Ac­ção Pa­ra­le­la António Guerreiro Ima­gi­nar o fim do ca­pi­ta­lis­mo

Publico - Ipsilon - - Primeira Página -

Ébem co­nhe­ci­do o pa­ra­do­xo que o nor­te­a­me­ri­ca­no Fre­dric Ja­me­son, no­me im­por­tan­te da te­o­ria e crí­ti­ca da cul­tu­ra, enun­ci­ou há al­guns anos: ac­tu­al­men­te, é mais fá­cil pa­ra nós ima­gi­nar­mos o fim do mun­do do que o fim do ca­pi­ta­lis­mo. É sig­ni­fi­ca­ti­vo que ele te­nha uti­li­za­do a pa­la­vra “ima­gi­nar”, já que o co­lap­so do ca­pi­ta­lis­mo foi mui­tas ve­zes anun­ci­a­do co­mo pre­vi­são de ci­ên­cia cer­ta — e ou­tras tan­tas ve­zes des­men­ti­do — des­de Marx até ao pen­sa­men­to eco­lo­gis­ta ac­tu­al que de­nun­cia a im­pos­si­bi­li­da­de (a “in­sus­ten­ta­bi­li­da­de”, co­mo se diz ho­je) do mo­de­lo “ex­trac­ti­vis­ta”, se­gun­do o qual ele se cons­trói (e Marx pa­re­ce não ter pen­sa­do nos li­mi­tes dos re­cur­sos na­tu­rais quan­do es­cre­veu:

“De ca­da um se­gun­do as su­as ca­pa­ci­da­des, a ca­da um se­gun­do as su­as ne­ces­si­da­des”). de gran­de al­can­ce teó­ri­co so­bre a ci­da­de pós­ca­pi­ta­lis­ta, um li­vro re­cen­te que, com uma enor­me habilidade, até ac­tu­a­li­za e des­via do seu ter­ri­tó­rio ide­o­ló­gi­co ori­gi­nal (o de uma cul­tu­ra de di­rei­ta que já nem exis­te e que es­tá na ba­se da “re­vo­lu­ção con­ser­va­do­ra” en­tre as du­as guer­ras mun­di­ais) a no­ção jün­ge­ri­a­na de “mo­bi­li­za­ção to­tal”; as­sim que vol­ta­mos à rua, a mo­bi­li­za­ção é de fac­to to­tal, mas com­ple­ta­men­te ou­tra: a ci­da­de se­gue o seu cur­so ne­o­li­be­ral, in­di­fe­ren­te a ima­gi­na­ções e pro­fe­ci­as. Ou, pe­lo me­nos, é o que pa­re­ce.

Veja-se, por exem­plo, o que se pas­sa em Lis­boa e no Por­to: os cen­tros des­tas ci­da­des são um ver­da­dei­ro par­que de di­ver­sões, ca­da no­va lo­ja ou no­vo restaurante (e há-os, re­cém-inau­gu­ra­dos: “la for­me d’une vil­le/ Chan­ge plus vi­te, hé­las, que le co­eur d’um mor­tel”, co­mo es­cre­veu Bau­de­lai­re) é um no­vo “con­cei­to” que, não pro­du­zin­do na­da, vi­sa cri­ar um va­lor es­pe­cu­la­ti­vo em tu­do o que exis­te. A ci­da­de es­tá to­da ela su­jei­ta a ser go­ver­na­da pe­la ló­gi­ca da in­jec­ção de va­lor abs­trac­to que po­de ser ani­qui­la­do tão ra­pi­da­men­te co­mo foi cons­truí­do (os so­ció­lo­gos Luc Bol­tans­ki e Ar­naud Es­quer­re ana­li­sa­ram es­te fe­nó­me­no do “en­ri­que­ci­men­to”, no sen­ti­do em que se fa­la de urâ­nio en­ri­que­ci­do, num li­vro re­cen­te in­ti­tu­la­do En­ri­chis­se­ment. Cri­ti­que de la mar­chan­di­se).

Se não con­se­gui­mos ima­gi­nar o fim do ca­pi­ta­lis­mo é tal­vez por­que ten­de­mos a pen­sar — as­sim fo­mos trei­na­dos — que es­se fim se da­rá sob a for­ma de um ca­ta­clis­mo, de pas­sa­gem vi­o­len­ta pa­ra ou­tra coi­sa com­ple­ta­men­te di­fe­ren­te. Mas tal­vez se­ja mais avi­sa­do pen­sar um pós-ca­pi­ta­lis­mo (e há já quem o es­te­ja a pen­sar, li­mi­to-me a fa­zer eco de al­gu­mas lei­tu­ras re­cen­tes) que es­tá a de­sen­vol­ver-se a par­tir do in­te­ri­or do pró­prio ca­pi­ta­lis­mo, nu­ma al­tu­ra em que tu­do ne­le obe­de­ce à re­gra da hi­per­te­lia, do que se anu­la por­que vai pa­ra além dos seus pró­pri­os fins. Ten­do fa­lha­do to­dos os di­ta­dos do fim do ca­pi­ta­lis­mo por ac­ção dos seus li­mi­tes ex­te­ri­o­res, a ma­nei­ra pos­sí­vel de ima­gi­nar o seu fim é co­me­çar a per­ce­ber pa­ra on­de ele es­tá a ser con­du­zi­do pe­los seus li­mi­tes in­te­ri­o­res. En­tão, tal­vez co­me­ce­mos a per­ce­ber que o hi­a­to en­tre a rua e al­gu­mas sec­ções das li­vra­ri­as ac­tu­ais não é tão gran­de co­mo pa­re­ce.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.