To de go­la?

Publico - Ipsilon - - Primeira Página -

ele che­gou, pas­sou umas ho­ras co­mi­go e foi-se em­bo­ra no mes­mo dia. Não dor­miu con­nos­co. Nós es­tá­va­mos pra­ti­ca­men­te em com­ba­te”, con­ta ao PÚ­BLI­CO Joaquim António Far­rus­co, ho­je ge­ne­ral das For­ças Ar­ma­das an­go­la­nas, num por­tu­guês ain­da mar­ca­do pe­lo so­ta­que alen­te­ja­no. “Três ou qua­tro di­as de­pois fui fe­ri­do. O Ri­car­do sou­be. Quan­do che­gou a Benguela, al­guém lhe dis­se: ‘O Far­rus­co foi fe­ri­do em com­ba­te, es­tá no hos­pi­tal a mor­rer.’ A par­tir daí, o Ri­car­do não sou­be mais na­da de nós e nun­ca mais veio a An­go­la.”

Em 2000, ain­da a guer­ra ci­vil não ti­nha aca­ba­do, Ka­pus­cins­ki re­gres­sa a Mais Um Dia de Vi­da — dos qua­se 20 li­vros que es­cre­veu, o seu fa­vo­ri­to — e acres­cen­ta-lhe um ca­pí­tu­lo. É aí que se lê: “Vol­to em pen­sa­men­to àque­les que co­nhe­ci na­que­la épo­ca. O que se­rá fei­to de­les? [Do] for­te, en­tron­ca­do, co­ra­jo­so Far­rus­co? Mes­mo que te­nha so­bre­vi­vi­do, se­ria de­ma­si­a­do ve­lho pa­ra es­tar ago­ra nas trin­chei­ras. Lem­bro-me de ele di­zer que lhe ti­nha aca­ba­do de nas­cer um fi­lho. Por is­so, se eu en­con­tras­se um jo­vem ofi­ci­al na fren­te an­go­la­na ago­ra, lhe per­gun­tas­se o no­me e ou­vis­se que era Far­rus­co, res­pon­de­ria: Há anos, an­dei num ji­pe com al­guém que ti­nha o mes­mo ape­li­do. Sim, di­ria o jo­vem ofi­ci­al, era o meu pai.”

Far­rus­co vi­ve há qua­se meio sé­cu­lo em An­go­la e ago­ra es­tá aqui, nes­te lu­gar im­pro­vá­vel — o ca­fé do ci­ne­ma Ide­al, no Chi­a­do, em Lis­boa — por cau­sa de Ka­pus­cins­ki. Ou­tra vez.

Uma mi­na de ou­ro

Em 2008, foi en­tre­vis­ta­do por Ar­tur Do­mos­laws­ki, au­tor da con­tro­ver­sa bi­o­gra­fia Ka­pus­cins­ki, Uma Vi­da, que a As­sí­rio & Al­vim aca­ba de lan­çar em Por­tu­gal, na qual o au­tor, seu an­ti­go co­le­ga e ami­go, dá voz aos crí­ti­cos que acu­sam Ka­pus­cins­ki de exa­ge­rar a re­a­li­da­de. Ago­ra, es­tá em Lis­boa a con­vi­te do realizador de do­cu­men­tá­ri­os es­pa­nhol Raúl de la Fu­en­te. Fã de Ka­pus­cins­ki des­de a ado­les­cên­cia, De la Fu­en­te pe­gou em Mais Um Dia de Vi­da e fez um fil­me com o mes­mo no­me, que es­tre­ou es­ta quin­ta-fei­ra em Por­tu­gal. Com Amaia Re­mi­rez, sua mu­lher e pro­du­to­ra de mui­tos dos seus fil­mes, De la Fu­en­te foi a An­go­la à pro­cu­ra dos ami­gos do fa­mo­so re­pór­ter. Pa­ra além de Far­rus­co, en­con­trou Luís Al­ber­to e Ar­tur Qu­ei­roz, jor­na­lis­tas que em 1975 o acom­pa­nha­ram na vi­a­gem à fren­te sul da guer­ra.

“Pa­ra mim, es­te li­vro era uma mi- na de ou­ro”, diz o realizador es­pa­nhol ao Íp­si­lon. “Guer­ra Fria, cu­ba­nos, sul-afri­ca­nos, apartheid, fim do co­lo­ni­a­lis­mo, Kis­sin­ger, CIA, Fi­del, Agos­ti­nho Ne­to... Mais fi­gu­ras icó­ni­cas an­go­la­nas co­mo o Far­rus­co e a guer­ri­lhei­ra Car­lo­ta. E o pró­prio Ka­pus­cins­ki, que ar­ris­cou a vi­da pa­ra con­tar es­ta his­tó­ria. Era im­pos­sí­vel re­sis­tir a fa­zer um fil­me.”

De la Fu­en­te, um bas­co de 44 anos, fa­la de ra­ja­da. Sem ti­rar o cha­péu de fel­tro, o ge­ne­ral Far­rus­co ou­ve-o, aten­to. Ima­gi­nou mui­tas coi­sas na vi­da, mas não que se­ria um he­rói ani­ma­do. De la Fu­en­te pros­se­gue: “Sen­ti que em An­go­la era tu­do ci­ne­ma­to­grá­fi­co. Ha­via mui­ta ac­ção, gran­des com­ba­tes, uma che­ga­da à úl­ti­ma ho­ra das tro­pas cu­ba­nas, uma in­va­são sul-afri­ca­na e, no sul, um co­man­dan­te iso­la­do a di­zer a Ka­pus­cins­ki: ‘Se che­ga­res a Lu­an­da, diz-lhes o que se es­tá a pas­sar aqui e que eu pre­ci­so de aju­da, de ar­mas e de ho­mens.’ Tu­do sequên­ci­as in­crí­veis pa­ra um fil­me de ac­ção e de aven­tu­ras, um fil­me de guer­ra ba­se­a­do em fac­tos re­ais e com a par­ti­ci­pa­ção de so­bre­vi­ven­tes.”

Não foi pre­ci­so mui­to tem­po pa­ra De la Fu­en­te per­ce­ber que a lin­gua­gem re­a­lis­ta do do­cu­men­tá­rio não ia che­gar-lhe. Au­tor de Virgem Ne­gra (2011), Mi­ne­ri­ta (2013) e I am Hai­ti (2014), to­dos do­cu­men­tá­ri­os clás­si­cos, “ti­nha von­ta­de de mu­dar”, “cri­ar uma coi­sa no­va”, “fa­zer uma coi­sa es­pe­ci­al”. Re­su­me as­sim a sua in­ten­ção: “Que­ria co­lo­car o es­pec­ta­dor co­mo co-pi­lo­to de Ka­pus­cincs­ki. Sen­ti que a ani­ma­ção me da­va a li­ber­da­de cri­a­ti­va pa­ra mu­dar coi­sas, mos­trar os ata­ques e os bom­bar­de­a­men­tos e, ao mes­mo tem­po, en­trar na ca­be­ça de Ka­pus­cincs­ki, con­tar os seus me­dos e an­gús­ti­as, os seus sen­ti­men­tos de cul­pa e emo­ções.”

O re­sul­ta­do é um hí­bri­do que com­bi­na a ani­ma­ção de Da­mi­an Ne­now com en­tre­vis­tas aos ami­gos angolanos de Ka­pus­cins­ki e ima­gens re­ais de An­go­la ho­je e em 1975, e al­gu­mas fo­to­gra­fi­as que o pró­prio Ka­pus­cins­ki ti­rou — co­mo os re­tra­tos de Car­lo­ta na pon­te no rio Ba­lom­bo, pou­co an­tes de a jo­vem guer­ri­lhei­ra de 19 anos mor­rer em com­ba­te (os vídeos da Car­lo­ta re­al são de Luís Al­ber­to, que na al­tu­ra tra­ba­lha­va pa­ra a RTP e acom­pa­nhou Ka­pus­cins­ki com uma câ­ma­ra de fil­mar — an­dou à pro­cu­ra e ain­da ti­nha a bo­bi­ne des­sa vi­a­gem). “As ani­ma­ções são mui­to re­a­lis­tas por­que pri­mei­ro fil­má­mos com ac- to­res e fi­ze­mos cap­tu­ra de mo­vi­men­to. Daí o lo­ok de no­ve­la grá­fi­ca”, diz o realizador.

Quan­do per­ce­beu que o fil­me se­ria ani­ma­do, o ge­ne­ral Far­ru­co não sen­tiu “nem me­do, nem sur­pre­sa”. “Só ex­pec­ta­ti­va.” O não gos­tou foi de “ver tan­to Far­rus­co”. Não que­ria pro­ta­go­nis­mo e, no iní­cio, não quis se­quer ser en­tre­vis­ta­do. Fo­ram pre­ci­sos qua­tro anos pa­ra o con­ven­cer.

A “ca­cha” an­go­la­na

Em Ou­tu­bro de 1975, quan­do Ka­pus­cins­ki lhe apa­re­ce no quar­tel-ge­ne­ral de Pe­rei­ra d’Eça, mon­ta­do na an­ti­ga es­ta­la­gem Cis­ne Ne­gro (“Ar Con­di­ci­o­na­do — Co­mi­da Ca­sei­ra — Es­pla­na­da — Pre­ços Aces­sí­veis”, di­zia o anún­cio), Far­rus­co já era uma len­da. Con­quis­ta­ra Lu­ban­go com pou­cos ho­mens, cap­tu­ra­ra Pe­rei­ra d’Eça com me­nos ain­da, dis­pa­ra­ra mor­tei­ros sem ba­se, se­gu­ran­do os ca­nos a ferver com as mãos nu­as. Fi­lho de agri­cul­to­res de Mo­ra, Joaquim Far­rus­co che­gou a An­go­la co­mo co­man­do das for­ças de eli­te do Es­ta­do No­vo pa­ra com­ba­ter con­tra os angolanos. No fim da co­mis­são, fi­cou. Ti­nha 27 anos e tra­ba­lha­va há três co­mo me­câ­ni­co de au­to­mó­veis quan­do foi à se­de do quar­tel-ge­ral do MPLA de Lu­ban­go e dis­se: “Eu

Quan­do che­gou à fren­te sul da guer­ra de An­go­la, Rys­zard Ka­pus­cins­ki apre­sen­tou-se co­mo “Ri­car­do”. Num lu­gar on­de o mais pro­vá­vel é es­ta­rem to­dos mortos no dia se­guin­te, era inú­til per­der tem­po com um es­tra­nho no­me po­la­co

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.