A paz, o pão, a ha­bi­ta­ção

Publico - Ipsilon - - Primeira Página -

Rai­va é um ex­tra­or­di­ná­rio tour de for­ce for­ma­lis­ta e ci­né­fi­lo, de­pu­ran­do uma tra­gé­dia ru­ral até atin­gir al­go de mís­ti­co e an­ces­tral.

Rai­va Exis­te qu­al­quer coi­sa de es­qui­zo­fré­ni­co em Sér­gio Tréfaut, es­pé­cie de “dr. Jekyll e Sr. Hy­de” con­so­an­te es­te­ja do la­do do do­cu­men­tá­rio ( Lis­bo­e­tas; Alen­te­jo, Alen­te­jo) ou da fic­ção ( Vi­a­gem a Por­tu­gal; o en­saio Tre­blin­ka). É uma cu­ri­o­sa di­co­to­mia que se pa­re­ce agu­di­zar com ca­da no­va abor­da­gem à fic­ção do re­a­li­za­dor, mas em co­mum a am­bas as ver­ten­tes exis­te uma aten­ção mui­to par­ti­cu­lar aos des­pos­suí­dos em bus­ca de uma iden­ti­da­de, aos “ou­tros” que pro­cu­ram um lu­gar on­de per­ten­cer.

Com Rai­va, a re­fe­rên­cia evi­den­te é o neo-re­a­lis­mo do pós­guer­ra, do ci­ne­ma ou da li­te­ra­tu­ra — Se­a­ra de Ven­to, de Manuel da Fon­se­ca, é o pon­to de par­ti­da des­ta adap­ta­ção for­ma­lis­ta que re­cha­ça a li­ber­da­de for­mal de um do­cu­men­tá­rio e as li­mi­ta­ções hu­ma­nis­tas do neo-re­a­lis­mo pa­ra se ins­cre­ver na li­nha­gem do gran­de ci­ne­ma clás­si­co. Es­se for­ma­lis­mo se­co, de­pu­ra­do, cin­ze­la­do que tan­to re­me­te pa­ra Dreyer co­mo pa­ra Straub, pa­ra Oli­vei­ra ou Bres­son, é exac­ta­men­te a “cha­ve” que ex­tir­pa de Rai­va to­das as ar­ma­di­lhas vi­sí­veis do me­lo­dra­ma da des­gra­ça e da hu­mi­lha­ção. No mo­do hi­e­rá­ti­co, qua­se már­tir, co­mo Tréfaut fil­ma a que­da da fa­mí­lia de An­tó­nio Pal­ma, tudo se trans­for­ma nu­ma via sa­cra de tra­gé­dia gre­ga mis­tu­ra­da de wes­tern alen­te­ja­no: os es­pan­to­sos 15 mi­nu­tos ini­ci­ais são um cer­co que John Ford não des­de­nha­ria, pa­ra de­pois “cor­tar” pa­ra ge­né­ri­co e vol­tar atrás, ao “prin­cí­pio” da his­tó­ria, e fa­zer fer­ver a pa­ne­la até a pres­são ex­plo­dir.

Evi­tan­do ha­bil­men­te quer o la­cri­me­jan­te pe­ga­jo­so quer o di­dac­tis­mo ac­ti­vis­ta, Tréfaut cons­trói um fil­me com o seu quê de mis­té­rio me­di­e­val ac­tu­a­li­za­do na sua pu­re­za cris­ta­li­na de Bem con­tra Mal; ro­da­do com um mí­ni­mo de efei­tos e ce­ná­ri­os e va­lo­ri­za­do pe­lo ma­gis­tral pre­to e branco de Acá­cio de Al­mei­da, pa­re­ce ins­cre­ver-se na li­nha­gem de ar­te po­ve­ra de al­guns Ros­sel­li­ni ou Pa­so­li­ni mas tam­bém do Sil­ves­tre de João Cé­sar Mon­tei­ro. É pos­sí­vel fa­lar da po­bre­za e da mi­sé­ria, de on­tem co­mo de ho­je, sem cair no mi­se­ra­bi­lis­ta ou no pi­e­do­so; bas­ta ter um ros­to e uma pre­sen­ça co­mo a de Hu­go Ben­tes (que nin­guém di­ria nun­ca ter re­pre­sen­ta­do) e uma pre­ci­são ma­nía­ca quan­to ao que se quer fa­zer. Rai­va é Sér­gio Tréfaut a fa­zer uma fic­ção on­de um do­cu­men­tá­rio se­ria im­pos­sí­vel, mas com uma mes­ma ba­ta­lha — a da dig­ni­da­de — a tra­var. J.M.

Ser­ge Tréfaut, oi­ta­va lon­ga nu­ma car­rei­ra de 25 anos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.