TREI­NO MEN­TAL À BA­SE DE YOGA E PSICOLOGIA

Record (Portugal) - - SPORTING - VÍ­TOR AL­MEI­DA GON­ÇAL­VES

As es­tra­té­gi­as de Pa­trí­cio pa­ra li­dar com o er­ro. Au­to­con­tro­lo e co­nhe­ci­men­to in­te­ri­or

Mes­mo sen­do par­te da equi­pa e da sua di­nâ­mi­ca co­le­ti­va, um gu­ar­da-re­des es­tá mais ex­pos­to ao er­ro e qua­se so­zi­nho con­tra o mun­do quan­do fa­lha. O trei­no men­tal as­su­me, por is­so, uma im­por­tân­cia mai­or, com­pa­ra­ti­va­men­te a um jo­ga­dor de cam­po. “Tal­vez pre­ci­se de mais es­tra­té­gi­as pa­ra se man­ter fo­ca­do e pas­sar por si­tu­a­ções me­nos po­si­ti­vas. Se al­go não cor­re tão bem, o jogo con­ti­nua mas o gu­ar­da-re­des es­tá ali pa­ra­do. Se não ti­ver con­tro­lo so­bre a men­te é mais di­fí­cil li­ber­tar-se do er­ro”, ex­pli­ca Pa­trí­cio.

É aqui que en­tram as res­pos­tas in­di­vi­du­ais. “Pen­sar no que se tem de fa­zer na pró­xi­ma jo­ga­da, por­que só as­sim se con­se­guem ul­tra­pas­sar as si­tu­a­ções. É uma área que faz mui­ta di­fe­ren­ça pa­ra qual­quer pro­fis­si­o­nal”, ar­gu­men­ta o ti­tu­lar da ba­li­za do Spor­ting e de Por­tu­gal, pa­ra quem ca­da por­me­nor des­ta pre­pa­ra­ção con­ta.

No ca­so de Pa­trí­cio, o se­gre­do dos ‘mi­la­gres’ que lhe vão sen­do atri­buí­dos den­tro de cam­po es­tá... na ca­be­ça e em du­as dis­ci­pli­nas que com­ple­men­tam o trei­no re­gu­lar: yoga e psicologia, mais es­pe­ci­fi­ca­men­te ‘at­ma kriya yoga’ e psicologia do al­to rendimento. Da pri­mei­ra, que pra­ti­ca di­a­ri­a­men­te de­pois de ter fei­to um cur­so, o in­ter­na­ci­o­nal por­tu­guês re­ti­ra “co­nhe­ci­men­to pes­so­al e in­te­ri­or”. “Quan­to mais nos co­nhe­cer­mos, me­lhor sa­be­mos co­mo nos sen­ti­mos. E sa­ben­do co­mo me sin­to, pos­so ter es­tra­té­gi­as pa­ra is­so. Com o ‘at­ma kriya’ per­ce­be­mos me­lhor co­mo es­ta­mos e o nos­so cor­po. São téc­ni­cas que me fa­zem sen­tir mui­to bem men­tal­men­te e in­te­ri­or- men­te, mes­mo pa­ra os jo­gos”, ad­mi­te o ca­mi­so­la 1, que des­ta for­ma con­tro­la co­mo quer es­tar ou co­mo se quer sen­tir.

Ana­li­sar e co­nhe­cer

No ca­so da psicologia, Pa­trí­cio ga­ran­te que não se­ria o mes­mo sem o tra­ba­lho que co­me­çou a de­sen­vol­ver há se­te anos, quan­do ti­nha 23, com Ana Ra­mi­res. “Em Por­tu­gal ain­da não é uma área em que se apos­te mui­to, mas é sem dú­vi­da im­por­tan­te e aju­dou-me. Me­xe con­nos­co, va­mos passando por si­tu­a­ções no­vas e apren­den­do com elas”, de­ta­lha o Mar­ra­zes, con­vic­to de que es­te ti­po de aná­li­se po­de ser um apoio pa­ra “pas­sar por mo­men­tos me­nos bons” e sa­ber “o que se tem de fa­zer” em ca­da cir­cuns­tân­cia do jogo, des­de que se iden­ti­fi­quem as cau­sas e as pos­sí­veis so­lu­ções. Is­to sem nun­ca per­der de vis­ta o per­fil de quem o ro­deia e do gru­po. “Per­ce­ber o que acon­te­ceu e co­mo acon­te­ceu, sa­ber ana­li­sar e cri­ar as nos­sas pró­pri­as es­tra­té­gi­as. E, de­pois, co­nhe­cer a nos­sa equi­pa, os jo­ga­do­res, pa­ra es­tar­mos me­lhor en­tro­sa­dos com eles”, con­clui. *

“SE AL­GO NÃO COR­RE BEM, O JOGO CON­TI­NUA E O GUAR­DA­RE­DES ES­TÁ ALI PA­RA­DO. SE NÃO TI­VER CON­TRO­LO É MAIS DI­FÍ­CIL”

FUN­DA­MEN­TAL. Pa­trí­cio re­ve­lou se­gre­dos pa­ra ser bem-su­ce­di­do

FES­TA. O in­ter­na­ci­o­nal por­tu­guês mos­tra aos adep­tos le­o­ni­nos a Ta­ça de Por­tu­gal con­quis­ta­da fren­te ao Sp. Bra­ga, em 2015. Mes­mo le­si­o­na­do, o guar­dião vol­tou a re­ve­lar-se de­ci­si­vo nos pe­nál­tis

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.