po­de­ria so­bre­vi­ver à eli­mi­na­ção do re­frão. G.F.

Tal co­mo acon­te­ce­ra com Sa­tis­fac­ti­on, dos Sto­nes, ao gra­var Stay, de Rihan­na, não es­tu­dou a fun­do o seu ob­jec­to. Dei­xa­da à sol­ta, a re­fa­zer can­ções co­mo se lem­bra de­las sem­pre deu bons re­sul­ta­dos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.