M templo

Publico - Ipsilon - - Primeira Página -

nas es­cul­tu­ras de Cha­fes são for­mas de tes­te­mu­nhar es­ta trans­for­ma­ção co­mo quan­do, por exem­plo, cria um cor­re­dor de fer­ro ne­gro com um com­pri­men­to de qua­tro me­tros pa­ra dar a ver uma mi­nús­cu­la ca­be­ça de Gi­a­co­met­ti com qua­tro cen­tí­me­tros ( Tou­te pe­ti­te fi­gu­ri­ne, cir­ca 193739): um tú­nel in­cli­na­do a pro­vo­car o de­se­qui­lí­brio, a ton­tu­ra, a náu­sea. E aqui a es­cul­tu­ra de Cha­fes funciona co­mo ac­ti­va­dor de um de­ter­mi­na­do es­ta­do dis­po­si­ci­o­nal que é con­di­ção de aces­so à pe­que­na fi­gu­ra imó­vel no li­mi­ar do tú­nel. Não é um jo­go ino­cen­te ou for­tui­to, faz par­te da es­tra­té­gia de ener­gi­za­ção com que Rui Cha­fes en­ten­deu es­ta co­la­bo­ra­ção.

Um ou­tro mo­men­to é da­do por um cor­re­dor nas pa­re­des do qual são aber­tas frin­chas co­mo gol­pes des­fe­ri­dos na car­ne de um cor­po, mas es­tes gol­pes são, na ver­da­de, aber­tu­ras pa­ra uma su­ces­são de es­cul­tu­ras de Gi­a­co­met­ti. O ele­men­to de­ci­si­vo é que aqui aque­las es­cul­tu­ras fi­cam à al­tu­ra do olhar e pró­xi­mas do cor­po do es­pec­ta­dor, per­mi­tin­do uma in­ti­mi­da­de e uma con­cen­tra­ção da vi­são pou­co co­muns nos ha­bi­tu­ais dis­po­si­ti­vos mu­se­o­ló­gi­cos: nes­te es­pa­ço es­cu­ro e com pos­si­bi­li­da­des li­mi­ta­das de vi­são (o es­pec­ta­dor não po­de cir­cu­lar a vol­ta das obras e tem de per­ma­ne­cer en­cos­ta­do à pa­re­de de fer­ro e es­prei­tar atra­vés de pe­que­nas aber­tu­ras) o olhar con­cen­tra-se e a aten­ção fo­ca-se. Des­ta for­ma, tudo se pas­sa co­mo se a enor­me es­cul­tu­ra/cor­re­dor de Cha­fes fos­se um dis­po­si­ti­vo óp­ti­co des­ti­na­do a anu­lar pos­sí­veis in­ter­fe­rên­ci­as na vi­são dos cor­pos de ges­so e bron­ze de Gi­a­co­met­ti.

Se o cor­re­dor e es­te tú­nel de vi­são são mo­men­tos in­ten­sos, ou­tro é quan­do Cha­fes in­ter­fe­re di­rec­ta­men­te na es­cul­tu­ra Le Nez (1947-1950). Tra­ta-se de uma es­cul­tu­ra dei­xa­da in­com­ple­ta pe­lo ar­tis­ta e que Cha­fes foi de­sa­fi­a­do pe­la Fun­da­ção Gi­a­co­met­ti a com­ple­tar. A obra é uma ver­são de uma sé­rie nor­mal­men­te apre­sen­ta­da em gai­o­las. Mas Cha­fes op­tou, co­mo diz, por cri­ar uma fá­bu­la. E é uma fá­bu­la por­que a es­cul­tu­ra de Gi­a­co­met­ti sur­ge sus­pen­sa no ar, co­mo se su­bi­ta­men­te ti­ves­se fi­ca­do li­ber­ta das leis da gra­vi­da­de e pu­des­se le­vi­tar sem apoio ou su­por­te e, as­sim, ti­ves­se con­cre­ti­za­do o so­nho es­cul­tó­ri­co da le­ve­za. Li­vre das re­do­mas que iso­lam, dis­tan­ci­am e ti­ram as es­cul­tu­ras ao mun­do, aqui a po­si­ção da es­cul­tu­ra é uma po­si­ção de fra­gi­li­da­de, pe­ri­go e sus­cep­ti­bi­li­da­de idên­ti­ca à si­tu­a­ção a que es­tá su­jei­to qu­al­quer ou­tro cor­po.

“No ex­tre­mo des­sa es­cul­tu­ra que fiz pa­ra o Gi­a­co­met­ti”, su­bli­nha o

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.