Du­pla à som­bra de Lo­ve­craft e Car­pen­ter

Publico - Ipsilon - - Primeira Página - Jor­ge Mou­ri­nha

Com O In­ter­mi­ná­vel, a du­pla ame­ri­ca­na Aaron Moorhead e Justin Ben­son cons­trói um in­qui­e­tan­te pe­sa­de­lo fa­ça-você-mes­mo, ro­da­do sem di­nhei­ro e com ami­gos, ins­pi­ra­do por gen­te tão dís­par co­mo Ste­ven So­der­bergh, John Car­pen­ter

ou Wil­li­am Fri­ed­kin

Quan­do me costumavam per­gun­tar qual era o fil­me que me ti­nha da­do von­ta­de de fa­zer ci­ne­ma, eu res­pon­dia com Par­que Ju­rás­si­co,” diz Aaron Moorhead ao te­le­fo­ne de San Di­e­go, Ca­li­fór­nia. “A apa­ri­ção do T-rex era as­sus­ta­do­ra. Mas no ou­tro dia vol­tei a ver o Veio do Ou­tro Mun­do do John Car­pen­ter, e trou­xe-me me­mó­ri­as de eu fi­car au­ten­ti­ca­men­te pa­ra­li­sa­do en­quan­to o via. Não fo­ram os efei­tos es­pe­ci­ais que me le­va­ram a que­rer fa­zer fil­mes de ter­ror. Foi mais a sen­sa­ção de iso­la­men­to, de pa­ra­nóia e ter­ror, e aque­la per­gun­ta mui­to Lo­ve­craf­ti­a­na: ‘por­que é que um he­li­cóp­te­ro há-de que­rer as­sas­si­nar um cão que cor­re pe­la An­tárc­ti­ca fo­ra?’.”

É uma per­gun­ta que po­de ser trans­pos­ta — sem cães nem he­li­cóp­te­ros — pa­ra a ter­cei­ra lon­ga-me­tra­gem re­a­li­za­da por Moorhead (n. 1987) e pe­lo seu me­lhor ami­go e cúm­pli­ce Justin Ben­son (n. 1983), O In­ter­mi­ná­vel, es­ta se­ma­na nas sa­las por­tu­gue­sas de­pois de ter pas­sa­do pe­lo MOTELX em 2017. Dois ir­mãos es­ca­pam em ado­les­cen­tes a uma sei­ta al­gu­res no deserto ame­ri­ca­no, que os sal­vou de um aci­den­te de car­ro em que fi­ca­ram ór­fãos. Agora adul­tos, so­bre­vi­ven­do co­mo po­dem, Justin quer re­co­me­çar do ze­ro e es­que­cer o pas­sa­do, mas Aaron, de­sen­can­ta­do com a vi­da que le­vam, per­gun­ta-se se não te­ri­am fi­ca­do me­lhor ser­vi­dos com a vi­da sos­se- ga­da que le­va­vam no “cul­to”. Um dia, che­ga uma cas­set­te de vi­deo, co­mo se fos­se uma car­ta do pas­sa­do. E a per­gun­ta: por­que é que, de­pois de te­rem es­ca­pa­do, Aaron e Justin hão-de re­gres­sar ao cul­to, mes­mo que se­ja só pa­ra o vi­si­tar?

A res­pos­ta não se re­ve­la­rá aqui, por­que equi­va­le­ria a um imen­so spoi­ler que du­ra to­da a pro­jec­ção do fil­me. O que po­de­mos re­ve­lar é que não há efei­tos es­pe­ci­ais de en­cher o olho, nem mui­to san­gue. Ape­nas su­ges­tão, per­gun­tas, res­pos­tas, dú­vi­das, den­tro de uma ló­gi­ca que evo­ca H. P. Lo­ve­craft (1890-1937). O es­cri­tor ame­ri­ca­no co­nhe­ci­do pe­lo seu ter­ror cós­mi­co e ali­e­nan­te pa­re­ce es­tar a ter um mo­men­to de re­a­va­li­a­ção por par­te de mui­to boa gen­te — nos úl­ti­mos tem­pos, Pa­nos Cos­ma­tos ( Mandy) e Pas­cal Lau­gi­er ( Ghos­tland) in­vo­ca­ram aber­ta­men­te Lo­ve­craft, en­quan­to Guil­ler­mo del To­ro te­ve que aban­do­nar o seu pro­jec­to de fil­mar Nas Mon­ta­nhas da Lou­cu­ra. “Não so­mos mui­to co­nhe­ce­do­res de Lo­ve­craft, mas mui­tos dos au­to­res que le­mos ins­pi­ra­ram- se no seu tra­ba­lho,” con­fes­sa Moorhead. “Mas pa­re­ce que to­dos os anos há dois ou três fil­mes no cir­cui­to dos fil­mes de ter­ror que são ‘Lo­ve­craf­ti­a­nos’, só que ge­ral­men­te as pes­so­as di­zem is­so por­que há mons­tros com ten­tá­cu­los! Pa­ra mim, Lo­ve­craft tem mais a ver com uma sen­sa­ção avas­sa­la­do­ra, de ser­mos mi­nús­cu­los e im­po­ten­tes num mun­do que é mui­to di­fe­ren­te do que es­pe­rá­va­mos que fos­se e que as ci­ên­ci­as e a ma­te­má­ti­ca não con­se­guem re­al­men­te ex­pli­car. E não há mui­tos fil­mes as­sim.”

Ain­da as­sim, tal co­mo o uni­ver­so dos “se­res an­ti­gos” e o “mi­to de Cthu­lhu” per­cor­ri­am os li­vros do es­cri­tor, tam­bém os três fil­mes de Ben­son e Moorhead es­tão in­ter­li­ga­dos — Re­so­lu­ti­on (2012), Spring (2014) e O In­ter­mi­ná­vel pas­sam-se num mes­mo uni­ver­so nar­ra­ti­vo, cor­res­pon­den­do no en­tan­to a his­tó­ri­as in­tei­ra­men­te in­de­pen­den­tes. Moorhead é pe­remp­tó­rio a ex­pli­car que os fil­mes nas­cem sem­pre a par­tir de uma ideia es­pe­cí­fi­ca. “Na­da

“Não te­mos sustos que fa­çam o es­pec­ta­dor sal­tar na ca­dei­ra. Es­ta­mos sem­pre a ten­tar as­sus­tar as pes­so­as de ma­nei­ras pou­co con­ven­ci­o­nais” Justin Ben­son

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.