Mi­cha­el Mo­o­re na pe­le do ho­mem sen­sa­to

Publico - Ipsilon - - Primeira Página -

Na­da de no­vo pa­ra qu­em acom­pa­nhe a re­fle­xão so­bre a po­lí­ti­ca ame­ri­ca­na pa­ra além das pa­ran­go­nas e dos sen­sa­ci­o­na­lis­mos . Luís Miguel Oli­vei­ra

Fah­re­nheit 11/9 De Mi­cha­el Mo­o­re A po­lí­ti­ca ame­ri­ca­na to­mou ru­mos tão de­li­ran­te­men­te exu­be­ran­tes que até Mi­cha­el Mo­o­re, du­ran­te anos vis­to co­mo um es­pa­lha­bra­sas “li­be­ral”, po­de agora re­pre­sen­tar uma fi­gu­ra de sen­sa­tez. É mes­mo es­sa a po­si­ção em que se põe em Fah­re­nheit 11/9, fil­me so­bre a as­cen­são de Do­nald Trump (que, in­ver­ten­do os nú­me­ros que com­pu­nham o tí­tu­lo do fil­me de Mo­o­re so­bre a res­sa­ca do 11 de Se­tem­bro, Fah­re­nheit 9/11, ime­di­a­ta­men­te si­na­li­za as pro­por­ções do trau­ma que re­pre­sen­tou a che­ga­da de Trump à Ca­sa Bran­ca). Mo­o­re en­ce­na-se a si mes­mo, to­man­do con­ta da voz off e por ve­zes da ima­gem, co­mo o ti­po que, nos me­ses da cam­pa­nha elei­to­ral, le­vou Trump a sé­rio, não o re­du­ziu a uma pi­a­da, con­si­de­rou su­fi­ci­en­te­men­te for­tes as su­as pos­si­bi­li­da­des de ga­nhar a elei­ção – in­clui mes­mo ima­gens, co­mo uma dú­bia co­roa de gló­ria, de no­ti­ciá­ri­os da Fox News que o ci­ta­vam a ele, Mo­o­re, jus­ti­fi­can­do as hi­pó­te­ses de Trump ser mes­mo eleito.

Res­guar­da­do, ou le­gi­ti­ma­do, nes­ta po­si­ção, que to­ma con­ta de to­do o seg­men­to ini­ci­al ( jun­ta­men­te com uma crí­ti­ca aos “mains­tre­am me­dia” que fi­ze­ram de Trump uma fes­ta e in­vo­lun­ta­ri­a­men­te aju­da­ram ao for­ta­le­ci­men­to da sua pre­sen­ça no es­pa­ço pú­bli­co), Fah­re­nheit 11/9 cons­trói-se co­mo um vol d’oi­se­au so­bre as con­di­ções soci­ais, po­lí­ti­cas, ins­ti­tu­ci­o­nais, que con­du­zi­ram à vi­tó­ria de Trump. Sem es­con­der o des­pre­zo pe­la fi­gu­ra, Mo­o­re não a me­no­ri­za, nem me­no­ri­za, ou di­a­bo­li­za, a mas­sa de elei­to­res dos es­ta­dos ru­rais (so­bre­tu­do) que mais con­tri­buiu pa­ra a sua elei­ção – mas apro­vei­tan­do a dei­xa pa­ra cri­ti­car o ve­tus­to sis­te­ma do co­lé­gio elei­to­ral ame­ri­ca­no, cri­a­do há du­zen­tos anos pa­ra apa­zi­guar os es­ta­dos es­cla­va­gis­tas do Sul, que po­de ter co­mo con­sequên­cia (co­mo no elei­ção Trump/Hil­lary) que o vo­to po­pu­lar se­ja ir­re­le­van­te fa­ce à vi­tó­ria nos es­ta­dos “cer­tos”. O tom do fil­me é ana­lí­ti­co e com­pre­en­si­vo, ple­no de do­cu­men­tos e depoimentos, mas tam­bém um pou­co es­par­so, por ve­zes sim­plis­ta, e no fun­do não traz na­da de no­vo a qu­em acom­pa­nhe a re­fle­xão so­bre a po­lí­ti­ca ame­ri­ca­na pa­ra além das pa­ran­go­nas e dos sen­sa­ci­o­na­lis­mos. Mes­mo a fa­ce­ta agit prop de Mo­o­re – o seu la­do mais ques­ti­o­ná­vel e si­mul­ta­ne­a­men­te mais di­ver­ti­do – apa­re­ce sin­gu­lar­men­te si­su­da: tal­vez o mo­men­to em que ela se re­ve­le mais eu­fó­ri­ca se­ja quan­do mon­ta o som de um dis­cur­so de Trump so­bre ima­gens de um co­mí­cio de Hi­tler, es­cu­da­do na ideia de que, se a his­tó­ria não se re­pe­te, dá “pa­drões” que nos per­mi­tem in­ter­pre­tar, e até pre­ver, os ru­mos do pre­sen­te. É o ter­ço fi­nal do fil­me, uma es­pé­cie de avi­so e ape­lo à ne­ces­si­da­de de com­ba­ter Trump em no­me da de­mo­cra­cia ame­ri­ca­na. Tudo mui­to jus­to, tudo tam­bém um pou­co re­dun­dan­te – co­mo se Mo­o­re con­ti­nu­as­se a fil­mar pa­ra um “es­pec­ta­dor mé­dio ame­ri­ca­no”, não ex­ces­si­va­men­te in­for­ma­do, e à “fi­gu­ra de sen­sa­tez” so­bre­pu­ses­se aqui uma ou­tra fi­gu­ra, qua­se pa­ter­na­lis­ta.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.