An­jos e de­mó­ni­os

Publico - Ipsilon - - Primeira Página -

So­bres­sai a von­ta­de de ilu­mi­nar o obs­ce­no, mas es­te fe­cha-se na sa­la, clas­si­fi­ca­do pe­la fo­to­gra­fia, dis­tan­te, mu­do, co­mo se fos­se im­pos­sí­vel dig­ni­fi­car prá­ti­cas se­xu­ais das quais a vi­o­lên­cia nun­ca es­tá au­sen­te. Jo­sé Mar­me­lei­ra

Ro­bert Map­plethor­pe: Pictures Por­to. Mu­seu de Ser­ral­ves. Rua D. João Cas­tro, 210, Por­to. Até 6 de Ja­nei­ro de 2019

Sub­ver­ta-se, por ins­tan­tes, os pro­to­co­los da ar­te con­tem­po­râ­nea: Ro­bert Map­plethor­pe Pictures, a dis­cu­ti­dís­si­ma ex­po­si­ção do ar­tis­ta ame­ri­ca­no no Mu­seu de Ser­ral­ves, ini­cia-se so­bre as t-shirts que, na li­vra­ria, re­pro­du­zem um dos seus mais co­nhe­ci­dos au­to­re­tra­tos: de ca­be­lo en­ro­la­do pe­la bri­lhan­ti­na, na­va­lha na mão, po­se ame­a­ça­do­ra e as­sus­ta­da di­an­te al­guém que não se vê (ou que não exis­te). Um dos de­síg­ni­os de Mapp­plethor­pe cum­pre-se nes­te ins­tan­te de fic­ção, fei­to ob­jec­to: tor­nar-se mun­di­al­men­te fa­mo­so, uma ce­le­bri­da­de.

É es­ta ima­gem (de 1983) que, ver­ti­cal, apre­sen­ta os vi­si­tan­tes à ex­po­si­ção, que anun­cia o au­tor e a per­so­na­gem, mas Ro­bert Map­plethor­pe Pictures co­me­ça dis­cre­ta, na sé­rie de co­la­gens, re­a­li­za­das no prin­cí­pio da car­rei­ra (anos 70), nas quais se an­te­ci­pam a ex­plo­ra­ção do ho­mo­e­ro­tis­mo e de cer­tos mo­ti­vos se­xu­ais. É uma pas­sa­gem bre­ve, iso­la­da das du­as gran­des sa­las nas quais se des­do­bram sé­ri­es, con­jun­tos, cons­te­la­ções de ima­gens. As dos re­tra­tos dos ami­gos, das ce­le­bri­da­des, de in­te­ri­o­res, de ob­jec­tos, de cor­pos. A ex­po­si­ção vi­ve nes­ta ten­são, a de uma pos­sí­vel he­si­ta­ção. Mos­trar aber­ta ou ve­la­da­men­te, em pri­mei­ro e em se­gun­do pla­no, sob a ori­en­ta­ção se­gu­ra dos te­mas ou com a li­ber­da­de e o ris­co de ima­gi­nar e cri­ar no­vos sen­ti­dos.

No cen­tro da ex­po­si­ção, há uma per­so­na­gem que se des­ta­ca: a can­to­ra, com­po­si­to­ra e po­e­ti­sa Pat­ti Smith, na­mo­ra­da, aman­te, ami­ga de Map­plethor­pe. Vê-se, re­tra­ta­da, em du­as fo­to­gra­fi­as dis­pos­tas ver­ti­cal­men­te, das quais par­tem, em di­rec­ções con­trá­ri­as (for­man­do o de­se­nho de uma cruz) ou­tras ima­gens. De um la­do, aque­las que as­si­na­lam o in­te­res­se pe­la com­po­si­ção ge­o­mé­tri­ca e o cor­po (em Lowell Smith, de 1981), pe­lo gé­ne­ro do re­tra­to, pe­la se­xu­a­li­da­de qu­e­er; do ou­tro, a re­fe­rên­cia à prá­ti­ca da fo­to­gra­fia pa­ra lá das te­má­ti­cas ou dos as­sun­tos, re­pre­sen­ta­da, por exem­plo, em Pictures/Self Por­trait (1977), em que sur­ge mais vin­ca­da a di­men­são con­cep­tu­al da prá­ti­ca fo­to­grá­fi­ca.

Des­tas di­rec­ções, não ne­ces­sa­ri­a­men­te opos­tas, a ex­po­si­ção dis­ten­de-se, cor­re pe­las pa­re­des, dis­per­sa-se pe­las du­as gran­des sa­las, dan­do es­pa­ço ao es­pec­ta­dor; tal­vez de­ma­si­a­do es­pa­ço. Há um gi­gan­tis­mo que di­mi­nui as fo­to­gra­fi­as, que as di­lui nu­ma su­per­fí­cie so­bre a qual ten­de­mos a des­li­zar ho­ri­zon­tal­men­te: de Pat­ti Smith a Ri­chard Ge­re, de Ri­chard Ge­re pa­ra as com­po­si­ções mais ge­o­mé­tri­cas, des­tas pa­ra os au­to­re­tra­tos, dos au­to-re­tra­tos pa­ra os re­tra­tos dos ami­gos e ar­tis­tas fa­mo­sos. Ou, co­mo acon­te­ce fre­quen­te­men­te, de te­mas pa­ra te­mas. A ex­po­si­ção exi­be-se ar­ru­ma­da, li­ne­ar e dis­tan­te, de­se­nha­da em sé­ri­es ou fe­cha­da em as­sun­tos. Um exem­plo: os nus de ho­mens ne­gros apa­re­cem agru­pa­do em can­tos ( Den­nis Speight, Derrick Cross, Phil­lip Pri­o­le­au), quan­do a dig­ni­fi­ca­ção dos seus cor­pos po­de­ria ter ti­do um lu­gar mais cen­tral. O mes­mo se po­de­ria di­zer do pra­zer e da se­xu­a­li­da­de (im­plí­ci­ta em vá­ri­as fo­to­gra­fi­as) ou dos au­to-re­tra­tos do pró­prio Map­plethor­pe, em que o de­se­jo (de fo­to­gra­far e de ser fo­to­gra­fa­do) e a vul­ne­ra­bi­li­da­de se con­fun­dem. Con­fi­na­das por te­mas, ao es­pa­ço, man­tém o es­pec­ta­dor a uma dis­tân­cia se­gu­ra, sa­cra­li­zan­do o mu­seu e o ar­tis­ta. Por que não – co­lo­que-se a pos­si­bi­li­da­de — co­lo­car o re­tra­to de Andy Warhol ao la­do de um au­to-re­tra­to, o de Loui­se Bour­ge­ois em re­la­ção com a de pé­nis erec­to ou flá­ci­do. O de ca­sal mas­cu­li­no, ves­ti­do de ca­be­dal, a bei­jar-se per­to des­sa ci­ta­ção de Re­né Ma­grit­te que é Whi­te Ga­ze? É per­ti­nen­te per­gun­tar se a fo­to­gra­fia de Map­plethor­pe, em ter­mos for­mais e de con­teú­do, per­mi­ti­ria ex­plo­ra­ções co­mo es­tas ou ou­tras, se tal uni­fi­ca­ção se­ria re­a­li­zá­vel, no es­pa­ço de um mu­seu, aten­den­do à na­tu­re­za dis­tin­ta das ima­gens (em par­ti­cu­lar, as se­xu­al­men­te mais ex­plí­ci­tas), no­me­a­da­men­te por cau­sa da re­la­ção in­de­xi­cal que es­ta­be­le­cem com a re­a­li­da­de

(pa­ra o es­pec­ta­dor co­mum, aque­le que faz block­bus­ters, as fo­to­gra­fi­as de Map­pletho­pe con­ti­nu­am a ser fo­to­gra­fi­as, não pin­tu­ras, de­se­nhos ou es­cul­tu­ras). A ex­po­si­ção pa­re­ce alheia a es­tas ques­tões, e só co­mo mui­to es­for­ço, fo­ra de­la (na sua ex­ten­são e am­pli­a­ção, de ca­rac­te­rís­ti­cas di­fe­ren­tes, que é o es­pa­ço pú­bli­co), é pos­sí­vel de­sen­vol­ver ou pen­sar ou­tras: o que po­de ser ou pre­ten­de ser um mu­seu co­mo Ser­ral­ves, que sen­ti­do tem a li­ber­da­de no seu es­pa­ço, on­de co­me­çam e aca­bam a re­a­li­da­de da ar­te e a re­a­li­da­de que exis­te fo­ra das su­as fron­tei­ras?

A crí­ti­ca ou au­to­crí­ti­ca foi ou­tro sen­ti­do que a ex­po­si­ção po­dia ter to­ma­do, fri­san­do os pa­ra­do­xos da obra de Map­plethor­pe. Se há fo­to­gra­fi­as que hu­ma­ni­zam, pe­la se­xu­a­li­da­de, pe­lo olhar, pe­la po­se, pe­los ges­tos ( Lar­ry and Bob Kis­sing, Den­nis Speight), ou­tras trans­for­mam os cor­pos em abs­trac­ções, for­mas pu­ras, se­res an­ge­li­cais, pro­du­tos de uma com­po­si­ção so­be­ra­na (o con­jun­to Tho­mas ou Ken Mo­ody and Ro­bert Sher­man). Es­ta ten­são cul­mi­na nas sé­ri­es das orquí­de­as que, ex­pos­tas nu­ma sa­la pin­ta­da de azul, se as­se­me­lham a ob­jec­tos, for­mas ge­o­mé­tri­cas des­ti­tuí­das de vi­da.

Nas du­as sa­las, em que os me­no­res de 18 anos só po­dem en­trar acom­pa­nha­dos por adul­tos (e al­guns fi­ca­ram à por­ta da ex­po­si­ção, sob a aten­ção dos te­le­mó­veis), es­tão, res­pec­ti­va­men­te, as fo­to­gra­fi­as se­xu­al­men­te mais ex­plí­ci­tas e as que re­tra­tam prá­ti­cas de ca­riz sa­do­ma­so­quis­ta em que Ro­bert Map­plethor­pe se en­vol­via fre­quen­te­men­te. São mo­men­tos de­si­guais na ex­po­si­ção e so­bre as quais é sem­pre po­bre um juí­zo en­cer­ra­do no elo­gio da ar­te pe­la ar­te (a ar­te é sem­pre mais que ar­te). Na pri­mei­ra sa­la, as po­la­roids de prá­ti­cas se­xu­ais, pro­ve­ni­en­te de in­ti­mi­da­de de Map­pethor­pe e Wal­gaft, equi­va­lem, com sub­ti­le­za in­su­fi­ci­en­te, a dor ao pra­zer, en­quan­to os nus (ero­ti­za­dos) en­fa­ti­zam o de­se­jo (de ser fo­to­gra­fa­do e fo­to­gra­far). Há uma re­dun­dân­cia em al­gu­mas des­tas ima­gens que se re­pe­te na sa­la fi­nal. So­bres­sai uma von­ta­de de ilu­mi­nar o obs­ce­no, mas es­te fe­cha-se na sa­la, clas­si­fi­ca­do pe­la fo­to­gra­fia, dis­tan­te, gros­sei­ro, mu­do, co­mo se fos­se im­pos­sí­vel dig­ni­fi­car prá­ti­cas se­xu­ais das quais a vi­o­lên­cia nun­ca es­tá to­tal­men­te au­sen­te.

Mais in­te­res­san­te, mais pro­vo­ca­tó­rio per­ma­ne­ce um tra­ba­lho co­mo Bill, New York

(1976) que traz o es­pec­ta­dor (qu­al­quer que se­ja o seu gé­ne­ro ou se­xu­a­li­da­de) pa­ra o seu cen­tro, co­lo­can­do-o e es­pe­lhan­do-o en­tre du­as fo­to­gra­fi­as de fa­los erec­tos. Nes­se mo­men­to, a ex­po­si­ção li­ber­ta-se e, sob o olhar de Map­plethor­pe (ora me­fis­to­fé­li­co, ora re­ce­o­so, ora ri­so­nho), rom­pem, no mu­seu, o de­se­jo, o me­do, a in­qui­e­ta­ção, o voyeu­ris­mo e o hu­mor.

O de­se­jo, o me­do, a in­qui­e­ta­ção, o voyeu­ris­mo e o hu­mor: Rob­bert Map­plethor­pe

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.