Fu­te­bol a to­do o gás

Record (Portugal) - - NEWS -

es­sa aex­pres­são que me­lhor ca­rac­te­ri­za o jo­gar­das equi­pas de Jür­gen Klopp. Foi­as­sim no Bo­rus­sia Dort­mund,que con­du­ziu aum bi­cam­pe­o­na­to ale­mão e au­ma­fi­nal daCham­pi­ons. Tem­si­do as­sim emLi­ver­po­ol,on­de os di­as de gló­ria tar­dam em­che­gar,mas on­de con­se­guiu ver­ga­ro FC Por­to àder­ro­ta mais pe­sa­da em­ca­sa­do seu riquís­si­mo his­to­ri­al. Cons­ci­en­te das am­plas ar­dui­da­des que te­ria pe­la fren­te, Sér­gio Con­cei­ção apre­sen­tou o FC Por­to nu­ma­es­tru­tu­ra em4x4x1x1,com Otá­vio nas cos­tas de So­a­res, pro­cu­ran­do con­du­zi­ra par­ti­da pa­ra o la­do es­tra­té­gi­co. Co­mis­so, os dra­gões ab­di­ca­ram de al­guns pon­tos da­sua iden­ti­da­de,no­me­a­da­men­te a pres­são as­fi­xi­an­te so­bre apri­mei­ra fa­se de construção ri­val, op­tan­do pe­lo re­cur­so aum­blo­co mé­di­o­bai­xo,que mos­trou uma­e­qui­pa re­traí­da e ex­ces­si­va­men­te pre­sa a re­fe­rên­ci­as in­di­vi­du­ais, pre­o­cu­pa­da­em de­fen­der­de for­ma­com­pac­ta [1]. Al­go que vi­sa­va ofe­re­ce­ra posse ao Liverpool, re­ti­ran­do-lhe a pos­si­bi­li­da­de de ex­plo­ra­ro seu con­tun­den­te con­tra-ata­que, e pro­cu­rar, as­sim que abo­la era re­cu­pe­ra­da, apa­nha­ro ad­ver­sá­rio em­con­tra­pé,bus­can­do as des­mar­ca­ções no es­pa­ço en­tre cen­tral e la­te­ral do mes­mo la­do. Só que se­ria apri­são ao há­bi­to de che-

QUIN­TO GO­LO, O ÚNI­CO QUE NÃO SUR­GIU DE UMA PER­DA DE BO­LA DO FC POR­TO, PER­MI­TIU A MA­NÉ AS­SI­NAR UM HAT TRICK

gar rá­pi­do e de for­ma pun­gen­te a zo­nas de fi­na­li­za­ção a trair a es­tra­té­gia de­li­ne­a­da por Con­cei­ção. Is­to por­que o FC Por­to, par­tin­do de po­si­ções bai­xas, acu­mu­lou pas­ses er­ra­dos e per­das de bo­las quan­do pre­ten­deu ver­ti­ca­li­zar e ace­le­rar o jogo, per­mi­tin­do ao Liverpool efe­tu­ar re­cu­pe­ra­ções no seu meio-cam­po ofen­si­vo. O que foi o mo­te pa­ra o 0-1 –re- po­si­ção pre­ci­pi­ta­da de Jo­sé Sá, a ga­ran­tir re­cu­pe­ra­ção de Lo­vren, sa­gaz a des­co­brir Wij­nal­dum no meio de uma cra­te­ra no es­pa­ço en­tre­li­nhas [2] por on­de pe­ne­trou –e pa­ra o 0-2 –Mil­ner impôs-se num du­e­lo an­te Ma­re­ga, e con­tou com a pas­si­vi­da­de de Sér­gio Oliveira pa­ra en­trar na área [3] e dis­pa­rar ao pos­te, an­tes de Sa­lah en­ca­mi­nhar a se­gun­da bo­la pa­ra o fun­do das re­des. Ao in­ter­va­lo, Con­cei­ção re­gres­sou à es­tru­tu­ra em 4x4x2, ab­di­can­do de Otá­vio pa­ra lan­çar Co­ro­na, o que con­du­ziu Ma­re­ga pa­ra parceiro de So­a­res. Os por­tis­tas pro­cu­ra­ram as­su­mir o jogo, ex­plo­ran­do o seu jogo ex­te­ri­or, al­go que não fi­ze­ram na eta­pa ini­ci­al, mas uma per­da de bo­la –Brahi­mi (0-3) –e um pas­se de­ma­si­a­do cur­to –Her­re­ra pa­ra Co­ro­na (0-4), an­te­ci­pa­do por Ro­bert­son –per­mi­ti­ram ao Liverpool ex­plo­rar a sua prin­ci­pal ar­ma: o con­tra­gol­pe ver­ti­gi­no­so, che­gan­do a zo­nas de fi­na­li­za­ção em su­pe­ri­o­ri­da­de nu­mé­ri­ca. O quin­to go­lo, o úni­co que não sur­giu na sequên­cia de uma per­da de bo­la por­tis­ta, per­mi­tiu a Ma­né as­si­nar um hat trick no Dra­gão, nu­ma al­tu­ra em que os reds ge­ri­am a van­ta­gem, tes­tan­do uma es­tru­tu­ra em 3x4x2x1 que po­de­rá ser útil no fu­tu­ro. *

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.