Na li­nha da fron­tei­ra

Publico - Ipsilon - - Primeira Página -

Um hí­bri­do não-fic­ci­o­nal de ani­ma­ção

e do­cu­men­tá­rio que trans­põe pa­ra o écrã

o es­pí­ri­to de Rys­zard Ka­pus­cins­ki.

Jor­ge Mou­ri­nha

Co­mo é que se faz jus­ti­ça no gran­de écrã à es­cri­ta li­te­rá­ria de um re­pór­ter co­mo Rys­zard Ka­pus­cins­ki? A so­lu­ção en­con­tra­da pe­lo es­pa­nhol Raúl de la Fu­en­te e pe­lo po­la­co Da­mi­an Ne­now é o trun­fo des­ta adap­ta­ção do li­vro que Ka­pus­cins­ki es­cre­veu so­bre a guer­ra ci­vil em An­go­la em 1975. Tra­ta-se de com­bi­nar uma nar­ra­ti­va con­ta­da em ani­ma­ção com uma ver­ten­te de do­cu­men­tá­rio tra­di­ci­o­nal, in­ter­ca­lan­do pe­las sequên­ci­as ani­ma­das ima­gens de épo­ca e en­tre­vis­tas con­tem­po­râ­ne­as.

Ape­sar das com­pa­ra­ções que ine­vi­ta­vel­men­te têm si­do fei­tas, Mais um Dia de Vi­da não é ou­tra Val­sa com Bashir. O fil­me de Ari Fol­man era uma me­mó­ria das ex­pe­ri­ên­ci­as do seu realizador, in­tei­ra­men­te fei­ta em ani­ma­ção; aqui, te­mos li­te­ral­men­te ou­tra coi­sa, um hí­bri­do que assume por in­tei­ro a sua lo­ca­li­za­ção nas fron­tei­ras, nem fic­ção nem não­fic­ção, nem ani­ma­ção nem ima­gem re­al, mas tu­do is­so e em to­dos es­ses la­dos ao mes­mo tem­po. Es­sa di­lui­ção tem o enor­me mé­ri­to de con­se­guir trans­por pa­ra o écrã a vi­são de Ka­pus­cins­ki, fa­zer-nos ver os even­tos pe­los olhos do re­pór­ter que, na sua bus­ca do ine­vi­tá­vel “fu­ro” jor­na­lís­ti­co, não con­se­gue pôr de la­do a sua hu­ma­ni­da­de e a sua per­so­na­li­da­de. Ser jor­na­lis­ta não é ape­nas ob­ser­var e trans­mi­tir; é tam­bém fa­zer as li­ga­ções, ar­ti­cu­lar os pon­tos, per­ce­ber co­mo tu­do se ins­cre­ve na big pic­tu­re, na Gran­de His­tó­ria. Na for­ma es­co­lhi­da por De la Fu­en­te e Ne­now, a Gran­de His­tó­ria é o con­tex­to que as cenas do­cu­men­tais dão, as me­mó­ri­as de quem es­te­ve “nas trin­chei­ras” com Ka­pus­cins­ki e po­de con­fir­mar os por­me­no­res, e a “pe­que­na his­tó­ria” que lhe dá sen­ti­do são as vi­vên­ci­as do re­pór­ter du­ran­te es­tes di­as ti­tâ­ni­cos na cor­da bam­ba trans­for­ma­das em ani­ma­ção. Que são, aliás, os mo­men­tos mais ins­pi­ra­dos de Mais um Dia de Vi­da: uma cor­ren­te­za im­pa­rá­vel de ima­gens, co­res, olha­res, mo­vi­men­tos.

Mais um Dia de Vi­da não é um fil­me isen­to de de­fei­tos. Nun­ca te­mos ver­da­dei­ra­men­te a sen­sa­ção do pe­ri­go a que Ka­pus­cins­ki se ex­pu­nha ao par­tir em bus­ca do ge­ne­ral Far­rus­co (tal­vez por­que o pró­prio re­pór­ter não a ti­ves­se). A ban­da-so­no­ra de Mi­kel Sa­las é dis­pen­sá­vel quan­do não re­dun­dan­te. O tra­ba­lho de vo­zes (com to­das as per­so­na­gens a fa­lar um in­glês ma­car­ró­ni­co com so­ta­ques des­pro­po­si­ta­dos) é um “cal­ca­nhar de aqui­les” que só por mi­la­gre não dá ca­bo do fil­me. Mas o que fa­lha nes­ses por­me­no­res é mais do que com­pen­sa­do pe­la al­ma, pe­lo mo­do co­mo faz va­ler a men­sa­gem uni­ver­sa­lis­ta de Ka­pus­cins­ki sem pre­ci­sar de cair na pe­da­go­gia po­lí­ti­ca, res­pei­tan­do a ex­tra­or­di­ná­ria com­ple­xi­da­de da re­a­li­da­de. Mais um Dia de Vi­da pre­fe­re ser um fil­me vi­vo a ser um fil­me per­fei­to — e is­so dá-lhe um ou­tro élan.

Uma cor­ren­te­za im­pa­rá­vel de ima­gens, co­res, olha­res, mo­vi­men­tos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.