Tu­ro cor-de-ro­sa

Publico - Ipsilon - - Primeira Página -

aca­bou por adop­tar ou­tra es­tra­té­gia: fa­zer o mu­seu nou­tro lu­gar dos jar­dins. Ho­je, Ser­ral­ves é o edi­fí­cio do mu­seu, a “ca­sa cor­de-ro­sa” e os seus jar­dins.

Con­vém lem­brar que, após o no­vo mu­seu es­tar em fun­ci­o­na­men­to, a “ca­sa cor-de-ro­sa” con­ti­nu­ou a aco­lher ex­po­si­ções de ar­te con­tem­po­râ­nea que es­ta­be­le­ce­ram um diá­lo­go ri­co en­tre o que é e o que po­de ser a Ca­sa de Ser­ral­ves e o que é e po­de ser a ar­te con­tem­po­râ­nea.

A vir­tu­de de se ter cons­truí­do um no­vo mu­seu é que se pre­ser­vou a ca­sa co­mo ca­sa, com ja­ne­las que abrem, ven­to que cor­re, por­tas que batem em di­as quen­tes no Ve­rão e em di­as fri­os no In­ver­no. Pa­ra re­ce­ber os

Mi­rós, a ca­sa te­rá de se trans­for­mar num mu­seu, obri­gan­do a ins­ta­lar equi­pa­men­tos me­câ­ni­cos e a fa­zer ajus­tes que ofe­re­çam às obras as con­di­ções ne­ces­sá­ri­as. A ex­po­si­ção tem­po­rá­ria que Si­za de­se­nhou de­mons­trou o ób­vio: é ine­vi­tá­vel que a ca­sa dei­xe de ser a “ca­sa cor-de-ro­sa” e pas­se a ser a “ca­sa do Mi­ró”. To­do o po­ten­ci­al de adap­ta­ção, rein­ven­ção, uti­li­za­ção pa­ra os mais va­ri­a­dos fins que a ca­sa ofe­re­ce e tem ofe­re­ci­do ao lon­go dos anos vai ter de de­sa­pa­re­cer.

Há pou­cas ca­sas co­mo Ser­ral­ves. Por ra­zões di­ver­sas, es­ses edi­fí­ci­os do iní­cio do sé­cu­lo XX fo­ram des­truí­dos, trans­for­ma­dos, adul­te­ra­dos. En­tre os que so­bre­vi­ve­ram, con­tam-se a Vil­la Em­pain, em Bru­xe­las, a Vil­la Ca­vrois, em Lil­le, a Vil­la Nec­chi Cam­pi­glio, em Milão, e pou­cas mais. A Vil­la Ser­ral­ves é um exem­plo mai­or des­te clu­be res­tri­to. Es­tas vil­lae têm si­do res­tau­ra­das ao por­me­nor pa­ra pre­ser­va­rem os tra­ços de um pas­sa­do que já não exis­te. O anún­cio de que se vai aco­lher os Mi­rós em Ser­ral­ves é o pre­nún­cio do ca­mi­nho in­ver­so: fa­zer de­sa­pa­re­cer os am­bi­en­tes de um pas­sa­do sin­gu­lar, e im­pe­dir a com­pre­en­são e o usu­fru­to fu­tu­ro des­se le­ga­do.

Não te­nho dú­vi­das de que Ál­va­ro Si­za po­de­rá fa­zer o me­lhor pro­jec­to pa­ra es­sa trans­for­ma­ção. O que es­tá em cau­sa não é a qu­a­li­da­de des­sa obra, mas o seu sen­ti­do ou opor­tu­ni­da­de. Por­que não re­to­mar o pro­jec­to am­bi­ci­o­so de construir uma ex­ten­são de Ser­ral­ves em Matosinhos? Por­que não adap­tar a Quin­ta do Ma­taSe­te, ho­je dei­xa­da um pou­co ao es­que­ci­men­to? Por­que não construir um pe­que­no pa­vi­lhão num ou­tro es­pa­ço de Ser­ral­ves, à ima­gem dos pa­vi­lhões tem­po­rá­ri­os que re­cen­te­men­te pol­vi­lha­ram os jar­dins? E por­que não en­con­trar uma so­lu­ção pa­ra os Mi­rós que não com­pro­me­ta o com­pro­mis­so de Ser­ral­ves com a ar­te do sé­cu­lo XXI? Não fal­tam op­ções a pon­de­rar, e é fun­da­men­tal que a ân­sia de apre­sen­tar re­sul­ta­dos não atro­pe­le es­sa pon­de­ra­ção.

Pre­ser­var os Mi­rós na es­fe­ra do Es­ta­do Por­tu­guês é lou­vá­vel e re­sul­ta de um am­plo de­ba­te. Ins­ta­lar os Mi­rós em Ser­ral­ves é mui­to dis­cu­tí­vel, e es­sa dis­cus­são nun­ca foi fei­ta. Mais do que as­si­nar um pro­to­co­lo pom­po­so, há que exi­gir um de­ba­te ain­da por fa­zer. A de­mis­são do di­rec­tor ar­tís­ti­co do Mu­seu, João Ri­bas, pou­cos me­ses após ter si­do es­co­lhi­do pa­ra o car­go, trou­xe Ser­ral­ves à or­dem do dia, e não pe­las me­lho­res ra­zões. Uma coi­sa es­sa po­lé­mi­ca tor­nou evi­den­te: a for­ça e re­le­vân­cia que Ser­ral­ves con­quis­tou. Mas as tra­pa­lha­das que se te­rão pas­sa­do en­tre a ad­mi­nis­tra­ção e a di­rec­ção ar­tís­ti­ca fi­ca­ram por es­cla­re­cer. Porquê avan­çar com es­te pro­to­co­lo quan­do Ser­ral­ves ain­da não en­con­trou um ru­mo pósMap­plethor­pe? Ao pen­sar no es­for­ço da­que­les que, há qua­se cem anos, cons­truí­ram a obra úni­ca que é a Ca­sa de Ser­ral­ves, só con­si­go pen­sar e de­se­jar que a ur­gên­cia ines­pe­ra­da de fir­mar um com­pro­mis­so pa­ra os Mi­rós não se trans­for­me na per­da ir­re­ver­sí­vel de uma obra úni­ca da cul­tu­ra eu­ro­peia.

pho­nes,

Raí­zes

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.