O es­cri­tor que tem pai­xão pe­las aves

Publico - Ipsilon - - Primeira Página -

Um con­jun­to de en­sai­os que va­le mais pe­las his­tó­ri­as con­ta­das do que pe­lo exer­cí­cio de in­tros­pec­ção pes­so­al. Jo­sé Ri­ço Di­rei­ti­nho

O Fim do Fim da Ter­ra Jonathan Fran­zen

(trad. de Fran­cis­co Aga­rez) D. Qui­xo­te O mais re­cen­te li­vro do nor­te­a­me­ri­ca­no Jonathan

Fran­zen (n. 1959) é uma co­lec­tâ­nea de textos a que ele cha­ma “en­sai­os” — for­ma que de­fi­ne co­mo al­go em que o au­tor “ar­ris­ca ten­do por ba­se a sua ex­pe­ri­ên­cia pes­so­al e a sua sub­jec­ti­vi­da­de”. Lo­go a abrir o li­vro ele dá con­ta que o jor­na­lis­mo, que era tra­di­ci­o­nal­men­te ri­go­ro­so, “amo­le­ceu” per­mi­tin­do que a voz do Eu, as su­as opi­niões e impressões, “ga­nhas­se a ri­bal­ta das pri­mei­ras pá­gi­nas”; que a fic­ção li­te­rá­ria se apro­xi­ma ca­da vez mais do en­saio (na for­ma co­mo Fran­zen o de­fi­ne) men­ci­o­nan­do au­to­res dos ro­man­ces mais in­flu­en­tes dos úl­ti­mos anos, co­mo Ra­chel Cusk e Karl Ove Knausgård. E num tex­to a meio do li­vro, ti­tu­la­do “Dez re­gras pa­ra o ro­man­cis­ta”, de­mar­ca-se des­tes au­to­res di­zen­do que o ro­man­cis­ta de­ve es­cre­ver sem­pre “na ter­cei­ra pes­soa, a me­nos que uma pri­mei­ra pes­soa ver­da­dei­ra­men­te di­fe­ren­ci­a­do­ra se te ofe­re­ça ir­re­sis­ti­vel­men­te”. Pa­ra Jonathan Fran­zen, o “en­saio” é aque­le tex­to que obri­ga o au­tor a con­fron­tar-se con­si­go mes­mo (co­mo se a fic­ção não o obri­gas­se tam­bém), e mais adi­an­te acres­cen­ta que uma das li­ções que apren­deu com Henry Fin­der, edi­tor da The New Yor­ker, foi que “qu­al­quer en­saio, mes­mo um tex­to de re­fle­xão, con­ta uma his­tó­ria”.

Ora, téc­ni­ca e li­te­ra­ri­a­men­te, a mai­o­ria des­tes textos de Fran­zen em na­da di­fe­rem dos textos ro­man­ce­a­dos dos au­to­res que re­fe­re, Ra­chel Cusk e Knausgård, o que lhes con­fe­re uma dimensão qua­se iró­ni­ca — nu­ma iro­nia que o pró­prio ten­ta dis­far­çar nas his­tó­ri­as que con­ta ao lei­tor ao cha­mar-lhe “en­sai­os” e não lhe dan­do o mes­mo es­ta­tu­to de “fic­ção li­te­rá­ria” que os re­fe­ri­dos au­to­res atri­bu­em aos seus. Da ve­ra­ci­da­de na pri­mei­ra pes­soa, ou não, dos textos dos três es­cri­to­res só os pró­pri­os po­dem ates­tar, o lei­tor não po­de, ou não sa­be, ve­ri­fi­car se es­tes es­tas his­tó­ri­as de Fran­zen obe­de­cem à re­gra nú­me­ro 6 do seu tex­to das re­gras pa­ra um ro­man­cis­ta, re­fe­ri­do aci­ma: “A fic­ção mais pu­ra­men­te au­to­bi­o­grá­fi­ca exi­ge pu­ra in­ven­ção.”

Pa­ra Jonathan Fran­zen, o “en­saio” é aque­le tex­to que obri­ga o au­tor a con­fron­tar-se con­si­go mes­mo

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.