“É vis­ce­ral, é re­al, são pes­so­as nu­ma sa­la a fa­zer ba­ru­lho”

Publico - Ipsilon - - Primeira Página -

Gi­les Mar­tin, fi­lho de Ge­or­ge Mar­tin, o pro­du­tor dos Be­a­tles, foi o res­pon­sá­vel pe­la edi­ção dos 50 anos do Whi­te Al­bum.

Por Mário Lo­pes

Edi­ta­do em 1968, o Whi­te Al­bum é dos mais de­ba­ti­dos da dis­co­gra­fia dos Be­a­tles, cul­pa da sua ex­ten­são (30 can­ções em dois LP) e de uma abran­gên­cia es­té­ti­ca que mui­tos de­fen­dem co­mo in­tri­gan­te, que ou­tros vêm co­mo frus­tran­te. 50 anos pas­sa­dos, é um exer­cí­cio fú­til, es­se de ima­gi­ná-lo or­de­na­do, am­pu­ta­do dos seus so­bres­sal­tos e va­ri­a­ções de hu­mor, train­do as­sim a sua exis­tên­cia en­quan­to pal­co pa­ra que John Len­non, Paul McCart­ney, Ge­or­ge Har­ri­son e Rin­go Starr se ex­pres­sas­sem sem cons­tran­gi­men­tos, es­pe­lhos de si mes­mos e re­flec­to­res do mun­do. É uma obra con­tra­di­tó­ria? Cer­ta­men­te e é par­te do seu char­me. “O que o Whi­te Al­bum ce­le­bra e o que ten­tá­mos pre­ser­var na [no­va] mis­tu­ra não foi o mun­do anó­di­no e per­fei­to a que ten­de­mos a con­for­mar-nos. É vis­ce­ral, é re­al, são pes­so­as nu­ma sa­la a fa­zer ba­ru­lho.É por is­so que se tor­nou in­flu­en­te. Por ha­ver tan­ta mú­si­ca pa­ra gos­tar, cer­ta­men­te, mas tam­bém por ser tão hu­ma­no”. As pa­la­vras são de Gi­les Mar­tin, fi­lho de Ge­or­ge Mar­tin e res­pon­sá­vel, com Sam Okell, pe­la no­va mis­tu­ra, comemorativa dos 50 anos do ál­bum. O ano pas­sa­do, a du­pla foi res­pon­sá­vel pe­lo mes­mo tra­ba­lho em Sgt. Pep­per’s Lo­nely He­arts Club Band e, tal co­mo nes­sa oca­sião, não es­ta­mos pe­ran­te sim­ples re­e­di­ção. É coi­sa de fô­le­go. O Whi­te Al­bum­de vol­ta em qua­tro for­ma­tos: a edi­ção stan­dard, em CD e LP, com as no­vas mis­tu­ras do ori­gi­nal; a edi­ção BluRay, on­de se in­clui a mis­tu­ra ori­gi­nal em mo­no; a edi­ção De­lu­xe, em CD e LP, composta de três dis­cos (ao ál­bum jun­tam-se as Esher De­mos re­gis­ta­das em Maio de 1968, pre­vi­a­men­te pre­vi­am à gra­va­ção, na ca­sa de cam­po de Ge­or­ge Har­ri­son no Sur­rey); Sur­rey e a edi­ção Su­per-de­lu­xe, composta com­po por seis CD, que acres­cen­ta acres­ce ao ali­nha­men­to do ál­bum e às 27 fai­xas das Esher De­mos, 50 ta­kes al­ter­na­ti­vos — descobre-se des­cob que a in­cen­diá­ria

Hel­ter Skel­ter S che­gou a ser um blu­es-rock blue de 12 mi­nu­tos, ou­ve­se o tra­ba­lho ini­ci­al em Hey Ju­de ou Let it be e cons­ta­ta-se a lu­ta tra­va­da tr pa­ra che­gar às versões fi­nais f ( Sexy Sa­die exi­giu 107 ta­kes t até John Len­non a dar por con­cluí­da).

“[Os Be­a­tles] cri­a­ram o Whi­te Al­bum no es­tú­dio. É um ál­bum me­nos pre­pa­ra­do que Sgt. Pep­per’s. Hou­ve, por­tan­to, mui­to mais ma­te­ri­al [pa­ra tra­ba­lhar]”, ex­pli­ca Gi­les. De­pois do tra­ba­lho no in­trin­ca­do Sgt. Pep­per’s, jul­ga­va vir a en­con­trar em Whi­te Al­bum um de­sa­fio me­nos exigente, mas foi sur­pre­en­di­do. “Jul­guei que fos­se bas­tan­te fá­cil de mis­tu­rar, por­que é um ál­bum de ban­da e não um dis­co de al­ta-fi­de­li­da­de co­mo o Sgt. Pep­per’s, mas o cu­ri­o­so é que se ten­tar­mos tra­ba­lhá-lo co­mo um dis­co mo­der­no, perde o seu char­me e a sua fúria. É um ál­bum zan­ga­do”. É re­al­men­te. E tam­bém bem-hu­mo­ra­do e me­lan­có­li­co, in­ten­so e re­con­for­tan­te, nos­tál­gi­co e fu­tu­ris­ta, con­ser­va­dor e van­guar­dis­ta.

A gé­ne­se en­con­tra-se num re­ti­ro de me­di­ta­ção trans­cen­den­tal em Rishi­kesh, Ín­dia. Ali nas­ce­ram vá­ri­as das can­ções que se­ri­am de­pois tra­ba­lha­das em In­gla­ter­ra, ali en­con­tra­ram os Be­a­tles per­so­na­gens que as ins­pi­ra­ram — Pru­den­ce, ir­mã de Mia Far­row, a ori­gi­nar De­ar Pru­den­ce, o Maha­rishi a ser al­vo de es­cár­nio em Sexy Sa­die, um mag­na­ta ame­ri­ca­no que al­ter­na­va a as­cen­são espiritual com es­ca­pa­de­las pa­ra ca­çar ti­gres a con­du­zir a Bun­ga­low Bill.

No li­vro The Be­a­tles Antho­logy, his­tó­ria da ban­da con­ta­da pe­los seus qua­tro ele­men­tos, Len­non re­cor­da: “O cu­ri­o­so des­se re­ti­ro é que, ape­sar de ser mui­to bo­ni­to, e de eu es­tar a me­di­tar cer­ca de oi­to ho­ras por dia, es­ta­va a com­por as can­ções mais mi­se­rá­veis à fa­ce da Ter­ra. Em Yer blu­es, quan­do es­cre­vi, ‘ I’m so lo­nely I want to die’, não es­ta­va a brin­car. Era as­sim que me sen­tia. Ali em ci­ma a ten­tar en­con­trar Deus e a sen­tir ten­dên­ci­as sui­ci­das”.

A mi­to­lo­gia fa­la de um dis­co mar­ca­do pe­las ten­sões que re­sul­ta­ri­am, dois anos de­pois, no fim da ban­da. Pe­la pri­mei­ra vez, os Be­a­tles tra­ba­lha­ram em se­pa­ra­do, com McCart­ney a trau­te­ar

Black­bird num es­tú­dio, Ge­or­ge Har­ri­son apri­mo­ran­do Long long long nou­tro, Len­non num ter­cei­ro a fa­zer em Julia a ele­gia da mãe que lhe mor­re­ra na ado­les­cên­cia e Rin­go Starr a de­sa­pa­re­cer por sen­tir que já não era nem ne­ces­sá­rio, nem qu­e­ri­do. Ou­tro fo­co de ten­são te­rá si­do a pre­sen­ça cons­tan­te, si­len­ci­o­sa, es­fín­gi­ca, de Yo­ko Ono ao la­do de Len­non.

Gi­les Mar­tin não en­con­trou si­nais que con­fir­mas­sem a mi­to­lo­gia nas ho­ras que, atra­vés das fi­tas, pas­sou com os Be­a­tles no es­tú­dio. “Ten­do em con­ta o que ou­ço nas fi­tas, pa­re­cem-me fe­li­zes. Em 1967, ter­mi­na­ram a sua úl­ti­ma di­gres­são, re­gres­sa­ram a gra­va­ram Sgt. Pep­per’s. No Whi­te Al­bum aque­le pe­río­do em es­tú­dio foi o tem­po que ti­ve­ram pa­ra es­tar uns com os ou­tros. Já não ti­nham o [ma­na­ger] Bri­an Eps­tein [que mor­re­ra em 1967] a or­ga­ni­zar-lhes a vi­da e es­ta­vam a ha­bi­tu­ar-se a não es­ta­rem sem­pre jun­tos”. Se­gun­do Gi­les, a ten­são ma­ni­fes­ta­va-se, não en­tre a ban­da, mas pe­ran­te Ge­or­ge Mar­tin ou o en­ge­nhei­ro de som Ge­off Eme­rick (que mor­reu a 3 de Ou­tu­bro, aos 72 anos, se­ma­nas de­pois de Gi­les Mar­tin fa­lar ao Íp­si­lon). “O Ge­off aban­do­nou a meio as ses­sões e o meu pai de­ci­diu ir de fé­ri­as, já não aguen­ta­va”. Nes­se sen­ti­do, foi um ál­bum de eman­ci­pa­ção pa­ra os Be­a­tles. “Que­ri­am ser eles pró­pri­os a ava­li­ar o que es­ta­vam a cri­ar e não se­rem ava­li­a­dos por ou­tros. Ou­ve-se is­so nas fi­tas em con­ver­sas’”. Cin­co me­ses de­pois de en­tra­rem em es­tú­dio, ti­nham pre­pa­ra­das 30 can­ções pa­ra um du­plo ál­bum. Um dis­co tu­mul­tu­o­so pa­ra um ano tu­mul­tu­o­so, com o Vi­et­na­me, o Maio de 68 em Fran­ça, tan­ques so­vié­ti­cos em Pra­ga, Ro­bert Ken­nedy as­sas­si­na­do em Los An­ge­les e Eno­ch Powell, que in­te­gra­va en­tão o go­ver­no som­bra dos Con­ser­va­do­res bri­tâ­ni­cos, a pro­fe­rir o odi­o­so dis­cur­so dos “ri­os de san­gue” que cor­re­ri­am pe­la Ve­lha Al­bi­on se não fos­se tra­va­da a imi­gra­ção vin­da das an­ti­gas co­ló­ni­as bri­tâ­ni­cas.

Acre­di­tan­do na mi­to­lo­gia ou con­fi­an­do nos ou­vi­dos de Gi­les Mar­tin, Whi­te Al­bum mar­ca o iní­cio do fim. Ten­do is­so em pers­pec­ti­va, as Esher De­mos ago­ra re­ve­la­das na to­ta­li­da­de ga­nham um atrac­ti­vo es­pe­ci­al. “An­da­va a ou­vir as fi­tas do Whi­te Al­bum pa­ra ten­tar des­co­brir o ali­cer­ces das can­ções e, de re­pen­te, che­gam aque­las de­mos. Foi co­mo pe­gar nu­ma va­ri­nha má­gi­ca: ‘Tcha­ram!’. Es­ta­va ali tu­do”. Ou­vi­mos as vo­zes e as gui­tar­ras acús­ti­cas que eco­a­ram na ca­sa de Har­ri­son em Maio de 1968. Ou­vi­mos as can­ções, não só as do ál­bum ago­ra re­e­di­ta­do, mas tam­bém uma Child of na­tu­re que Len­non trans­for­ma­ria em Je­a­lous guy, Junk, que McCart­ney edi­tou no pri­mei­ro ál­bum a so­lo, Sour milk sea, que Har­ri­son ofe­re­ceu a Jac­kie Lo­max, ou Me­an Mr. Mus­tard e Polythe­ne Pam, que os Be­a­tles edi­ta­ri­am em Ab­bey Ro­ad. Ou­vi­mos os que can­tam e to­cam, ou­vi­mos os que fa­lam em fun­do, a mú­si­ca a jor­rar na­que­le am­bi­en­te des­con­traí­do, fe­liz. A fas­ci­nan­te tur­bu­lên­cia (e ter­nu­ra e rai­va e iro­nia e me­lan­co­lia) de Whi­te Al­bum che­ga­ria pou­co de­pois, nos es­tú­di­os que ha­vi­am si­do sem­pre os seus, mas on­de já na­da se­ria co­mo an­tes.

Gi­les Mar­tin (à di­rei­ta), fi­lho do len­dá­rio pro­du­tor dos Be­a­tles, Ge­or­ge Mar­tin (em ci­ma), e res­pon­sá­vel, com Sam Okell, pe­la no­va mis­tu­ra, comemorativa dos 50 anos do ál­bum

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.