CRISE ÉOFICIAL

“Sa­be­mos de que fi­bra so­mos fei­tos”

Record (Portugal) - - PRIMEIRA PÁGINA - CRÓNICA DE LUÍS AVELÃS

De­pois da ines­pe­ra­da derrota ca­sei­ra­co­mos rus­sos do CSKAMos­co­vo ameio da­se­ma­na, no ar­ran­que da Li­ga dos Cam­peões, o Ben­fi­ca vol­tou a der­ra­par. Ago­ra, no Bessa, pe­ran­te um Bo­a­vis­ta aguer­ri­do, é cer­to, mas sem a qua­li­da­de fu­te­bo­lís­ti­ca que fi­zes­se pre­ver tal des­fe­cho. É que se as águi­as têm an­da­do lon­ge do ful­gor das úl­ti­mas tem­po­ra­das, os axa­dre­za­dos en­tra­ram em cam­po com ape­nas 3 pon­tos (re­sul­tan­tes da vitória sobre o Aves) após cin­co par­ti­das, ra­zão pe­la­qual­fo­ram o pri­mei­ro em­ble­ma­da Li­ga a me­xer no co­man­do téc­ni­co.

Rui Vitória não pro­ce­deu a al­te- ra­ções sig­ni­fi­ca­ti­vas no seu on­ze, pois a es­treia do jo­vem cen­tral Rú­ben Di­as te­ve jus­ti­fi­ca­ção no es­ta­do fe­bril de Li­san­dro. De res­to, foi tu­do igual em re­la­ção ao du­e­lo da Cham­pi­ons. E, ten­do em con­ta o dis­cur­so (agra­da­do com o pro­ces­so) do téc­ni­co após o de­sai­re de ter­ça-fei­ra, era is­so o es­pe­ra­do. Do ou­tro la­do, tal como pro­me­te­ra, Jor­ge Si­mão – o no­vo ti­mo­nei­ro – tam­bém não ali­nhou pe­la re­vo­lu­ção. Bem pe­lo con­trá­rio: fez avan­çar os mes­mos 11 ele­men­tos que Mi­guel Le­al ti­nha es­ca­la­do no seu úl­ti­mo jogo (con­tra o V. Gui­ma­rães).

En­tra­da po­si­ti­va

Sem sur­pre­sa, o Ben­fi­ca co­me­çou mais for­te e de ime­di­a­to mos­trou que pre­ten­dia tra­tar de­pres­sa e bem da ques­tão. Um go­lo de Jo­nas lo­go aos 7 mi­nu­tos in­di­ci­a­va que iria ser mes­mo as­sim. Mas não foi, ape­sar de ser jus­to sa­li­en­tar que, na 1ª par­te, as águi­as fi­ze­ram o su­fi­ci­en­te pa­ra mar­car mais go­los e, mui­to pro­va­vel­men­te, as­se­gu­rar a vitória. Mas os jo­gos não se ga­nham só re­ma­tan­do ma is­que o ad­ver­sá­rio ou apre­sen­tan­do uma per­cen­ta­gem de pos­se de bo­la in­com­pa­ra­vel­men­te su­pe­ri­or. É pre­ci­so acer­tar no al­vo e, já ago­ra, não ‘aju­dar’ os opo­si­to­res... Po­de pa­re­cer es­tra­nho, mas o Bo­a­vis­ta du­ran­te to­da a eta­pa ini­ci­al só con­se­guia che­gar à área con­trá­ria quan­do o Ben­fi­ca – mui­tas ve­zes sem ne­ces­si­da­de – co­me­tia fal­tas. As­sim sen­do, mes­mo sem os lis­bo­e­tas te­rem ‘aca­ba­do’ com as dú­vi­das em 45 mi­nu­tos, pa­re­cia im­pro­vá­vel que o Bo­a­vis­ta saís­se da­que­la le­tar­gia. Mas saiu. E de que ma­nei­ra! E se os nor­te­nhos me­lho­ra­ram, o que se viu dos cam­peões na­ci­o­nais na se­gun­da me­ta­de foi...qua­se na­da. Com ex­ce­ção a dois ou três re­ma­tes (um de Jo­nas obri­gou Vag­ner a in­ter­ven­ção aper­ta­da), o res­to foi de­ma­si­a­do mau. A ata­car, mas tam­bém a de­fen­der, com des­ta­que pa­ra o go­lo de Fá­bio Es­pi­nho que, pa­ra já, cus­tou uma derrota mas, pe­lo meio, po­de tam­bém di­tar a per­da de ti­tu­la­ri­da­de de Bruno Varela tal a fra­gi­li­da­de re­ve­la­da.

In­ca­pa­ci­da­de ge­ral

A en­tra­da em cam­po de Da­vid Si­mão per­mi­tiu ao Bo­a­vis­ta pas­sar a ter um pre­sen­ça mais for­te no

meio-cam­po, al­go que aca­ba­ria por ser de­ter­mi­nan­te. É que não só os lo­cais con­se­gui­ram cons­truir com mais pro­pri­e­da­de como Piz­zi ‘de­sa­pa­re­ceu ‘ do la­do con­trá­rio. Aliás, por mui­tos elo­gi­os que Rui Vitória fa­ça a Fi­li­pe Au­gus­to, o bra­si­lei­ro não tem um ren­di­men- to si­mi­lar ao de Fej­sa. E a ques­tão tor­na-se ain­da mais gra­ve, por­que Piz­zi pa­re­ce in­ca­paz de se mo­ver da mes­ma for­ma sem a pre­sen­ça do sér­vio por per­to. E quan­do o mé­dio por­tu­guês não se li­ber­ta pa­ra pen­sar e agi­tar o ata­que das águi­as, tu­do o res­to fi­ca di­fe­ren­te. Pa­ra pi­or. E co­lo­car em cam­po mais avan­ça­dos e flan­que­a­do­res – pa­re­cen­do uma me­di­da ló­gi­ca quan­do é pre­ci­so mar­car com ur­gên­cia – pou­co ou na­da re­sol­ve, pois a equi­pa ór­fã do seu es­tra­te­ga fi­ca, qua­se sem­pre, mui­to dis­tan­te da­qui­lo que po­de ren­der. On­tem, a com­pro­var is­so, o Ben­fi­ca nem a bo­la con­se­guiu co­lo­car na gran­de área con­trá­ria nos úl­ti­mos mi­nu­tos. Se is­to (e os re­sul­ta­dos) não são si­nais de crise... *

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.