Whi­te Al­bum, o dis­co em que tu­do pa­re­cia pos­sí­vel

Publico - Ipsilon - - Primeira Página - Gon­ça­lo Frota

Após o cú­mu­lo da ex­pe­ri­men­ta­ção que ti­nham le­va­do a ca­bo em Sgt. Pep­per’s Lo­nely He­arts Club Band, o fu­tu­ro pa­ra os Be­a­tles não era fá­cil de des­cor­ti­nar. Se Re­vol­ver (1966) e Sgt Pep­per’s (1967) ti­nham sig­ni­fi­ca­do pas­sos gi­gan­tes na ex­pan­são da so­no­ri­da­de pop/rock que co­me­ça­ra por ser uma bem tra­ba­lha­da re­con­ver­são do re­por­tó­rio rock’n’roll/r&b, im­pos­sí­vel pre­nún­cio da re­vo­lu­ção que se en­con­tra­va a uma es­cas­sa meia dé­ca­da de dis­tân­cia — Kurt Co­bain, con­fes­so fã da ban­da, afir­ma­ria o seu es­pan­to com a hipótese ir­re­a­lis­ta de ha­ver ape­nas qua­tro anos a se­pa­rar Ple­a­se Ple­a­se Me e Sgt. Pep­per’s —, o pas­so se­guin­te era qua­se ini­ma­gi­ná­vel co­mo par­te de uma escalada tão ver­ti­gi­no­sa.

Sgt. Pep­per’s, ál­bum que acu­mu­lou 700 ho­ras no es­tú­dio 2 de Ab­bey Ro­ad, era um dis­co em que as can­ções ti­nham a des­fa­ça­tez de de­sem­bo­car nas se­guin­tes sem pau­sa pa­ra res­pi­rar (o te­ma-tí­tu­lo trans­for­ma-se em With a lit­tle help from my fri­ends sem pe­dir li­cen­ça), em que as can­çõem po­di­am co­li­dir umas com as ou­tras pa­ra ori­gi­nar al­go no­vo ( A day in the li­fe re­sul­ta da mon­ta­gem de ex­cer­tos dis­tin­tos com­pos­tos por John Len­non e Paul McCart­ney), em que o te­ma fi­nal (no­va­men­te A day in the li­fe) po­dia im­plo­dir num cres­cen­do or­ques­tral dis­so­nan­te mais fa­cil­men­te atri­buí­vel a Be­rio ou Ca­ge, em que os úl­ti­mos se­gun­dos na edi­ção em vi­nil ori­gi­nal po­de­ri­am apon­tar à eter­ni­da­de (quan­do a agu­lha não pas­sa­va das úl­ti­mas es­pi­ras, fa­zen­do des­se úl­ti­mo ins­tan­te um lo­op sem fim).

Tal­vez por tu­do ser tão ab­sur­da­men­te per­fei­to em Sgt. Pep­per’s, tão de­se­nha­do ao por­me­nor, sal­tan­do por ci­ma da ban­da so­no­ra de Ma­gi­cal Mys­tery Tour, o ál­bum ho­mó­ni­mo que fi­cou pa­ra a His­tó­ria co­mo Whi­te Al­bum só po­de­ria ser con­ce­bi­do co­mo res­pos­ta qua­se anár­qui­ca e al­ta­men­te frag­men­tá­ria à mú­si­ca dos Be­a­tles. Es­se ca­rác­ter frag­men­tá­rio é es­pe­ci­al­men­te cu­ri­o­so quan­do a gé­ne­se da mai­or par­te dos te­mas cons­tan­tes em Whi­te Al­bum é pro­ve­ni­en­te da vi­a­gem à Ín­dia que os qua­tro (en­qua­dra­dos num gru­po mai­or, de que fa­zi­am par­te Mia Far­row ou Do­no­van) re­a­li­za­ram em con­jun­to, cor­ren­do atrás do Maha­rishi Mahesh Yo­gi e dos seus en­si­na­men­tos de me­di­ta­ção trans­cen­den­tal. No en­tan­to, de­pois des­sa es­ta­da em Rishi­kesh, no regresso a In­gla­ter­ra a en­tra­da em es­tú­dio, co­mo des­cre­ve a re­vis­ta Mo­jo, tes­te­mu­nha­ria “os fab four a trans­for­ma­rem-se em four fabs”.

Ou se­ja, du­ran­te cin­co me­ses, os Be­a­tles ha­bi­ta­ram em Ab­bey Ro­ad, ocu­pan­do três es­tú­di­os em si­mul­tâ­neo que ope­ra­vam de for­ma au­tó­no­ma, tra­ba­lhan­do num am­plo con­jun­to de trin­ta can­ções que eram re­ve­la­do­ras, co­mo nun­ca an­tes, das di­fe­ren­tes per­so­na­li­da­des dos três mu­ni­ci­a­do­res de re­por­tó­rio do gru- po — McCart­ney, Len­non e Ge­or­ge Har­ri­son. Mas nes­te es­pec­tro tão alar­ga­do de can­ções, que vão do pu­ro rock’n’roll à mú­si­ca coun­try, do ex­pe­ri­men­ta­lis­mo mais ra­di­cal à pop mais xa­ro­po­sa, ca­da um dos au­to­res re­ve­la-se em fa­ce­tas que po­dem ser qua­se an­ta­gó­ni­cas. Iso­le­mos por mo­men­tos Paul McCart­ney e oi­ça­mos um com­po­si­tor que, no in­te­ri­or de Whi­te Al­bum, é ca­paz da de­li­ca­de­za acús­ti­ca de Black­bird e do ar­re­ba­ta­men­to roc­kei­ro que é Hel­ter Skel­ter, a su­pos­ta can­ção mais rui­do­sa re­gis­ta­da até àque­la da­ta, nas­ci­da da ciu­mei­ra que to­mou con­ta do mú­si­co ao ler de­cla­ra­ções de Pe­te Townshend em que es­te di­zia que ti­nha com­pos­to a can­ção “mais su­ja e ba­ru­lhen­ta de sem­pre”.

Pa­ra mui­tos, a dis­per­são fi­xa­da em Whi­te Al­bum é es­pe­lho do des­nor­te que se ins­ta­lou no gru­po após a mor­te de Bri­an Eps­tein, o seu ma­na­ger de sem­pre, em 1967. Mas ha­via to­do um ce­ná­rio de tem­pes­ta­de per­fei­ta à vol­ta dos Be­a­tles: o de­sa­pa­re­ci­men­to de Eps­tein, a ero­são das re­la­ções en­tre os qua­tro, os ca­sa­men­tos de McCart­ney e de Len­non com a cor­da ao pes­co­ço, o aban­do­no tem­po­rá­rio das ses­sões de es­tú­dio do “quin­to Be­a­tle”, o pro­du­tor Ge­or­ge Mar­tin, de­ses­pe­ra­do com as grava­ções que de­cor­ri­am em pa­ra­le­lo, a au­to-ex­clu­são de Rin­go Starr que, du­ran­te um par de se­ma­nas, se des­pe­diu do gru­po. Whi­te Al­bum pa­re­cia, as­sim, do-

Faz 50 anos o ál­bum me­nos or­dei­ro dos Be­a­tles. É re­e­di­ta­do es­ta sex­ta-fei­ra e vol­ta a co­lo­car-nos di­an­te de um dis­co que po­de sal­var mú­si­cos — que o di­gam Jo­a­na Bar­ra Vaz, Miguel Araújo, Do­min­gos Coimbra ou Nu­no Ro­dri­gues.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.