Pu­re­za Ma­ga­lhães

DE­SIG­NER DE INTERIORES

Revista DNA (Portugal) - - Praia Verde Boutique Hotel -

OLobby Mar­ket foi am­pli­a­do na zo­na do res­tau­ran­te, cri­an­do uma mon­tra/ja­ne­la pa­ra a co­zi­nha, com a ex­ten­são do bal­cão cen­tral do for­no das piz­zas pa­ra que os hós­pe­des des­fru­tas­sem da pre­pa­ra­ção de re­fei­ções (show­co­o­king). A am­pli­a­ção des­te bal­cão veio tam­bém me­lho­rar o es­pa­ço pa­ra apre­sen­ta­ção e qua­li­da­de do buf­fet de pe­que­no-al­mo­ço.

A es­pla­na­da foi am­pli­a­da e co­ber­ta com um tol­do, pa­ra os hós­pe­des des­fru­ta­rem do ex­te­ri­or, a to­das as ho­ras do dia, ora fa­zen­do uma re­fei­ção, to­mar uma be­bi­da ou sim­ples­men­te re­la­xar e con­vi­ver.

A ní­vel de ma­te­ri­ais e mo­bi­liá­rio man­ti­ve­mos a mes­ma ori­gi­na­li­da­de do pro­je­to an­te­ri­or, ou se­ja, usa­mos co­res neu­tras, ma­te­ri­ais na­tu­rais e rús­ti­cos, pa­ra que o hós­pe­de se sen­tis­se num am­bi­en­te des­pre­ten­si­o­so, co­mo se fos­se a sua ca­sa.

No de­sen­vol­vi­men­to do no­vo pi­so, com uma no­va ar­qui­te­tu­ra mais de­sa­fo­ga­da, fo­ram cri­a­dos 25 quar­tos com 3 ti­po­lo­gi­as di­fe­ren­tes. A vis­ta so­bre os pi­nhei­ros e o mar é a pro­ta­go­nis­ta des­te ce­ná­rio, sen­do a pre­o­cu­pa­ção do de­sign de interiores cri­ar um am­bi­en­te cal­mo, prá­ti­co e con­for­tá­vel, man­ten­do o con­cei­to na­tu­ral já exis­ten­te no ho­tel.

Are­mo­de­la­ção e am­pli­a­ção do Praia Ver­de Boutique Ho­tel te­ve co­mo prin­ci­pal ob­je­ti­vo au­men­tar a ca­pa­ci­da­de de alo­ja­men­to, com a cons­tru­ção de um no­vo pi­so de quar­tos, e re­qua­li­fi­car os es­pa­ços interiores.

Apro­vei­tan­do o edi­fi­ca­do já exis­ten­te, o pro­gra­ma foi in­te­gra­do de for­ma na­tu­ral, ti­ran­do par­ti­do do mag­ní­fi­co sis­te­ma de vis­tas que, so­bre a praia, pro­por­ci­o­na em vá­ri­as oca­siões um des­va­ne­ci­men­to dos li­mi­tes do es­pa­ço, qu­e­bran­do as fron­tei­ras en­tre a es­tru­tu­ra e a pai­sa­gem.

Con­for­to, con­tem­po­ra­nei­da­de e le­ve­za são a chave na abor­da­gem e de­fi­nem os es­pa­ços interiores e ex­te­ri­o­res. So­bre as áre­as de in­ter­ven­ção cri­am-se múl­ti­plas va­lên­ci­as, es­pe­ci­al­men­te no pi­so tér­reo, com nú­cle­os afir­ma­ti­va­men­te con­tem­po­râ­ne­os, quer pe­la sua for­ma e tra­ço, quer pe­la sua ma­te­ri­a­li­da­de. A pro­pos­ta de­sen­vol­ve-se a par­tir do Lobby Mar­ket, um es­pa­ço fluí­do que in­clui a zo­na de es­tar, área cen­tral e res­tau­ran­te com uma li­ga­ção con­tí­nua à área de es­pla­na­da.

Por ou­tro la­do, a zo­na de am­pli­a­ção apre­sen­ta uma lin­gua­gem ar­qui­te­tó­ni­ca de­pu­ra­da e le­ve, sen­do do­mi­nan­te a re­la­ção com as zo­nas ex­te­ri­o­res, atra­vés das subs­tan­ci­ais áre­as de vi­dro, quer atra­vés das va­ran­das co­ber­tas com pér­gu­las, pro­lon­gan­do-se a no­ção de es­pa­ço. No fun­do, os quar­tos abrem-se à pai­sa­gem nu­ma cla­ra har­mo­nia com a na­tu­re­za atra­vés da pro­je­ção de um ce­ná­rio re­al.

Ci­to o fi­ló­so­fo nor­te-ame­ri­ca­no Ar­nold Ber­le­ant, que tão cla­ra­men­te re­tra­ta o nos­so ab­so­lu­to com­pro­mis­so com es­te pro­je­to: "yet the con­nec­ti­ons betwe­en aesthe­tics and en­vi­ron­ment are pro­vo­ca­ti­ve. (...) Ar­chi­tec­tu­re is ex­ten­ded and ful­fil­led in en­vi­ron­ment. En­vi­ron­ment then be­co­mes the exem­pli­fi­ca­ti­on, in­de­ed, the very pa­ra­digm of a new aesthe­tic, the aesthe­tics of en­ga­ge­ment".

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.