Udez se­rá cas­ti­ga­da

Publico - Ipsilon - - Primeira Página - Ale­xan­dra Pra­do Coe­lho, em Flo­ren­ça

Apas­sa­gem é es­trei­ta. De um dos la­dos es­tá um ho­mem nu. Em fren­te, de olhos pre­sos nos de­le, uma mu­lher nua. Qu­em qui­ser che­gar ao ou­tro la­do da sa­la tem que pas­sar en­tre os dois e tem que o fa­zer li­gei­ra­men­te de la­do, op­tan­do por se vi­rar pa­ra um ou pa­ra o ou­tro. A si­tu­a­ção cria, na­tu­ral­men­te, des­con­for­to. Mas is­so não im­pe­de vá­ri­as pes­so­as de avan­çar, lar­gan­do ma­las e ca­sa­cos, e ro­çar os dois cor­pos nus. Ge­ral­men­te, do ou­tro la­do há al­guém a fo­to­gra­far o mo­men­to.

A pe­ça Im­pon­de­ra­bi­lia, da ar­tis­ta Ma­ri­na Abra­mo­vic e do seu com­pa­nhei­ro da al­tu­ra, o ale­mão Ulay (Frank Uwe Lay­si­e­pen), foi apre­sen­ta­da pe­la pri­mei­ra vez na Gal­le­ria Co­mu­na­le d’Ar­te Mo­der­na, em Bo­lo­nha, em 1977. Mas foi in­ter­rom­pi­da mui­to an­tes das se­te ho­ras pre­vis­tas, pe­la po­lí­cia, cha­ma­da pa­ra pôr ter­mo ao “com­por­ta­men­to in­de­cen­te” dos ar­tis­tas. A mes­ma pe­ça po­de agora ser vis­ta no Pa­laz­zo Stroz­zi, em Flo­ren­ça, in­te­gra­da na gran­de re­tros­pec­ti­va da obra de Ma­ri­na Abra­mo­vic, The Cle­a­ner (até 20 de Ja­nei­ro de 2019). Não há in­ter­ven­ção po­li­ci­al, mas as mui­tas fo­to­gra­fi­as e ví­de­os fei­tos pe­los mui­tos vi­si­tan­tes são, nes­te tem­po de redes soci­ais, com­ple­ta­men­te in­vi­sí­veis no es­pa­ço pú­bli­co. A ten­ta­ti­va de as pu­bli­car nu­ma con­ta de Fa­ce­bo­ok, por exem­plo, é tra­va­da por uma men­sa­gem da em­pre­sa avi­san­do que a ima­gem não res­pei­ta as re­gras da comunidade.

Na sa­la se­guin­te, um gru­po de cri­an­ças com 8 ou 9 anos es­tão sen­ta­das no chão, ou­vin­do aten­ta­men­te a téc­ni­ca do ser­vi­ço edu­ca­ti­vo, que lhes fa­la so­bre o tra­ba­lho de Abra­mo­vic. Na pa­re­de ao la­do, um ví­deo mos­tra ou­tra per­for­man­ce an­ti­ga da ar­tis­ta: Ma­ri­na e Ulay cor­rem a par­tir de pon­tos opos­tos, com­ple­ta­men­te nus, e cru­zam-se, com um em­ba­te dos cor­pos, a meio do ca­mi­nho (da pe­ça Re­la­ti­on in Spa­ce, 1976).

Há, es­pa­lha­das pe­lo Pa­laz­zo Stroz­zi, vá­ri­as re­per­for­man­ces, que acon­te­cem a ho­ras e di­as di­fe­ren­tes. É um tra­ba­lho que Ma­ri­na tem vin­do a de­sen­vol­ver, pre­pa­ran­do as pes­so­as que as vão exe­cu­tar, por acre­di­tar que é a me­lhor for­ma de fa­zer com que es­te ti­po de obras, por na­tu­re­za efé­me­ras, per­du­rem. Nos anos 70, a ideia que do­mi­na­va o mun­do da ar­te era a de que es­tas per­for­man­ces eram mo­men­tos úni­cos e ir­re­pe­tí­veis — is­so dis­tin­gui­a­as, em ab­so­lu­to, do te­a­tro. Mas ho­je Ma­ri­na pen­sa de for­ma di­fe­ren­te e ini­ci­ou es­te pro­ces­so com um tra­ba­lho de re­cu­pe­ra­ção — Se­ven Easy Pi­e­ces — no qual apre­sen­tou se­te pe­ças, du­as de­la pró­pria e as ou­tras de Bru­ce Nau­man, Vi­to Ac­con­ci, Va­lie Ex­port, Gi­na Pa­ne e Jo­seph Beuys.

Ne­nhu­ma das re­per­for­man­ces no Pa­laz­zo Stroz­zi é dos tra­ba­lhos ini­ci­ais da ar­tis­ta — que são tam­bém os mais ra­di­cais e aque­les em que Ma­ri­na leva os li­mi­tes do cor­po a ex­tre­mos que, pas­sa­das dé­ca­das, con­ti­nu­am a im­pres­si­o­nar. É por eles que a ex­po­si­ção co­me­ça. Ve­mos, por exem­plo, Rhythm 5, que acon­te­ceu em Bel­gra­do em 1974: Ma­ri­na cons­truiu uma es­tre­la de cin­co pon­tas pre­en­chi­da com pe­da­ços de ma­dei­ra em­be­bi­dos em pe­tró­leo, que in­cen­di­ou, co­lo­can­do-se no meio até des­mai­ar e dei­xar que o fo­go co­me­ças­se a quei­mar-lhe uma per­na; por fim, foi re­ti­ra­da, in­cons­ci­en­te, pe­lo pú­bli­co. Ou Rhythm 10 (Ro­ma, 1973), na qual, usan­do 20 fa­cas di­fe­ren­tes, vai, num rit­mo cres­cen­te da­do por mú­si­ca que sai de um gra­va­dor, es­pe­tan­do-as no chão en­tre os de­dos, que vão fi­can­do fe­ri­dos e su­jan­do de san­gue a fo­lha de pa­pel branco. Quan­do re­pe­te a per­for­man­ce, se­guin­do a mes­ma or­dem e o mes­mo rit­mo, cor­ta-se nos mes­mos sí­ti­os — “os erros do pas­sa­do e do pre­sen­te es­tão sin­cro­ni­za­dos”, escreve no tex­to que des­cre­ve a pe­ça.

Mas o tra­ba­lho mais po­de­ro­so des­sa fa­se é pro­va­vel­men­te Rhythm 0 (1974): “Há 72 ob­jec­tos na me­sa que po­dem usar em mim co­mo qui­se­rem. Eu sou o ob­jec­to. Du­ran­te es­te pe­río­do as­su­mo to­tal res­pon­sa­bi­li­da­de.” Du­ran­te seis ho­ras, no Stu­dio Mor­ra, em Ná­po­les, Ma­ri­na su­jei­tou o seu cor­po ao que os par­ti­ci­pan­tes na per­for­man­ce qui­ses­sem fa­zer com ele.

Na me­sa, en­tre os ob­jec­tos, há uma agu­lha, um ma­cha­do, uma fa­ca de co­zi­nha, uma ar­ma, uma ba­la, um chi­co­te. Uma das ima­gens do ca­tá­lo­go mos­tra Ma­ri­na co­mo uma fi­gu­ra de mar­tí­rio, com ob­jec­tos pen­du­ra­dos ao pes­co­ço, o cor­po nu co­ber­to de pin­tu­ras, um cor­te jun­to ao pes­co­ço, os olhos cheios de lá­gri­mas. A per­for­man­ce era tan­to um tra­ba­lho de Ma­ri­na, que aqui su­jei­ta-se até à pos­si­bi­li­da­de de ser mor­ta (a cer­ta al­tu­ra, al­guém apon­tou a ar­ma car­re­ga­da ao co­ra­ção da ar­tis­ta), co­mo do pú­bli­co, cu­jo com­por­ta­men­to se di­vi­diu en­tre os que se tor­na­ram agres­si­vos e os que a ten­ta­ram pro­te­ger.

Es­tas per­for­man­ces mais vi­o­len­tas cor­res­pon­dem ao iní­cio da car­rei­ra da ar­tis­ta, quan­do ain­da vi­via em Bel­gra­do e li­da­va com a com­ple­xa re­la­ção com os pais — e so­bre­tu­do

O Pa­laz­zo Stroz­zi, em Flo­ren­ça, apre­sen­ta The Cle­a­ner, re­tros­pec­ti­va de Ma­ri­na Abra­mo­vic. En­tre as pe­ças vi­o­len­tas do iní­cio e a es­pi­ri­tu­a­li­da­de dos úl­ti­mos anos, há re­per­for­man­ces com ar­tis­tas nus que ho­je não po­dem ser par­ti­lha­das nas redes soci­ais. O que é que em 2018 nos per­mi­ti­mos ver, afi­nal?

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.