“Es­tes cor­pos fo­ra da (he­te­ro)norma já são re­sis­tên­cia des­de sem­pre”

Publico - Ipsilon - - Primeira Página -

Com Bol­so­na­ro no po­der, diz Ta­les Frey, cu­ra­dor, os ar­tis­tas te­rão de “op­tar pe­lo dis­cur­so mais me­ta­fó­ri­co pa­ra dri­blar uma vi­o­len­ta ti­ra­nia”.

Oar­tis­ta, per­for­mer e crí­ti­co de ar­te Ta­les Frey, cu­ra­dor de Ador­no Po­lí­ti­co, fa­la so­bre os ar­tis­tas e cor­pos fo­ra das nor­mas que con­vi­vem na ex­po­si­ção.

Qual é a abor­da­gem ar­tís­ti­co-po­lí­ti­ca ad­ja­cen­te à cu­ra­do­ria des­ta ex­po­si­ção? Ador­no Po­lí­ti­co tem uma re­la­ção di­rec­ta com a mi­nha te­se de dou­to­ra­men­to de­sen­vol­vi­da na Uni­ver­si­da­de de Coimbra e de­fen­di­da em 2016, por meio da qual re­flec­ti so­bre a mo­bi­li­za­ção do cor­po em prá­ti­cas per­for­ma­ti­vas e ri­tu­a­lís­ti­cas que se ar­ti­cu­las­sem com a mo­da e a re­li­gi­o­si­da­de. A per­for­man­ce ea body art es­tão pre­sen­tes nos tra­ba­lhos que de­sen­vol­vo e nos que me in­te­res­sam em ar­te. Com Da Ma­ta, o meu par­cei­ro de vi­da e ar­te, com quem man­te­nho a eRe­vis­ta Per­for­ma­tus, re­a­li­zei even­tos re­la­ci­o­na­dos com a per­for­man­ce, co­mo a Mos­tra Per­for­ma­tus #1 na Cen­tral Ga­le­ria de Ar­te em São Pau­lo e a Mos­tra Per­for­ma­tus #2 no SESC San­tos, além da ex­po­si­ção Tra­ba­lha-do­res do Cu no Maus Há­bi­tos, Por­to, em 2015. Pro­pu­se­mos pen­sar o cor­po co­mo sig­no de mi­cro­po­lí­ti­cas va­ri­a­das e Ador­no Po­lí­ti­co é um des­do­bra­men­to dos pro­jec­tos an­te­ri­o­res.

Em re­la­ção aos ar­tis­tas es­co­lhi­dos, o que os une, o que os di­fe­ren­cia?

O tí­tu­lo da ex­po­si­ção não é na­da me­ta­fó­ri­co. O elo en­tre um(a) ar­tis­ta e ou­tro(a) é a ma­nei­ra co­mo os seus cor­pos se re­la­ci­o­nam com ador­nos ou in­du­men­tos sob a es­tra­té­gia de cri­a­rem versões ou sub­ver­sões, sob o an­seio de ofe­re­ce­rem po­si­ci­o­na­men­tos crí­ti­cos a quem aces­sa ca­da uma das obras. To­das as obras re­a­va­li­am o cor­po ta­xa­do por be­lo atra­vés da iro­nia ou da su­pe­rex­po­si­ção de uma norma vi­gen­te co­di­fi­ca­da, e to­das elas pon­de­ram so­bre o que o sis­te­ma he­ge­mó­ni­co es­ti­mu­la pa­ra ser con­su­mi­do. Al­gu­mas e al­guns ar­tis­tas de­to­nam a tão ul­tra­pas­sa­da he­te­ro­nor­ma­ti­vi­da­de com­pul­só­ria, co­mo é o ca­so da Lyz Pa­ray­zo, da Él­le de Ber­nar­di­ni e Rafael Bque­er, ou­tras e ou­tros os pre­con­cei­tos ra­ci­ais (Ti­a­go Sant’Ana e Su­e­len Ca­lon­ga), en­quan­to Pris­cil­la Da­van­zo, An­dré e Le­tí­cia Pa­ren­te, Gal Op­pi­do, Mar­ce­la Ti­bo­ni e Jo­a­na Bueno iro­ni­zam os pa­drões de be­le­za. Le­no­ra de Bar­ros, Ni­no Cais e Re­nan Mar­con­des pro­põem al­ter­na­ti­vas mais poé­ti­cas, mas sem dei­xa­rem de lan­çar crí­ti­cas in­ci­si­vas re­la­ci­o­na­das com o apri­si­o­na­men­to dos cor­pos. Já em An­dres­sa Can­ter­gi­a­ni, per­ce­be­mos uma su­ges­tão mais utó­pi­ca de har­mo­ni­za­ção do seu cor­po com o mun­do e, as­sim, com as diferenças. Com Jair Bol­so­na­ro elei­to pre­si­den­te do Bra­sil, con­si­de­ra que Ador­no Po­lí­ti­co ga­nha uma dimensão de re­sis­tên­cia ain­da mais for­te?

O fu­tu­ro é in­cer­to e, no ca­so do Bra­sil, es­pe­ro que se­ja me­nos ter­rí­vel do que tu­do o que já foi anun­ci­a­do pe­lo pró­prio Bol­so­na­ro ao pro­fe­rir o seu ódio con­tra tu­do o que não é mo­do de vi­da he­ge­mó­ni­co, en­co­ra­jan­do pes­so­as à in­to­le­rân­cia. Es­tes cor­pos fo­ra da (he­te­ro) norma e da cis­nor­ma­ti­vi­da­de já são re­sis­tên­cia des­de sem­pre. Com um go­ver­no fascista pe­la fren­te, te­mos que for­ta­le­cer ain­da mais es­sa re­sis­tên­cia e não te­nho dú­vi­das de que is­so irá acon­te­cer. Na fa­se de ela­bo­ra­ção do pro­jec­to, pen­sei que fa­zer a ex­po­si­ção do ou­tro la­do do oce­a­no, num país com um pou­co mais de li­ber­da­de, pu­des­se ser uma for­ma de de­nun­ci­ar a ab­sur­di­da­de que já pre­via acon­te­cer no Bra­sil, mas já não sei se is­so faz sen­ti­do de­pois de ver que em Por­tu­gal tam­bém as­sis­ti­mos a ac­tos hor­ro­ro­sos de cen­su­ra — bas­ta pen­sar­mos no ca­so da ex­po­si­ção do Ro­bert Map­plethor­pe em Ser­ral­ves pa­ra en­ten­der­mos que não há o li­vre-ar­bí­trio que pen­sá­va­mos exis­tir. Ima­gi­no que, da­qui pa­ra fren­te, quem es­ti­ver a pro­du­zir ar­te no Bra­sil te­rá de op­tar pe­lo dis­cur­so mais me­ta­fó­ri­co pa­ra dri­blar uma vi­o­len­ta ti­ra­nia. M.D.

Em ci­ma, Él­le de Ber­nar­di­ni. “To­das as obras da ex­po­si­ção pon­de­ram so­bre o que o sis­te­ma he­ge­mó­ni­co es­ti­mu­la pa­ra ser con­su­mi­do”, diz Ta­les Frey (em bai­xo), cu­ra­dor da ex­po­si­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.