Ma­ga­no ou o can­te com vis­ta so­bre a ci­da­de

Publico - Ipsilon - - Primeira Página - Nu­no Pacheco

São ra­ros os dis­cos que, em lu­gar de le­tras e fi­chas, co­me­çam por con­tar ao pú­bli­co uma his­tó­ria de amor. As­sim: “O João es­ta­va apai­xo­na­do. To­dos os di­as ca­mi­nha­va du­ran­te ho­ras pa­ra ver a sua ama­da. Ao vol­tar pa­ra ca­sa de co­ra­ção cheio e a can­ta­ro­lar so­zi­nho, pa­ra­va na ta­ber­na mais pró­xi­ma.” Não é fa­do, nem pre­nun­cia por des­fe­cho um dra­ma. É uma his­tó­ria ver­da­dei­ra, pas­sa­da na alen­te­ja­na vi­la de Sa­fa­ra, e foi por ela que nas­ceu agora um dis­co, a que foi pos­to o no­me Ma­ga­no, mui­to usu­al no Alen­te­jo. Uma for­ma de di­zer jo­vi­al, en­gra­ça­do ou brin­ca­lhão, pa­ra fi­car­mos pe­los sig­ni­fi­ca­dos mais do­ces.

O João da his­tó­ria é o avô ma­ter­no dos ir­mãos Sofia (28 anos) e Nu­no Ra­mos (34), que vi­e­ram a li­gar-se à mú­si­ca, ela co­mo can­to­ra e fa­dis­ta, ele co­mo can­tor e gui­tar­ris­ta. O Ma­ga­no sur­giu nas vidas de­les por cau­sa da­que­la his­tó­ria. Ca­sou com Ro­sa e ti­ve­ram du­as fi­lhas, Fá­ti­ma e Céu. Co­mo mui­tos alen­te­ja­nos des­se e dou­tros tem­pos, ru­ma­ram um dia pa­ra nor­te, na pro­cu­ra de uma vi­da me­lhor. E fi­ca­ram-se por Almada uns anos, ela a tra­ba­lhar co­mo sol­da­dor num es­ta­lei­ro, ela co­mo cos­tu­rei­ra. A sau­da­de de­vol­veu-os mais tar­de ao Alen­te­jo, dei­xan­do em Almada as fi­lhas, que ali for­ma­ram fa­mí­li­as. E se do ca­sa­men­to en­tre Céu e Mário nas­ce­ram Sofia e Nu­no, foi da his­tó­ria an­ti­ga dos avós e do am­bi­en­te que os ro­de­a­va que nas­ceu o dis­co; ou me­lhor, a ideia de tra­zer pa­ra a ci­da­de (ou­tra ci­da­de) já não gen­te mas can­ções, dan­do ros­to ur­ba­no ao can­te an­ti­go.

O can­te atra­vés dos avós

Com o Alen­te­jo no san­gue, dois

ir­mãos e um ami­go fi­ze­ram um dis­co on­de an­ti­gas mo­das alen­te­ja­nas são re­to­ma­das a du­as vo­zes, gui­tar­ra,

per­cus­são e con­tra­bai­xo. Ma­ga­no é uma bem-su­ce­di­da

ou­sa­dia

“Eu lem­bro-me de que ha­via mui­tos con­ví­vi­os em que can­tá­va­mos, ha­via es­sa par­ti­lha da mú­si­ca”, diz Sofia. Nu­no acres­cen­ta: “O can­te, co­mo tra­di­ção oral que é, foi-nos pas­sa­do mui­to atra­vés dos nos­sos avós, nos en­con­tros de fa­mí­lia. Às ve­zes, num dia co­mum, o avô che­ga­va a ca­sa de­pois de uma noi­ta­da, can­ta­va e obri­ga­va-nos a can­tar e nós aca­bá­va­mos por apren­der as mo­das que nos eram pas­sa­das.” Es­ta me­mó­ria veio a avi­var-se mais tar­de. Sofia Ra­mos, en­tre­tan­to ini­ci­a­da no fa­do, es­te­ve em re­si­dên­cia ar­tís­ti­ca no Po­vo, no Cais do So­dré, Lis­boa, en­tre Ju­nho e Se­tem­bro de 2014 (edi­ta­ram-lhe até, em con­sequên­cia Ma­ga­no Ma­ga­no Uni­ver­sal Mu­sic Por­tu­gal dis­so, um dis­co em seu no­me e com o se­lo o Po­vo, lan­ça­do em Fe­ve­rei­ro de 2015). “A ideia de fa­zer qu­al­quer coi­sa com o can­te alen­te­ja­no sur­giu du­ran­te es­sa re­si­dên­cia”, re­cor­da ela. “Quan­do me lem­brei de gra­var uma mo­da, pen­sei no con­tra­bai­xo por ser den­so e mui­to pro­fun­do. Faz-me lem­brar a ca­pa­ci­da­de que uma pla­ní­cie alen­te­ja­na tem de fa­zer eco­ar o som. Achei que fi­ca­va bem só du­as vo­zes e um con­tra­bai­xo pa­ra uma coi­sa as­sim car­re­ga­da. Gra­vá­mos o Hi­no ao Alen­te­jo [tam­bém co­nhe­ci­do por Alen­te­jo, Alen­te­jo, o tal que tem es­ta qua­dra: “Eu sou de­ve­dor à Ter­ra/ A Ter­ra me ‘stá de­ven­do/ A Ter­ra pa­ga-m’em vi­da/ Eu pa­go à Ter­ra em mor­ren­do”].

Sofia ti­nha co­nhe­ci­do Fran­cis­co Bri­to (34 anos, con­tra­bai­xis­ta, ho­je pro­fes­sor na Es­co­la de Jazz do Hot Clu­be de Por­tu­gal) num es­pec­tá­cu­lo no Te­a­tro do Bair­ro. “Ele em­bar­cou nes­te de­sa­fio com mui­ta von­ta­de. To­cá­mos os dois uma vez no Po­vo, pa­ra apre­sen­tar es­se te­ma. E o meu ir­mão [Nu­no Ra­mos] ti­nha coi­sas na ga­ve­ta, já ti­nha fei­to mui­tos ar­ran­jos de mo­das alen­te­ja­nas, em ca­sa, so­zi­nho, e não fa­zia sen­ti­do ela não fa­zer par­te dis­to. Falei com ele e nou­tra noi­te to­cá­mos os três. Foi quan­do per­ce­be­mos que aqui­lo não po­dia fi­car por ali. Até foi o Fran­cis­co que o dis­se, a ca­mi­nho da zona dos bar­cos.”

A ideia de gra­var o dis­co co­me­çou, en­tão, a ga­nhar os pri­mei­ros con­tor­nos. “Pri­mei­ro tí­nha­mos de fa­zer uma pes­qui­sa das mo­das que que­ría­mos can­tar. Gra­vá­mos um EP, qua­tro te­mas a par­tir de uma ma­que­ta, e apre­sen­tá­mo-lo no Te­a­tro Ibé­ri­co.” De­pois con­ti­nu­a­ram a to­car, nou­tros pal­cos, e as ver­sões fo­ram ga­nhan­do apu­ro. “Co­mo a nos­sa mú­si­ca foi bem re­ce­bi­da, achá­mos que me­re­cia ser gra­va­da num dis­co a sé­rio, com mais do que qua­tro mú­si­cas”, diz Sofia. E foi de­ci­si­vo ela ter saí­do ven­ce­do­ra num con­cur­so de fa­dos na Rá­dio Sim, por­que is­so le­vou-a uma reu­nião na Uni­ver­sal Mu­sic. Fa­lou de fa­do, na­tu­ral­men­te, mas dis­se que tam­bém can­ta­va num pro­jec­to cha­ma­do Ma­ga­no e não o que­ria dei­xar. Dis­se­ram-lhe que is­so po­dia ser um pro­ble­ma, mas pe­di­ram-lhe pa­ra ou­vir. “E foi en­gra­ça­do por­que ou­vi­ram, olha­ram um pa­ra o ou­tro, olha­ram pa­ra mim e dis­se­ram que sim. Fi­ca­ram mui­to interessados e qui­se­ram tra­ba­lhar con­nos­co.”

O mais fiéis pos­sí­vel

Com o tra­ba­lho de es­tú­dio ini­ci­a­do (Va­le de Lo­bos e Pon­to Zur­ca), as gra­va­ções fo­ram es­pa­ça­das, diz Fran­cis­co: “Qua­tro ses­sões de dois di­as ca­da, num es­pa­ço re­la­ti­va­men­te lon­go, três me­ses, de Maio a Ju­lho.” Além de Sofia Ra­mos (voz e per­cus­são), Nu­no Ra­mos (voz e gui­tar­ra) e Fran­cis­co Bri­to (con­tra­bai­xo), o dis­co tem a par­ti­ci­pa­ção de três mú­si­cos con­vi­da­dos, cu­ri­o­sa­men­te três An­drés: An­dré San­tos (vi­o­la de ara­me e bra­gui­nha), An­dré Go­mes (eo­li­na) e An­dré Sou­sa Ma­cha­do (ba­te­ria e per­cus­sões).

Quan­to aos te­mas, tre­ze no to­tal, são to­dos eles do can­ci­o­nei­ro alen­te­ja­no, co­mo O meu cha­péu, Sa­ra­pa­te­a­do, Cha­mas­te-me ex­tra­va­gan­te, Pro­mes­sas ou Pa­vão lin­do pa­vão. “Po­de­mos pen­sar em ori­gi­nais mais pa­ra a fren­te, mas aqui de­ci­di­mos que es­te era o ca­mi­nho que fa­zia sen­ti­do”, diz Fran­cis­co, com con­cor­dân­cia ge­ral. Can­tar a du­as vo­zes, uma mas­cu­li­na e ou­tra fe­mi­ni­na, é al­go in­vul­gar no can­te alen­te­ja­no, on­de há tra­di­ci­o­nal­men­te gru­pos co­rais de ho­mens e ou­tros de mu­lhe­res, não mis­tos. Mas is­so não lhes trou­xe de­sa­pro­va­ção. “Foi um de­sa­fio com que li­dá­mos”, diz Nu­no, “vis­to o can­te ter o co­ro. Mas ten­tá­mos ser o mais fiéis pos­sí­vel, man­ten­do sem­pre a mé­tri­ca e a me­lo­dia ori­gi­nal, dan­do-lhe uma rou­pa­gem di­fe­ren­te, a du­as vo­zes.” E a au­di­ção do dis­co con­fir­ma-o. É co­mo se dos co­ros pas­sás­se­mos a ver­sões de câ­ma­ra, on­de os instrumentos am­pa­ram as vo­zes nu­ma le­ve­za que não dis­pen­sa pro­fun­di­da­de, sur­gin­do co­mo dis­tin­ta ou­sa­dia o bom jo­go tím­bri­co das vo­zes mas­cu­li­na e fe­mi­ni­na.

Na fa­mí­lia, co­mo no Alen­te­jo, as re­ac­ções têm si­do po­si­ti­vas, di­zem. “A fa­mí­lia po­de ser sus­pei­ta, mas gos­tam mes­mo mui­to”, diz Sofia. “E no Alen­te­jo te­mos ti­do mui­to apoio. Di­zem-nos: ‘Con­ti­nu­em a fa­zer is­to, é bo­ni­to, le­vem o can­te pa­ra a ci­da­de, não o dei­xem mor­rer’.” Pois é is­so que fa­rão, ho­je e no fu­tu­ro.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.