De­mo­rá­mos mais de 35 anos a des­co­brir Mi­do­ri Ta­ka­da

Publico - Ipsilon - - Primeira Página -

Ame­mó­ria de Mi­do­ri Ta­ka­da é bas­tan­te exac­ta. Fal­ta­vam breves mo­men­tos — ela ar­ris­ca pre­ci­sar que te­rá si­do “um mi­nu­to” — pa­ra se es­tre­ar co­mo mú­si­ca pro­fis­si­o­nal, en­quan­to per­cus­si­o­nis­ta, com a RIAS Sympho­ni­eOr­ches­ter, de Ber­lim, quan­do na­que­la cur­ta es­pe­ra pa­ra a en­tra­da em pal­co per­ce­beu que o seu cha­ma­men­to pa­ra a mú­si­ca não era bem aque­le. Não se tra­tou, ga­ran­te, de um de­lí­rio pro­vo­ca­do pe­la an­si­e­da­de, de uma mo­men­tâ­nea ba­ti­da em re­ti­ra­da da­que­le ins­tan­te pa­ra se ima­gi­nar num ou­tro lu­gar em que os ner­vos lhe des­sem des­can­so, nem um aces­so crí­ti­co de sta­ge fright. “Não sei mui­to bem porquê”, con­fes­sa ao Íp­si­lon sem con­se­guir tra­var o ri­so, “mas, de re­pen­te, sen­ti que aque­le não era o sí­tio cer­to pa­ra mim. E foi ime­di­a­ta­men­te an­tes, um só mi­nu­to an­tes, de ir pa­ra o pal­co no meu pri­mei­ro con­cer­to.”

À sua vol­ta, re­cor­da Mi­do­ri Ta­ka­da, os res­tan­tes mú­si­cos da or­ques­tra mos­tra­vam-se “gen­tis” e en­co­ra­ja­vam a sua es­treia, nu­ma noi­te de 1978 em que lhe cou­be in­ter­pre­tar o Con­cer­to pa­ra Per­cus­são do com­po­si­tor fran­cês An­dré Jo­li­vet. Ta­ka­da ti­nha­se for­ma­do pou­co an­tes na Uni­ver­si­da­de de Tó­quio e da­va, as­sim, o pri­mei­ro pas­so de um percurso que ha­via de pro­var-se bas­tan­te mais er­rá­ti­co do que pre­vi­ra até en­tão. Até por­que es­se pri­mei­ro pas­so foi já he­si­tan­te, a de­nun­ci­ar um de­se­jo que cres­cia em si de se de­di­car à in­ves­ti­ga­ção pro­fun­da da mú­si­ca africana e da mú­si­ca asiá­ti­ca, as­sim co­mo do mi­ni­ma­lis­mo. E foi tudo em tudo is­so que en­fi­ou a ca­be­ça lo­go a se­guir — en­quan­to pros­se­guia a sua ac­ti­vi­da­de de in­tér­pre­te de mú­si­ca con­tem­po­râ­nea, pas­sou a ex­pan­dir a sua apren­di­za­gem e a sua cul­tu­ra mu­si­cais mui­to pa­ra além do re­por­tó­rio mais ou me­nos ca­nó­ni­co que lhe era pe­di­do pa­ra to­car nas gran­des sa­las sin­fó­ni­cas.

A in­tui­ção que a to­mou de as­sal­to na­que­la noi­te ha­via de le­vá-la a ex­plo­rar tan­to a mú­si­ca de for­tes ali­cer­ces rít­mi­cos de paí­ses afri­ca­nos co­mo Bur­ki­na Fa­so, Se­ne­gal ou Gana, mas tam­bém de asiá­ti­cos co­mo Co­reia do Sul ou In­do­né­sia ou oceâ­ni­cos co­mo a Pa­pua No­va-Gui­né, e de um au­tor fun­da­men­tal no seu percurso cha­ma­do Ste­ve Rei­ch. E ha­via ain­da es­tu­dar o ga­ga­ku, tra­di­ção an­ces­tral ja­po­ne­sa, e mú­si­ca bu­dis­ta. Rei­ch, o pa­pa do mi­ni­ma­lis­mo, era um amor que já an­tes vi­nha ex­pe­ri­men­tan­do, ten­do in­ter­pre­ta­do pe­ças co­mo Clap­ping Hands ou Pi­a­no Pha­se — e que re­to­ma­ria, mais tar­de, a bor­do do Mkwa­ju En­sem­ble. O mi­ni­ma­lis­mo, re­flec­te agora, ca­ti­vou-a por se tra­tar de “um sis­te­ma mui­to mo­der­no de es­tru­tu­ra, e que por is­so não é ape­nas ex­pres­são”. “A mú­si­ca clás­si­ca era pen­sa­da co­mo ex-

Lan­ça­do em 1983, Th­rough the Lo­o­king Glass ss era um ob­jec­to tão sin­gu­lar que foi vo­ta­do ao des­pre­zo. A re­e­di­ção em 2017 da obra da ja­po­ne­sa Mi­do­ri Ta­ka­da ele­vou-o a clás­si­co do mi­ni­ma­lis­mo. Agora é a vez da per­cus­si­o­nis­ta, en­tre 13 e 17 de No­vem­bro, o, se es­tre­ar em pal­cos por­tu­gue­ses. Na al­tu­ra da edi­ção ori­gi­nal, em 1983, “o mi­ni­ma­lis­mo não era mui­to co­nhe­ci­do e não era com­pre­en­di­do pe­los fãs de mú­si­ca”

pres­são de emo­ções, de sen­ti­men­tos e de pai­xões hu­ma­nas, mas o mi­ni­ma­lis­mo é um sis­te­ma que per­mi­te es­ta­be­le­cer uma re­la­ção com os ou­tros — ou­tras cul­tu­ras, ou­tras tri­bos, ou­tros mun­dos”, de­fen­de. “Foi is­so que me in­te­res­sou.”

Se o mi­ni­ma­lis­mo de Rei­ch não era de aces­so mui­to com­pli­ca­do pa­ra al­guém que se mo­vi­men­ta­va na es­fe­ra da mú­si­ca eru­di­ta con­tem­po­râ­nea, a pes­qui­sa por mú­si­cas tra­di­ci­o­nais (por ve­zes dis­tan­tes) não era al­go que se pu­des­se re­a­li­zar sem uma con­si­de­rá­vel to­le­rân­cia à frus­tra­ção. “Há 35 anos era mui­to di­fí­cil des­co­brir in­for­ma­ção no Japão so­bre Áfri­ca e mú­si­ca africana”, diz Mi­do­ri Ta­ka­da. Daí que após mui­to pe­nei­rar, a per­cus­si­o­nis­ta aca­bou por con­se­guir dei­tar a mão a al­guns ál­buns de vi­nil que do­cu­men­ta­vam re­co­lhas de gra­va­ções de cam­po e que ou­viu com ab­so­lu­ta de­vo­ção, trans­cre­ven­do mi­nu­ci­o­sa­men­te os rit­mos e as es­tru­tu­ras da­que­las pe­ças pa­ra as po­der re­pro­du­zir e ana­li­sar com a de­vi­da aten­ção. “De­pois ten­tei to­car so­zi­nha aque­les rit­mos e es­tru­tu­ras po­lir­rít­mi­cas, e fiz a mi­nha pró­pria mú­si­ca sem qu­al­quer aju­da.”

Daí que, nos anos 80, por al­tu­ras da vi­si­ta ao Japão do mes­tre ga­nês Ka­kra­ba Lo­bi, vir­tu­o­so to­ca­dor de ba­la­fon, a opor­tu­ni­da­de ofe­re­ci­da a Ta­ka­da de o acom­pa­nhar em pal­co ha­via de es­pan­tar so­bre­ma­nei­ra o mú­si­co afri­ca­no. “Ele fi­cou mui­to

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.