"am­bi­cão é ga­nhar a Li­ga Eu­ro­pa"

RUI PA­TRÍ­CIO EM EX­CLU­SI­VO NO DIA EM QUE FAZ 30 ANOS

Record (Portugal) - - PRIMEIRA PÁGINA - VÍ­TOR AL­MEI­DA GON­ÇAL­VES

Pa­trí­cio já es­tá ha­bi­tu­a­do a pas­sar ani­ver­sá­ri­os em equi­pa, mas es­te é es­pe­ci­al, ou não com­ple­tas­se 30 anos a mais de 6 mil qui­ló­me­tros de dis­tân­cia , de­bai­xo de tem­pe­ra­tu­ras ne­ga­ti­vas. Ho­je, não im­por­ta se há bo­lo ou... ge­la­do no bal­neá­rio, o que o gu­ar­da-re­des pe­de é uma vi­tó­ria. “Go­los só da nos­sa equi­pa, é is­so que es­pe­ro”, diz o lei­ri­en­se, que dis­pen­sa uma gran­de exi­bi­ção in­di­vi­du­al em As­ta­na se ama­nhã pu­der ler na ca­pa de Re­cord a no­tí­cia da vi­tó­ria do Spor­ting. “Que ga­nhá­mos e uma fo­to da equi­pa a fes­te­jar, na­da mais”, re­su­me.

A alu­são à pri­mei­ra pá­gi­na não é aci­den­tal. À sua fren­te, nu­ma sa­la da Aca­de­mia, ho­ras an­tes da vi­a­gem, Pa­trí­cio tem uma se­le­ção de man­che­tes do nos­so jor­nal que fa­zem par­te da sua história, a co­me- çar pe­la da es­treia, em no­vem­bro de 2006. “Os meus pais guar­da­ram-na. To­das me di­zem al­go mas es­ta pri­mei­ra vai fi­car mar­ca­da pa­ra sem­pre”, re­co­nhe­ce. Aos 30 anos, Pa­trí­cio escreve ho­je um ca­pí­tu­lo de vi­da e de car­rei­ra em As­ta­na. E Re­cord quis as- si­na­lar a da­ta, não só re­vi­ven­do o pas­sa­do mas en­tre­gan­do ao nº 1 dos leões e de Por­tu­gal a sua dis­tin­ção má­xi­ma, o Re­cord de Ou­ro. “É bom quan­do so­mos re­com­pen­sa­dos e as pes­so­as nos dão va­lor. É mo­ti­vo de or­gu­lho e dá­me mais mo­ti­va­ção ain­da pa­ra con­ti­nu­ar a tra­ba­lhar”, ga­ran­te o cam­peão eu­ro­peu, ele que, não sen­do um lei­tor de há­bi­tos, lá vai con­fes­san­do em jei­to de brin­ca­dei­ra que “ago­ra é mais li­vros”, por cau­sa do que foi pu­bli­ca­do pe­la mu­lher, a psi­có­lo­ga Ve­ra Ri­bei­ro, com quem tem dois fi­lhos, a Eva e o Pe­dro.

Pa­trí­cio apren­deu com o tem­po “a ti­rar as coi­sas bo­as de tu­do” e tal­vez por es­sa for­ma de pen­sar não tem dú­vi­das em di­zer que se vol­tas­se atrás fa­ria tu­do na mes­ma.” “Não te­ria mu­da­do na­da. Os mo­men­tos me­nos bons por que pas­sei, prin­ci­pal­men­te quan­do co­me­cei a jo­gar, fi­ze­ram-me cres­cer mui­to, so­bre­tu­do a ní­vel hu­ma­no. O gu­ar­da-re­des que sou tam­bém se de­ve a is­so”, defende. Olhan­do o fu­tu­ro, o Mar­ra­zes não im­põe um pra­zo de va­li­da­de, co­mo jo­gar até os 40 anos, a me­nos que en­tre­tan­to “ga­nhe uma bar­ri­ga”. “É até aguen­tar. Jo­ga­rei en­quan­to me sen­tir bem.” *

“É ATÉ AGUEN­TAR. JO­GA­REI EN­QUAN­TO ME SEN­TIR BEM”, GA­RAN­TE, SEM DE­FI­NIR UM PRA­ZO DE VA­LI­DA­DE

RE­CORD DE OU­RO PA­RA O GU­AR­DA-RE­DES DOS LEÕES

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.