“Odi­a­ria ser um to­ta­li­tá­rio do gos­to”

Publico - Ipsilon - - Primeira Página - Hu­go Pin­to dos San­tos

Jo­a­quim Ma­nu­el Ma­ga­lhães pu­bli­ca nes­te

mês de No­vem­bro a mais re­cen­te reu­nião da sua po­e­sia tal co­mo a

pre­ten­de pre­ser­var: Pa­ra Co­mi­go. O po­e­ta, o mais ins­ti­gan­te en­saís­ta da po­e­sia por­tu­gue­sa, emi­nen­te tra­du­tor de, en­tre ou­tros, Ka­va­fis,

afir­ma que­rer con­cen­trar-se ape­nas na

es­cri­ta dos seus ver­sos.

por ve­zes cris­ma­do de “meio”. É ain­da pos­sí­vel ler, em Pa­ra Co­mi­go: “Ape­nas o re­al.” Tal­vez não por aca­so, dois li­vros de Jo­a­quim Ma­nu­el Ma­ga­lhães se cha­ma­ram Con­sequên­cia do Lu­gar, um tí­tu­lo au­tó­no­mo e uma reu­nião de par­te da sua po­e­sia.

Es­tre­a­do com Po­e­mas ( edi­ção po­li­co­pi­a­da num en­ve­lo­pe de An­tó­nio Pa­lo­lo, 1974), des­de ce­do na sua bi­bli­o­gra­fia le­vou a ca­bo aque­la que é a mais ra­di­cal ope­ra­ção de re­es­cri­ta da po­e­sia por­tu­gue­sa. Mui­to an­tes de che­gar­mos ao mais re­cen­te mo­men­to des­se di­nâ­mi­co re­es­cre­ver, Pa­ra Co­mi­go (Re­ló­gio D’Água, 2018), en­ce­tou di­ver­sas al­te­ra­ções, den­tro dos po­e­mas que in­te­gra­vam ca­da tí­tu­lo au­tó­no­mo. Em ca­da no­vo li­vro de po­e­sia que pu­bli­ca­va, ia ra­su­ran­do e re­a­gru­pan­do, ex­cluin­do con­jun­tos, ou re­du­zin­do- os em número de com­po­si­ções — nu­ma imparável or­dem de re­es­cri­ta. Quan­do pe­la pri­mei­ra vez co­li­giu os po­e­mas que “pre­tend[ia] pre­ser­var”, co­mo en­tão es­cre­veu, em Al­guns Li­vros Reu­ni­dos (Con­tex­to, 1987), fa­zia-a já “com inú­me­ras al­te­ra­ções”. E, uma vez mais, ha­via des­lo­ca­ções mo­di­fi­ca­do­ras de po­e­mas, os quais, em cer­tas ins­tân­ci­as, tran­si­ta­vam de um pa­ra ou­tro gru­po de tex­tos. Nes­sa pri­mei­ra reu­nião, au­to­no­mi­za­ram- se dois li­vros que lon­ga­men­te per­ma­ne­ce­ri­am iso­la­dos: Os Di­as, Pe­que­nos Char­cos (Pre­sen­ça, 1981), Se­gre­dos, Se­bes, Alu­viões (Pre­sen­ça, 1985). Mais tar­de, quan­do vol­tou a reu­nir, em Con­sequên­cia do Lu­gar ( Re­ló­gio D’Água, 2001), “o con­jun­to de li­vros que”, di­zia, “sin­to se­rem a pri­mei­ra par­te de uma obra que se pô­de ir con­ti­nu­an­do”, man­ter- sei­am igual­men­te au­tó­no­mos: Uma Luz com Um Tol­do Vermelho (Pre­sen­ça, 1990), A Po­ei­ra Le­va­da pe­lo Ven­to (Pre­sen­ça, 1993) e Al­ta Noi­te em Al­ta Fra­ga ( Re­ló­gio D’Água, 2001). Foi, no en­tan­to, Um Tol­do Vermelho que mais in­ten­si­fi­cou a acção re­or­ga­ni­za­ti­va e mo­di­fi­ca­do­ra da po­e­sia reu­ni­da de Jo­a­quim Ma­nu­el Ma­ga­lhães. Uma “No­ta” que en­cer­ra­va o li­vro de­ci­dia, li­mi­nar­men­te: “Es­te vo­lu­me cons­ti­tui a mi­nha obra poé­ti­ca até 2001, a que acres­cen­to um po­e­ma pu­bli­ca­do em 2005. Ex­clui e subs­ti­tui to­da a an­te­ri­or.” São pa­la­vras pa­ra se­rem to­ma­das à le­tra. As­sim foi, e se­rá, ao que tu­do in­di­ca. Um Tol­do Vermelho aglu­ti­na­va num só vo­lu­me li­vros an­te­ri­o­res sub­me­ti­dos a pro­fun­das e de­ci­si­vas al­te­ra­ções. Um ges­to que eli­mi­na­va di­ver­sos ne­xos frá­si­cos, car­re­gan­do o tom elíp­ti­co, op­tan­do por uma tex­tu­ra mui­to me­nos nar­ra­ti­va do que de­cla­ra­ti­va. Mais do que re­la­tar uma si­tu­a­ção, a sua po­e­sia pas­sou a cons­ta­tar o nú­cleo, o su­mo de tu­do. Ao lon­go de to­do es­te pro­ces­so, não se de­ve re­ter ape­nas o pro­ces­so da es­cri­ta, mas o que pa­re­ce ser uma von­ta­de de de­cla­rar obli­qua­men­te. Tal­vez se­ja de­sa­con­se­lhá­vel fi­xar de­ma­si­a­da im­por­tân­cia num co­te­jo li­te­ral e ob­ses­si­vo de va­ri­an­tes. Não ape­nas por­que se tra­ta­ria de um exer­cí­cio de fu­ti- li­da­de, mas por es­tar­mos di­an­te de re­a­li­da­des tex­tu­ais que mu­tu­a­men­te se ex­clu­em. Se da­qui re­sul­ta um pa­ra­do­xo, po­de­rá ser ra­zo­a­vel­men­te in­di­fe­ren­te. No en­tan­to, Um Tol­do Vermelho e, so­bre­tu­do, o no­vo Pa­ra Co­mi­go pa­re­cem com­pe­lir uma lei­tu­ra au­tó­no­ma do que se con­cen­trou num só li­vro. Pa­ra Co­mi­go cons­ti­tui, ho­je, o que Jo­a­quim Ma­nu­el Ma­ga­lhães pre­ten­de pre­ser­var e fi­xar da sua po­e­sia.

To­ca­do pe­lo se­ri­a­lis­mo de An­ton We­bern, trans­por­tou pa­ra a sua po­e­sia ac­tu­al a pre­o­cu­pa­ção com a in­di­vi­du­a­li­da­de so­no­ra de ca­da pa­la­vra que com­pa­re­ce nos seus po­e­mas, de for­ma a evi­tar a re­pe­ti­ção vo­ca­bu­lar e a pro­mo­ver a ex­clu­são sis­te­má­ti­ca de so­no­ri­da­des que lhe de­sa­gra­dam na nos­sa lín­gua. To­das es­tas pre­o­cu­pa­ções, con­tu­do, não de­vem fa­zer pen­sar nu­ma po­e­sia for­ma­lis­ta, co­mo a de Jo­a­quim Ma­nu­el Ma­ga­lhães de for­ma ne­nhu­ma é.

Se­ria di­fí­cil ima­gi­nar um po­e­ta por­tu­guês de quem se aguar­das­se com tan­ta ex­pec­ta­ti­va um no­vo li­vro de po­e­mas co­mo Jo­a­quim Ma­nu­el Ma­ga­lhães. Re­pre­sen­ta, na po­e­sia por­tu­gue­sa, al­go di­fe­ren­te de um pon­to de rup­tu­ra

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.