De sus­sur­ro em sus­sur­ro até ao sa­cri­fí­cio fi­nal

Publico - Ipsilon - - Primeira Página -

Em Guer­ra de­li­ra com o fan­tas­ma sa­cri­fi­ci­al que se vem mos­tran­do em Lin­don nas co­la­bo­ra­ções com o ci­ne­as­ta Stépha­ne Bri­zé. Percurso por qua­tro fil­mes em que a in­ti­mi­da­de fa­mi­li­ar deu lu­gar à so­li­dão do íco­ne. Por Vas­co Câ­ma­ra

Há al­go de de­li­ran­te na quar­ta co­la­bo­ra­ção des­te “ca­sal” de ci­ne­ma, Stépha­ne Bri­zé, re­a­li­za­dor, Vin­cent Lin­don, ac­tor: Em

Guer­ra po­de ser vá­ri­as coi­sas, to­das cer­ta­men­te à vol­ta do so­ci­al e do po­lí­ti­co, mas po­de­mos tam­bém vê-lo co­mo o mo­men­to em que uma obra se lan­ça a fan­tas­mar, e a sequên­cia fi­nal é exal­ta­da, a par­tir da per­so­na, que o in­tér­pre­te ga­nhou, de ho­mem que re­pre­sen­ta to­dos os ho­mens. O fil­me leva a ex­tre­mos — de ve­ro­si­mi­lhan­ça, por is­so há per­das pa­ra o es­pec­ta­dor em ter­mos de em­pa­tia e de cren­ça pe­ran­te es­ta for­ma de bru­ta­li­da­de — a fa­ce­ta mis­si­o­ná­ria em que in­ves­te um ac­tor que pre­fe­re as pes­so­as aos ac­to­res, que as­su­me a pro­fis­são co­mo for­ma de che­gar aos ou­tros e co­mo ajus­te de con­tas com o meio bur­guês em que nas­ceu e ao qual de­vol­ve os re­tra­tos, ex­pe­ri­ên­ci­as e vidas dos “ou­tros”: os pro­le­tá­ri­os que en­car­na.

O di­ri­gen­te sin­di­cal que in­ter­pre­ta em Em Guer­ra, Lau­rent, lí­der das lu­tas nu­ma fá­bri­ca que de­ci­diu fe­char, tal­vez já não se­ja uma per­so­na­gem. É uma en­ti­da­de que ab­sor­ve e re­dis­tri­bui os de­se­jos e as frus­tra­ções do gru­po. É o ho­mem-espelho. Há um de­sa­pos­sa­men­to de qu­al­quer in­ti­mi­da­de e in­di­vi­du­a­li­da­de, es­tá já pa­ra além de­las. As ce­nas fa­mi­li­a­res não per­ten­cem à con­vic­ção do fil­me. O ho­ri­zon­te de Lau­rent em Em Guer­ra só po­dia ser a ani­qui­la­ção. É es­sa a bru­ta­li­da­de de que fa­la­mos.

E é aqui que di­ze­mos que o fil­me pa­re­ce de­li­rar com o fan­tas­ma sa­cri­fi­ci­al que se vem evi­den­ci­an­do em Lin­don nas co­la­bo­ra­ções da du­pla que for­ma com Bri­zé (du­plos um do ou­tro, o pro­le­tá­rio re­a­li­za­dor e o bur­guês ac­tor: Ma­de­moi­sel­le Cham­bon, 2009, Qu­el­ques Heu­res de Prin­temps, 2012, A Lei do Mer­ca­do, 2015). E de­li­ra en­tu­si­as­man­do-se com o fo­go-de-ar­ti­fí­cio. O que faz com que, sen­do pro­jec­to nas­ci­do da con­vic­ção de que era ne­ces­sá­rio um fil­me pa­ra dar con­ta da­qui­lo a que o es­pec­tá­cu­lo te­le­vi­si­vo não ace­de, de que era pre­ci­so o ci­ne­ma pa­ra ser res­ga­ta­da a hu­ma­ni­da­de dos vul­tos ulu­lan­tes das “re­por­ta­gens”

Vin­cent Lin­don fi­cou so­zi­nho nos fil­mes de Stépha­ne Bri­zé:

A Lei do Mer­ca­do (2015) e Em Guer­ra (2018)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.