Há uma for­ta­le­za pa­ra es­ta­bi­li­zar

Record (Portugal) - - 1ª LIGA - J.S.

O P. Fer­rei­ra pre­ten­de man­ter a in­ven­ci­bi­li­da­de nos jo­gos re­a­li­za­dos no seu es­tá­dio e Vas­co Seabra con­si­de­ra fun­da­men­tal con­quis­tar os três pon­tos na re­ce­ção ao Mo­rei­ren­se.

“É um jo­go que que­re­mos ga­nhar. No úl­ti­mo ano per­de­mos três ve­zes em ca­sa e que­re­mos es­ta­bi­li­zar a nos­sa for­ta­le­za, que é jo­gar em ca­sa. O ob­je­ti­vo é lu­tar pe­la pri­mei­ra me­ta­de da ta­be­la, es­ta­mos per­to e es­te jo­go po­de dei­xar-nos ain­da mais per­to”, re­fe­riu, na conferência de an­te­vi­são e an­tes de dei­xar con­si­de­ra­ções po­si­ti­vas so­bre o ad­ver­sá­rio. “As equi­pas ori­en­ta­das pe­lo Ma­nu­el Ma­cha­do sa­em mui­to bem em tran­si­ção. O Mo­rei­ren­se é um ad­ver­sá­rio di­fí­cil que vai es­tar sem­pre na ex­pec­ta­ti­va de nos ten­tar fe­rir, mas acre­di­ta­mos que con­se­gui­mos pro­du­zir com a nos­sa qua­li­da­de de jo­go uma vi­tó­ria”, acres­cen­tou.

Vas­co Seabra apro­vei­tou a opor­tu­ni­da­de pa­ra abor­dar a der­ro­ta na Luz e te­cer al­gu­mas crí­ti­cas aos co­men­ta­do­res. “É mui­to pou­co im­por­tan­te aqui­lo que os ou­tros pen­sam. Na pri­mei­ra par­te, re­al­men­te, ti­ve­mos al­gu­ma di­fi­cul­da­de em sair no pas­se, mas a se­gun­da foi mui­to mais di­vi­di­da”, re­gis­tou. *

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.