BRU­NO DE CAR­VA­LHO E PIN­TO DA COS­TA JUN­TOS NA TRIBUNA

O pro­fes­sor era o trei­na­dor na úl­ti­ma vi­tó­ria por­tis­ta no re­du­to do leão. Me­mó­ri­as de jo­go de­ci­di­do por Bru­no Al­ves

Record (Portugal) - - PRIMEIRA PÁGINA - RUI DI­AS JESUALDO FER­REI­RA

EM AL­VA­LA­DE DES­DE 5 DE OU­TU­BRO DE 2008

Há no­ve anos, cor­res­pon­den­tes a oi­to tem­po­ra­das, que o FC Por­to não vence em Al­va­la­de – en­tre os gran­des, é o pe­río­do de je­jum vi­to­ri­o­so mais lon­go no ter­re­no do ad­ver­sá­rio. Des­de 5 de ou­tu­bro de 2008, quan­do se impôs por 2-1, com go­los de Li­san­dro e Bru­no Al­ves, que os azuis e bran­cos não têm su­ces­so nas des­lo­ca­ções ao ter­re­no spor­tin­guis­ta. A ca­mi­nho do te­tra, Jesualdo Fer­rei­ra ia dan­do for­ma ao seu tri­cam­pe­o­na­to ao ser­vi­ço do clu­be – o pri­mei­ro tí­tu­lo da sé­rie foi con- quis­ta­do por Co Adri­a­an­se, em 2005/06. Hoje ao ser­vi­ço do AlSadd do Qa­tar, o pro­fes­sor pros­se­gue, aos 71 anos, uma já lon­ga car­rei­ra de su­ces­so. Quan­do lhe fa­la­mos no as­sun­to, Jesualdo ex­pres­sa, des­de lo­go, co­nhe­ci­men­to so­bre o mes­mo: “Lem­bro-me per- fei­ta­men­te do jo­go em si e da im­por­tân­cia que te­ve pa­ra a nos­sa cam­pa­nha. Ao con­trá­rio das épo­cas an­te­ri­o­res, não co­me­çá­mos bem. Em­pa­tá­mos com Ben­fi­ca e Rio Ave e per­de­mos com Lei­xões, no Dra­gão, e Na­val. Es­sa vi­tó­ria em Al­va­la­de foi o mo­te pa­ra o tí­tu­lo, o pon­to de par­ti­da pa­ra a lon­ga ca­mi­nha­da, mes­mo con­si­de­ran­do que, depois des­se su­ces­so, vol­tá­mos a ter re­sul­ta­dos ne­ga­ti­vos.”

Bru­no Al­ves de­ci­si­vo

Jesualdo Fer­rei­ra re­cu­pe­ra a fa­se de ins­ta­bi­li­da­de que a equi­pa vi­via e es­cla­re­ce que “o nos­so prin­ci­pal ad- ver­sá­rio era o Spor­ting, não o Ben­fi­ca”, ra­zão pe­la qual a vi­tó­ria foi tão im­por­tan­te. So­bre o jo­go, “adi­an­tá­mo-nos com um go­lo do Li­san­dro e so­fre­mos o em­pa­te num pe­nál­ti do João Mou­ti­nho”. Mas é o lan­ce de­ci­si­vo que mais lhe ocu­pa a me­mó­ria: “Foi um li­vre di­re­to apon­ta­do pe­lo Bru­no Al­ves, na zo­na fron­tal, des­caí­do pa­ra a es­quer­da. O Bru­no batia mui­to bem es­se ti­po de li­vres; nem sem­pre acertava, mas nes­sa noi­te não falhou.” So­bre o cen­tral, cu­ja car­rei­ra lan­çou ao mais al­to ní­vel, Jesualdo não tem dú­vi­das: “Era e é um ex­ce­len­te jo­ga­dor, com uma qua­li­da­de de pas­se tre- men­da, fun­da­men­tal na pri­mei­ra fa­se de cons­tru­ção.”

Ou­tro por­me­nor in­te­res­san­te pren­deu-se com a ti­tu­la­ri­da­de de Nu­no Es­pí­ri­to San­to nes­se en­con­tro: “Apostei ne­le e deixei o Helton de fora, ele que jogara sem­pre. O Nu­no fez um jo­go mui­to bom.” O ar­ran­que pa­ra o tí­tu­lo si­tua-o na tran­si­ção da pri­mei­ra pa­ra a se­gun­da vol­ta: “Che­gá­mos à pri­mei­ra me­ta­de com al­gum atra­so mas tu­do mu­dou quan­do ven­ce­mos o Be­le­nen­ses no Res­te­lo, à 16ª jor­na­da. A par­tir daí es­ta­bi­li­zá­mos e ar­ran­cá­mos pa­ra o meu tri que foi te­tra pa­ra o FC Por­to.”

“NES­SA NOI­TE DEIXEI O HELTON DE FORA, ELE QUE JOGARA SEM­PRE. APOSTEI NO NU­NO, QUE FEZ UM JO­GO MUI­TO BOM” “O BRU­NO AL­VES BATIA MUI­TO BEM AQUE­LE TI­PO DE LI­VRES; NEM SEM­PRE ACERTAVA, MAS NES­SA NOI­TE NÃO FALHOU”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.