Do fa­do a Sas­set­ti: ou­tras pa­ra­gens de Tos­ca­no

Publico - Ipsilon - - Primeira Página -

For­ma­do pe­lo jazz nor­te-ame­ri­ca­no, a in­ves­ti­ga­ção cons­tan­te das raí­zes e de no­vos es­tí­mu­los têm con­du­zi­do o sa­xo­fo­nis­ta a ou­tras pa­ra­gens com so­ta­que por­tu­guês.

s sex­tas-fei­ras e sá­ba­dos, se a agen­da lho per­mi­te, é bas­tan­te pos­sí­vel en­con­trar Ri­car­do Tos­ca­no não no Hot Clu­be de Por­tu­gal ou nas jams de jazz que vão eclo­din­do nal­guns ba­res de Lis­boa, mas an­tes em Al­fa­ma, na Me­sa de Fra­des, a ou­vir fa­do. “A ca­te­dral”, cha­ma àque­le que é o mais ha­bi­tu­al poi­so pa­ra fa­dis­tas e mú­si­cos de fa­do fo­ra de ho­ras, tão a sal­vo dos cir­cui­tos tu­rís­ti­cos quan­to é pos­sí­vel. “O ob­jec­ti­vo”, con­fes­sa o sa­xo­fo­nis­ta, “é apren­der, ten­tar che­gar à es­sên­cia de ca­da coi­sa que que­ro com­pre­en­der.” E, por is­so, mes­mo sa­ben­do três ou qua­tro fa­dos, re­cu­sa sem­pre os con­vi­tes pa­ra to­car. Vai ali pa­ra ou­vir. E tal­vez pa­ra per­ce­ber me­lhor co­mo se re­la­ci­o­nar com as ac­tu­a­ções que, pon­tu­al­men­te, faz ao la­do de Ana Moura. Mas, ga­ran­te, não quer “da­que­les ga­jos que ago­ra vai usar o fa­do pa­ra ter mais um as­sun­to e ven­der umas cenas”.

Em cer­ta me­di­da, pa­ra al­guém que tem por he­róis mú­si­cos nor­te­a­me­ri­ca­nos li­ga­dos ao hard bop — uma es­ca­la na evo­lu­ção do jazz for­te­men­te marcada pe­la adop­ção de có­di­gos li­ga­dos a mú­si­cas de raiz co­mo gos­pel e blu­es —, a in­ves­ti­ga­ção do fa­do po­de­ria fa­zer sen­ti­do en­quan­to pro­cu­ra de um so­ta­que lo­cal, fa­zen­do um mo­vi­men­to si­mé­tri­co de des­ci­da às raí­zes. “Não pos­so fa­zer na­da em re­la­ção a is­so: sou por­tu­guês, da Amo­ra e to­co jazz”, ri-se Tos­ca­no. “En­tão o meu blu­es se ca­lhar não é um blu­es da igre­ja do Har­lem — em­bo­ra já te­nha ido lá e ache aqui­lo lin­do e ar­re­pi­an­te. E, en­fim, sen­do uma pes­soa espiritual não sou re­li­gi­o­so.” Se é do fa­do ou não, ele diz não sa­ber, mas tem a cer­te­za de que te­rá um so­ta­que di­fe­ren­te no sa­xo­fo­ne al­to mol­da­do pe­la sua ori­gem por­tu­gue­sa.

Tal­vez a in­fluên­cia que o fa­do pos­sa exer­cer na sua mú­si­ca, re­flec­te, pos­sa ser con­sequên­cia da pro­fun­di­da­de dos po­e­mas can­ta­dos — que, na sua opi­nião, con­tras­ta com a mai­or le­ve­za que abun­da nos stan­dards de jazz. Co­mo gos­ta de se in­tei­rar da le­tra de uma ba­la­da pa­ra pro­cu­rar a for­ma mais pes­so­al de se re­la­ci­o­nar com o te­ma, Tos­ca­no ima­gi­na que pos­sa ir bus­car o seu re­gis­to emo­ci­o­nal pa­ra es­sas oca­siões “ten­tan­do co­lo­car a for­ça de um fa­do” no te­ma. “Is­to po­de pa­re­cer que es­tou a fa­zer uma gran­de pes­qui­sa pa­ra inventar al­gu­ma coi­sa, mas não é is­so, es­tou só a ten­tar ser o mais ex­pres­si­vo pos­sí­vel.”

Ca­da pas­so que Tos­ca­no dá pa­ra fo­ra da sua zo­na de ac­ção na­tu­ral aca­ba, sem­pre, por ma­ni­fes­tar-se na mú­si­ca que faz. É uma ine­vi­ta­bi­li­da­de, co­mum a qu­al­quer mú­si­co, mas que no seu ca­so li­ga, por ve­zes, pon­tos pou­co co­mu­ni­can­tes. Nu­ma das ex­pe­ri­ên­ci­as mais im­pre­vis­tas do seu per­cur­so, jun­tou-se a Miguel Mo­rei­ra e ao Úte­ro pa­ra uma per­for­man­ce in­ti­tu­la­da Fra­ter­ni­da­de, em que lhe ca­bia im­pro­vi­sar du­ran­te to­da a pe­ça, à me­di­da que res­pon­dia aos mo­vi­men­tos de bai­la­ri­nos co­mo Ro­meu Ru­na, Luís Guer­ra, Ma­ria Fon­se­ca e Fran­cis­co Ca­ma­cho. “Foi uma per­for­man­ce de du­as ho­ras em que não to­quei ne­nhu­ma me­lo­dia bo­ni­ta. E en­tão per­ce­bi que o meu de­ver ali não era ilus­trar — eu tam­bém era uma per­so­na­gem. Apren­di mui­to com eles e com as re­gras que têm en­tre eles, em que quan­do uma coi­sa aca­ba não há ou­tra a co­me­çar, tu­do fun­ci­o­na por ca­ma­das.”

Por ca­mi­nhos aci­den­ta­dos, a ex­pe­ri­ên­cia com o Úte­ro no pal­co do Te­a­tro Avei­ren­se ha­ve­ria de eco­ar ain­da no con­cer­to que o Ri­car­do Tos­ca­no Quar­te­to de­di­cou, há du­as se­ma­nas, à mú­si­ca de Ber­nar­do Sas­set­ti no Cen­tro

Cul­tu­ral de Be­lém. À ex­pe­ri­ên­cia de to­car so­zi­nho em Fra­ter­ni­da­de, o sa­xo­fo­nis­ta jun­ta­ria a in­ten­ção de abrir no meio da so­no­ri­da­de do quar­te­to um es­pa­ço­so lu­gar pa­ra o si­lên­cio que Sas­set­ti ge­ria com mes­tria ci­rúr­gi­ca nas su­as pe­ças. “Nun­ca me ti­nha sen­ti­do vul­ne­rá­vel da­que­la ma­nei­ra, co­mo me sen­ti no con­cer­to com a mú­si­ca do Sas­set­ti”, re­cor­da. “Não sen­tia que es­ti­ves­se a to­car sa­xo­fo­ne ou se­quer mú­si­ca, pa­re­cia que es­ta­va ape­nas a ser veí­cu­lo de uma ex­pres­são.”

Quan­do os qua­tro su­bi­ram ao pal­co do CCB, iam con­fes­sa­da­men­te “mui­to as­sus­ta­dos pe­la res­pon­sa­bi­li­da­de e pe­lo le­ga­do tão for­te, tão vas­to e tão in­crí­vel”. E es­se me­do, con­fes­sa Tos­ca­no, foi usa­do co­mo mo­la pa­ra a su­pe­ra­ção. Ten­do de li­dar com uma pro­xi­mi­da­de pa­ra­do­xal — Sas­set­ti as­sis­tiu ao con­cer­to do sa­xo­fo­nis­ta na Fes­ta do Jazz, em 2010, ano em que ven­ceu o Pré­mio de Sa­xo­fo­nis­ta Re­le­va­ção, Tos­ca­no viu vá­ri­os con­cer­tos do pi­a­nis­ta, mas nun­ca se co­nhe­ce­ram — e com uma for­te car­ga emo­ci­o­nal, os qua­tro aca­ba­ram por sin­to­ni­zar-se mais com “uma me­lan­co­lia bo­ni­ta” em que já se re­co­nhe­ci­am, mas que nun­ca ti­nham apro­fun­da­do de for­ma tão de­cla­ra­da.

É uma das dei­xas que o quar­te­to es­pe­ra vir a apli­car no seu re­por­tó­rio fu­tu­ro — e nos pos­sí­veis no­vos con­cer­tos com a mú­si­ca de Sas­set­ti, a con­vi­te da Ca­sa Ber­nar­do Sas­set­ti, que se po­de­rão su­ce­der. Ou­tra, des­cre­ve Tos­ca­no, diz res­pei­to a “mo­men­tos su­per cal­mos em que pa­re­ce que a ca­dên­cia abran­da mas o mo­vi­men­to nun­ca pá­ra, há sem­pre qu­al­quer coi­sa a acon­te­cer”. Tal­vez de­vi­do a es­sas pre­ci­sas ca­rac­te­rís­ti­cas, hou­ve te­mas em que ten­ta­ram obri­gar-se a to­car tão len­to quan­to pos­sí­vel. Tan­to as­sim que ao es­cu­tar a gra­va­ção do con­cer­to, Tos­ca­no es­pan­tou-se: “Nem pa­re­ce­mos nós a to­car!” Pa­re­cen­do que não, es­se o ob­jec­ti­vo nun­ca dei­xa de ser es­se. G.F.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.