“So­nho po­de tor­nar-se re­a­li­da­de”

Téc­ni­co le­o­ni­no quer che­gar à fi­nal da Li­ga Eu­ro­pa e ga­nhá-la. Um pas­so de ca­da vez é a fór­mu­la a uti­li­zar

Record (Portugal) - - BENFICA - VÍ­TOR A. GON­ÇAL­VES. AS­TA­NA

Va­le a pe­na co­me­çar a con­fe­rên­cia de im­pren­sa de Jor­ge Je­sus on­tem em As­ta­na... pe­lo fim. Na úl­ti­ma per­gun­ta, um jor­na­lis­ta ca­za­que ten­ta­va ques­ti­o­nar o téc­ni­co so­bre a or­dem de pri­o­ri­da­des en­tre a Li­ga e a Li­ga Eu­ro­pa, quan­do a tradução trou­xe du­as sur­pre­sas: a pri­mei­ra quan­do foi uti­li­za­da a ex­pres­são ga­nhar o cam­pe­o­na­to “de qual­quer jei­to” e a se­gun­da quan­do, con­fron­ta­do com o fac­to de o FC Por­to ser lí­der e com a even­tu­a­li­da­de de não con­se­guir tí­tu­lo, se JJ con­ti­nu­a­ria no Spor­ting ou se­ria “man­da­do em­bo­ra” pe­la di­re­ção. O as­ses­sor dos leões pe­diu ques­tões so­bre a pro­va da UEFA, mas Je­sus man­te­ve o san­gue frio e, sem dar o mí­ni­mo si­nal de ir­ri­ta­ção, res­pon­deu à dú­vi­da ini­ci­al: Li­ga ou Li­ga Eu­ro­pa, qual a mais im­por­tan­te.

“O pri­mei­ro gran­de ob­je­ti­vo do Spor­ting é ten­tar ser cam­peão em Por­tu­gal. Nin­guém du­vi­da dis­so. Ago­ra, che­gar a uma fi­nal ou ga­nhar a Li­ga Eu­ro­pa dá mui­to mais pres­tí­gio ao trei­na­dor do que ga­nhar três ou qua­tro cam­pe­o­na­tos em Por­tu­gal. Nin­guém te­nha dú­vi­da. Até por­que te­nho es­sa ex­pe­ri­ên­cia”, afir­mou o trei­na­dor, na an­te­vi­são ao jogo com o As­ta­na, ga­ran­tin­do que ho­je en­tra­rá em cam­po na má­xi­ma for­ça. “Va­mos com os me­lho­res jo­ga­do­res e o pen­sa­men­to de pas­sar es­ta eli­mi­na­tó­ria. De­pois, quan­do che­gar­mos a Por­tu­gal, va­mos pôr o chip nou­tro la­do, que é o cam­pe­o­na­to na­ci­o­nal. Uma coi­sa de ca­da vez”, afir­mou um se­re­no Jor­ge Je­sus.

O pre­ço do su­ces­so

As per­gun­tas so­bre a Li­ga Eu­ro­pa já ti­nham do­mi­na­do boa par­te da con­ver­sa do trei­na­dor do Spor­ting com os jor­na­lis­tas. E JJ dei­xou sem­pre cla­ro que o Spor­ting não en­jei­ta­rá “es­sa pos­si­bi­li­da- de”, sa­ben­do que “o sor­teio é um fa­tor im­por­tan­te”.

Mais do que um so­nho, o ob­je­ti­vo es­tá ao al­can­ce, acre­di­ta o ama­do­ren­se. “É um so­nho mas es­te po­de tor­nar-se mais uma re­a­li­da­de. O Spor­ting tem to­das as con­di­ções de po­der che­gar a uma fi­nal des­ta com­pe­ti­ção”, su­bli­nhou.

Co­mo em tu­do, po­rém, há ris­cos. E Je­sus, de

63 anos, aler­ta pa­ra es­se pro­ble­ma. “Quan­do tu es­tás em to­das as fren­tes, que­rer o su­ces­so em tu­do tam­bém se pa­ga ca­ro, nal­gu­ma com­pe­ti­ção. Mas é jogo a jogo. Va­mos ten­tar pas­sar a eli­mi­na­tó­ria e le­vá-la pa­ra Lis­boa já em van­ta­gem, não pen­san­do no que vem a se­guir, que é um jogo mui­to im­por­tan­te do cam­pe­o­na­to”, as­se­gu­rou Jor­ge Je­sus. *

“CHE­GAR A UMA FI­NAL OU GA­NHAR A LI­GA EU­RO­PA DÁ MUI­TO MAIS PRES­TÍ­GIO AO TREI­NA­DOR DO QUE TRÊS OU QUA­TRO CAM­PE­O­NA­TOS” “VA­MOS COM OS ME­LHO­RES JO­GA­DO­RES E O PEN­SA­MEN­TO DE PAS­SAR ES­TA ELI­MI­NA­TÓ­RIA”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.