Fran­cis­co Mo­ser

MANAGING DI­REC­TOR

Revista DNA (Portugal) - - Editorial -

2017 é um ano de ele­va­das ex­pec­ta­ti­vas pa­ra o Tu­ris­mo em Por­tu­gal. To­das as pre­vi­sões apon­tam nes­se sen­ti­do. Te­re­mos mais tu­ris­tas, no­vos mer­ca­dos e um au­men­to de pro­cu­ra em ge­o­gra­fi­as tra­di­ci­o­nal­men­te mais di­fí­ceis. Em 2017 as­sis­ti­re­mos tam­bém a um cres­ci­men­to da ofer­ta de alo­ja­men­to, ma­te­ri­a­li­za­do em múl­ti­plas for­mas, des­de a ho­te­la­ria clás­si­ca até a ou­tras so­lu­ções de hos­pe­da­gem ino­va­do­ras e dis­rup­ti­vas, que con­fir­mam a mu­dan­ça de pa­ra­dig­ma no se­tor.

É nes­te am­bi­en­te de gran­de vi­ta­li­da­de que os ges­to­res ho­te­lei­ros e as su­as equi­pas te­rão que ter a ca­pa­ci­da­de de sur­pre­en­der um cli­en­te ca­da vez mais im­pre­vi­sí­vel. Pa­ra além do tri­nó­mio con­for­to/lim­pe­za/sim­pa­tia, os cli­en­tes ho­je pro­cu­ram ho­téis com vi­da e al­ma pró­pri­as e que lhes pro­por­ci­o­nem me­mó­ri­as ines­que­cí­veis.

Ape­sar da enor­me di­ver­si­da­de de ho­téis ge­ri­dos pe­la DHM - Dis­co­very Ho­tel Ma­na­ge­ment, pro­cu­ra­mos dar res­pos­ta a es­te de­sa­fio atra­vés de uma po­lí­ti­ca co­mum cen­tra­da nas pes­so­as. En­ten­de­mos que a ino­va­ção, as bo­as idei­as, os pro­ces­sos mais efi­ci­en­tes, as me­lho­res ati­tu­des não sur­gem por obra do aca­so. É fru­to de um tra­ba­lho con­ti­nu­a­do e per­sis­ten­te de for­ma­ção, de es­tí­mu­lo à ini­ci­a­ti­va, de en­vol­vên­cia nos ob­je­ti­vos e de par­ti­ci­pa­ção nos re­sul­ta­dos.

Acre­di­ta­mos que es­ta é a chave pa­ra a va­lo­ri­za­ção dos nos­sos ati­vos e pa­ra a ren­ta­bi­li­da­de do ne­gó­cio ho­te­lei­ro.

Uma fór­mu­la sim­ples as­sen­te em pes­so­as apai­xo­na­das pe­lo seu tra­ba­lho e cem por cen­to de­di­ca­das aos cli­en­tes. Pes­so­as pro­a­ti­vas a quem da­mos a li­ber­da­de de er­rar e de ten­tar fa­zer de no­vo. Pes­so­as a quem de­le­ga­mos res­pon­sa­bi­li­da­des e a quem exi­gi­mos re­sul­ta­dos. Pes­so­as que trans­mi­tam con­fi­an­ça a quem ne­las apos­tou. E fi­nal­men­te pes­so­as que pen­sem pe­la sua ca­be­ça e não por uma car­ti­lha ho­te­lei­ra em­po­ei­ra­da.

É um ca­mi­nho lon­go, que ape­sar dos obs­tá­cu­los, va­le a pe­na per­se­guir. Afi­nal de con­tas es­te é um ne­gó­cio de pes­so­as pa­ra pes­so­as!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.