“Sem co­lo­car a ca­be­ça na areia”

Record (Portugal) - - BOAVISTA BENIFICIA - ANTÓNIO MENDES

Trei­na­dor fa­lou de um bal­neá­rio tris­te e tam­bém de um gru­po on­de há “re­vol­ta e or­gu­lho”, pro­me­ten­do uma res­pos­ta à al­tu­ra de­pois da se­gun­da derrota consecutiva, até por­que “o te­tra não se per­de de um dia pa­ra o ou­tro” “FI­ZE­MOS UMA PRI­MEI­RA PAR­TE DE QUA­LI­DA­DE E PODÍAMOS TER CHE­GA­DO AO SE­GUN­DO GO­LO” “ES­TA­MOS TODOS TRISTES, MAS SA­BE­MOS DE QUE FI­BRA SO­MOS FEI­TOS. O TE­TRA NÃO SE PER­DE DE UM DIA PA­RA O OU­TRO” “OS MEUS JO­GA­DO­RES SÃO TE­TRA. CONTINUAMOS CÁ COM MUITA DETERMINAÇÃO E SA­BE­MOS QUE IS­TO NÃO VAI DURAR SEM­PRE” “O MO­MEN­TO É DE DERROTA, DIFÍCIL E QUE NÃO GOSTAMOS. ACEITAR IS­TO É O PRI­MEI­RO PASSO PA­RA A RECUPERAÇÃO” “ATENÇÃO QUE ‘FRANGO’ NÃO É EXPRESSÃO MINHA, QUE IS­SO FIQUE BEM ENTENDIDO. SOBRE IS­SO SÓ DIGO QUE QUAN­DO GANHAMOS, GANHAMOS TODOS E QUAN­DO PERDEMOS, PERDEMOS TODOS”

Como re­su­me es­ta­der­ro­ta?

– A equi­pa na pri­mei­ra par­te en­trou for­te, fez um go­lo e po­dia ter fei­to mais. Na se­gun­da, con­ti­nuá­mos iguais mas dois lan­ces for­tui­tos, dos que apa­re­cem nos jo­gos, aca­ba­ram por di­tar o re­sul­ta­do. An­tes dos go­los do Bo­a­vis­ta ti­ve­mos opor­tu­ni­da­des, fi­ze­mos uma pri­mei­ra par­te de qua­li­da­de e podíamos ter che­ga­do ao se­gun­do go­lo. Se is­so acon­te­ces­se, se ca­lhar es­ta­ría­mos ago­ra a fa­lar de uma for­ma di­fe­ren­te. Os go­los do Bo­a­vis­ta al­te­ra­ram mui­to o ca­riz da par­ti­da e o nos­so jogo foi mais com o co­ra­ção, mui­to mais com an­si­e­da­de. Mas ti­ve­mos, re­pi­to, mui­tas opor­tu­ni­da­des. Aca­ba por ser um re­sul­ta­do jus­to na me­di­da em que o Bo­a­vis­ta mar­cou dois go­los e nós um. Acon­te­ceu fu­te­bol...

–Como es­táo bal­neá­rio?

– Es­ta­mos todos tristes, como é ób­vio. Não foi o que que­ría­mos, mas sa­be­mos de que fi­bra so­mos fei­tos, é fun­da­men­tal per­ce­ber is­so acre­di­tan­do na qua­li­da­de que te­mos. O te­tra não se per­de de um dia pa­ra o ou­tro. Es­ta­mos de­ter­mi­na­dos e revoltados. Os meus jo­ga­do­res são te­tra, es­ta­mos e continuamos cá com muita determinação e sa­be­mos que is­to não vai durar sem­pre. A re­vol­ta e o or­gu­lho es­tão cá. Es­ta­mos a tra­ba­lhar com jo­ga­do­res te­tra­cam­peões e so­mos cam­peões nas vi­tó­ri­as, mas tam­bém nas der­ro­tas. Te­mos de en­ten­der e aceitar que é um mo­men­to que não que­ría­mos, mas não va­mos co­lo­car a ca­be­ça na areia.

–Que men­sa­gem­pa­ra­os adeptos? – É evi­den­te que es­te não era o re­sul­ta­do que que­ría­mos, nem pa­ra os adeptos que aqui es­ti­ve­ram e apoi­a­ram o Ben­fi­ca de for­ma in­can­sá­vel. Ti­ve­mos 45 mi­nu­tos de bom ní­vel e is­so nem sem­pre se con­se­gue em 90. Man­te­nho to­tal con­fi­an­ça nos meus jo­ga­do­res. O mo­men­to é de derrota, difícil e que não gostamos, mas aceitar is­to é o pri­mei­ro passo pa­ra a recuperação. Foi um jogo em que tra­ba­lhá­mos bem em mui­tos mo­men­tos, com fal­ta de cla­ri­vi­dên­cia nou­tros, mas o passo se­guin­te é es­tar­mos ca­da vez mais uni­dos. Cla­ro que pal­ma­di­nhas nas cos­tas é dar pas­sos er­ra­dos, mas en­ten­der is­to é o me­lhor ca­mi­nho.

–Como viu o ‘frango’ de Varela?

– Atenção que ‘frango’ não é ex- pres­são minha, que is­so fique bem entendido. Sobre is­so só digo que quan­do ganhamos, ganhamos todos e quan­do perdemos, perdemos todos. Não é o meu há­bi­to co­lo­car cul­pas a nin­guém e quem per­deu foi o gru­po to­do. *

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.