“Ben­fi­ca vem lim­par a ima­gem”

Um dos trei­na­do­res do mo­men­to mostra-se or­gu­lho­so pe­lo per­cur­so do Ma­rí­ti­mo, vê-o no fu­tu­ro a jo­gar de for­ma mais atra­ti­va com o cres­ci­men­to da equi­pa e quer man­ter a in­ven­ci­bi­li­da­de no ‘Cal­dei­rão’ pe­ran­te o Ben­fi­ca

Record (Portugal) - - PRIMEIRA PÁGINA - Da­ni­el Ra­mos

“DEEM-ME TEM­PO E UMAS PINCELADAS (...) EU IDEALIZO OU­TRO TI­PO DE FUTEBOL PA­RA O MA­RÍ­TI­MO” “FO­CO ES­TÁ NO MA­RÍ­TI­MO ATÉ A OPOR­TU­NI­DA­DE APA­RE­CER. MAS SOU GRATO E SÓ AL­GO DE MUI­TO PO­SI­TI­VO ME LE­VA­RIA A SAIR”

Co­mo é que se re­cons­trói uma equi­pa que per­deu re­fe­rên­ci­as e a le­va de no­vo ao to­po da Liga?

DA­NI­EL RA­MOS – Es­sa é uma gran­de per­gun­ta e às ve­zes dou por mim a pen­sar nis­so. Pa­re­ce fá­cil pa­ra quem es­tá de fora, depois de che­ga­rem 13 jo­ga­do­res no­vos e a equi­pa continuar a ga­nhar. Is­so dá mui­to tra­ba­lho, pois o as­si­mi­lar de pro­ces­sos le­va tem­po. Cons­truir uma equi­pa e dar-lhe qua­li­da­de ofen­si­va tam­bém. Pa­re­ce-me uma re­pe­ti­ção do que já acon­te­ceu na épo­ca pas­sa­da, que foi pro­por­ci­o­nar no­va­men­te iden­ti­da­de à equi­pa em fun­ção da­qui­lo que sin­to que te­nho, pro­cu­ran­do dar uma boa res­pos­ta. Es­te ano che­ga­ram mui-

tos jo­ga­do­res e pro­cu­rei a mes­ma res­pos­ta, em fun­ção da­qui­lo de que dis­pu­nha e não em fun­ção do que de­se­jo ou co­mo ve­jo o meu jo­go. Eu ve­jo o jo­go fu­tu­ro do Ma­rí­ti­mo de ou­tra for­ma.

+ Acu­sam-no mui­tas ve­zes de ex­ces­so de prag­ma­tis­mo e pou­ca no­ta ar­tís­ti­ca. Acei­ta a crítica? DR – Acei­to is­so, mas eu não sou as­sim. Não sou ape­nas um re­sul­ta­dis­ta. Bas­ta ver um exem­plo re­cen­te: quan­do es­ti­ve no Fa­ma­li­cão, fui o se­gun­do me­lhor ata­que do cam­pe­o­na­to da 2ª Liga. Só o FC Por­to B, que foi cam­peão, ficou à fren­te. Is­to diz bem do ca­rá­ter ofen­si­vo da equi­pa. Mas eu, en- quan­to trei­na­dor, te­nho de ter re­sul­ta­dos. Se co­lo­car a equi­pa a jo­gar bo­ni­to, de pé pa­ra pé e a cir­cu­lar a bo­la, mas não ti­ver jo­ga­do­res nem cri­ar opor­tu­ni­da­des pa­ra is­so, acho que es­tou a ser um mau trei­na­dor. Sou bom trei­na­dor se dou efi­cá­cia à equi­pa e a man­te­nho com­pe­ti­ti­va e com re­sul­ta­dos. Mui­tas ve­zes, o trei­na­dor tem de ser re­sul­ta­dis­ta. Eu es­tou a jo­gar pa­ra o re­sul­ta­do em de­tri­men­to de gran­des exi­bi­ções por­que sei que elas podem apa­re­cer mais à fren­te, com o cres­ci­men­to da equi­pa. Nes­te mo­men­to, te­nho de uti­li­zar aqui­lo que te­nho e acho que o te­nho fei­to bem.

+ No fu­tu­ro po­de­re­mos ver en­tão umMa­rí­ti­mo mais do­mi­na­dor e ofen­si­vo? DR – Cla­ro que sim. Deem-me tem­po e, cla­ro, pre­ci­sa­mos tam­bém de umas pinceladas no plan­tel, que não fo­ram pos­sí­veis an­tes do fe­cho do mer­ca­do. Idealizo ou­tro ti­po de futebol pa­ra o Ma­rí­ti­mo. + Es­pe­ra ain­da pe­lo tal mé­di­o­o­fen­si­vo em ja­nei­ro?

DR – Sim, mas não só. Acho que pa­ra a mi­nha ideia de jo­go, pa­ra um Ma­rí­ti­mo mais em­pre­en­de­dor, mais ca­paz e di­nâ­mi­co do pon­to de vis­ta ofen­si­vo, preciso de um au­men­to de qua­li­da­de em de­ter­mi­na­das po­si­ções. Prin­ci­pal­men­te do meio-cam­po pa­ra a fren­te, pois o equi­lí­brio em ter­mos ge­rais pa­ra an­dar a meio da ta­be­la… já te­mos plan­tel pa­ra is­so. Sem a tal no­ta ar­tís­ti­ca, por­que nos fal­ta es­sa qua­li­da­de, que po­de ser acres­cen­ta­da com dois, três ou no má­xi­mo qua­tro jo­ga­do­res. Se­rão su­fi­ci­en­tes pa­ra su­bir um pa­ta­mar. + Da­ni­el Ra­mos já es­tá na his­tó­ria do clu­be pe­los re­cor­des e pe­la qua­li­fi­ca­ção europeia. Imi­tar Pau­lo Au­tu­o­ri (que ob­te­ve dois apu­ra­men­tos, ain­da que no se­gun­do a mei­as com Edi­nho) e fa­zer o ‘bis’ se­rá o pró­xi­mo de­sa­fio? DR – En­tão, se eu for du­as ve­zes à UEFA, se­rei o úni­co! É um gran­de de­sa­fio pa­ra mim. Mas co­lo­co aqui um gran­de pa­rên­te­sis: não foi is­so que me pe­di­ram, nem é is­so que me podem co­brar. É evi­den­te que al­me­ja­mos mais e sin­to um pe­so enor­me na­qui­lo que os ma­ri­ti­mis­tas de­po­si­tam em mim. No dia-adia, quan­do os adep­tos me di­zem: mís­ter, es­tá a fa­zer um gran­de tra­ba­lho e não po­de­mos pe­dir mais. Mas eu sin­to um pe­so enor­me de não os de­sa­pon­tar, pe­lo que es­tou a vi­ver is­to a cem por cen­to. E olho pa­ra to­dos os por­me­no­res, pa­ra que a equi­pa não di­ga que fa­ci­li­tou. É im­pos­sí­vel eu sen­tir is­so. De jo­go pa­ra jo­go, com as li­mi­ta­ções que tem, ela tem de sair de cam­po com a cer­te­za que deu o má­xi­mo. E va­mos ver até on­de is­to dá. Os adep­tos não têm fal­ta­do com o seu apoio. + Já ad­mi­tiu que po­de ser con­si- de­ra­do um dos trei­na­do­res da mo­da… DR – Não di­ria da mo­da, mas do mo­men­to (ri­sos).

+ O sal­to é ine­vi­tá­vel em bre­ve ou vê-se a fi­car na Ma­dei­ra mais al­gum tem­po? DR – O fo­co es­tá no Ma­rí­ti­mo até es­sa opor­tu­ni­da­de apa­re­cer. Con­ti­nuo a ser sin­ce­ro e dis­se-o no fi­nal da épo­ca: es­pe­ro que o meu fu­tu­ro ain­da se­ja me­lhor, mas sin­to­me grato e só al­go de mui­to po­si­ti­vo me le­va­ria a sair. Se não apa­re­cer, vou continuar com sa­tis­fa­ção. Con­ti­nuo hu­mil­de, de­di­ca­do e tra­ba­lha­dor, a acre­di­tar que o fu­tu­ro ime­di­a­to vai ain­da re­for­çar a mi­nha po­si­ção en­quan­to trei­na-

dor. E vai dar ao clu­be ain­da mais fo­co e evi­dên­cia. Va­mos acre­di­tar nis­to, pa­ra que es­sa opor­tu­ni­da­de pos­sa sur­gir e, quan­do apa­re­cer, eu pos­sa es­tar pre­pa­ra­do pa­ra a agar­rar.

+ Já uti­li­zou 25 jo­ga­do­res nas três pro­vas, mas o re­for­ço Fa­brí­cio ain­da não te­ve um mi­nu­to. Al­gu­ma ra­zão es­pe­ci­al? DR – Ape­nas por­que tem uma mai­or di­fi­cul­da­de de adap­ta­ção e co­nhe­ci­men­to do jo­go. Quem o vê a trei­nar-se, per­ce­be o que es­tou a di­zer. O Fa­brí­cio é um jo­ga­dor que tem uma al­ma enor­me e uma en­tre­ga to­tal. Che­gou aqui, di­ga­mos, a ‘atro­pe­lar’ os co­le­gas, a que­rer es­tar em to­do o la­do. Co­mo di­ze­mos no Nor­te, ‘var­ria uma fei­ra’! Por ve­zes, é preciso me­ter tra­vões, pen­sar o jo­go, es­tar bem po­si­ci­o­na­do e me­lho­rar o ím­pe­to. É um jo­ga­dor com ris­co de ver ama­re­los e ver­me­lhos com fa­ci­li­da­de e que tem de cres­cer. Te­nho-lhe pe­di­do pa­ci­ên­cia, por­que po­de ser útil mais à fren­te. E dei-lhe o exem­plo de co­le­gas de­le, co­mo o Je­an (Clé­ber), que te­ve um per­cur­so de cres­ci­men­to, ou mes­mo do Fran­sér­gio, e pe­di pa­ra acre­di­tar ne­le e nos trei­na­do­res, já que es­ta­mos aqui pa­ra o fa­zer cres­cer e pre­pa­rar.

+ Fa­lou do Je­an Clé­ber. A sua pre­vi­são de que ia apa­re­cer es­te ano ba­teu cer­to... DR – Sim, já estava à es­pe­ra. Acom­pa­nhei-o no ano pas­sa­do, per­ce­bi as su­as ca­rac­te­rís­ti­cas e ele me­lho­rou bas­tan­te. Foi per­ce­ben­do o seu jo­go e sur­pre­en­deu-me por se con­se­guir adap­tar a uma po­si­ção on­de não ti­nha gran­de tra­que­jo e ex­pe­ri­ên­cia no pas­sa­do. Estava a pen­sar ne­le mais co­mo ‘8’, do que pro­pri­a­men­te um jo­ga­dor com ca­rac­te­rís­ti­cas de mé­dio-ofen­si­vo. Co­lo­quei-lhe o de­sa­fio e ele mostrou-se dis­po­ní­vel pa­ra ar­ris­car. Tem da­do boa con­ta do re­ca­do e acho que po­de continuar a ser bas­tan­te útil.

+ Pi­que­ti tan­to pro­me­teu na pré-épo­ca, mas tem apa­re­ci­do pou­co. Is­so faz par­te do seu cres­ci­men­to? DR – O Pi­que­ti tan­to po­de de­ci­dir um jo­go co­mo pas­sar ao la­do de­le. Tem es­ta in­ter­mi­tên­cia, que é o me­nos de­se­já­vel pa­ra um trei­na­dor. Aqui­lo que ques­ti­o­no quan­do pen­so ne­le é: que Pi­que­ti vou ter? A re­gu­la­ri­da­de é fun­da­men­tal pa­ra se im­por, pois ele tem va­lia su­fi­ci­en­te pa­ra, no me­lhor Pi­que­ti, ser ti­tu­lar do Ma­rí­ti­mo. Mas ain­da tem mui­tos com­por­ta­men­tos que não são con­sis­ten­tes e lhe re­ti­ram opor­tu­ni­da­des. Já lhe dis­se: ‘Se fo­res re­gu­lar no teu trei­no, pro­va­vel­men­te is­so vai acon­te­cer no jo­go; en­quan­to fo­res in­ter­mi­ten­te no trei­no, não con­tes que o trei­na­dor te vá dar opor­tu­ni­da­des con­se­cu­ti­vas’. É es­ta sin­ce­ri­da­de que lhes pas­so.

+ Be­be­to e Pa­blo fo­ram os me­lho­res re­for­ços que che­ga­ram pa­ra es­ta épo­ca? DR – Não que­ro ser in­jus­to com ou­tros, por­que há tam­bém jo­ga­do­res que têm es­ta­do em bom pla­no, mas sem dú­vi­da que es­ses são dois bons re­for­ços. São cer­te­zas e não dú­vi­das. Têm de­mons­tra­do que po­de­mos con­tar com eles, mas há ain­da cor­re­ções a fa­zer, evi­den­te­men­te. Mas sei que são jo­ga­do­res com bom fu­tu­ro, pois além do va­lor fu­te­bo­lís­ti­co têm uma am­bi­ção enor­me de que­rer evo­luir. *

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.