SA­BIA QUE O PA­LÁ­CIO DA LOUSÃ BOUTIQUE HO­TEL É UM EDI­FÍ­CIO HIS­TÓ­RI­CO?

Revista DNA (Portugal) - - Novidades Discovery -

OPa­lá­cio da Vis­con­des­sa do Es­pi­nhal, foi cons­truí­do em fi­nais do Sé­cu­lo XVIII, e a edi­fi­ca­ção do cor­po cen­tral ter­mi­na­da em 1818 pe­los fi­lhos do De­sem­bar­ga­dor Ber­nar­do Sa­la­zar. A fa­mo­sa Vis­con­des­sa do Es­pi­nhal, quem deu no­me ao pa­lá­cio e fi­lha do De­sem­bar­ga­dor Ber­nar­do Sa­la­zar, re­ce­beu o tí­tu­lo em 1868 pe­lo Rei D. Luís e é co­nhe­ci­da pe­la po­pu­la­ção da vi­la co­mo a gran­de be­ne­mé­ri­ta da Lousã. D. Ma­ria da Pi­e­da­de de Me­lo Sampaio Sa­la­zar mor­re­ria mais tar­de, em 1882, sem an­tes con­cluir a mag­ní­fi­ca obra que per­du­ra o seu no­me.

O as­pe­to va­li­o­so do Pa­lá­cio re­si­de, não só em ser o mais im­po­nen­te edi­fí­cio do con­ce­lho, co­mo tam­bém de re­pre­sen­tar a evo­lu­ção es­ti­lís­ti­ca re­gi­o­nal do fim do sé­cu­lo XVIII, co­me­ço e me­a­dos do sé­cu­lo XIX.

Em 1818, no pe­río­do ne­o­clás­si­co, ras­ga­ram o portão cen­tral e le­van­ta­ram o cor­po mé­dio, ten­do sa­bi­do ali­ar as li­nhas de tra­di­ção an­te­ri­or às do no­vo es­ti­lo. A com­po­si­ção do re­ma­te, os pi­ná­cu­los em for­ma de ur­nas e o es­cu­do cir­cu­lar dão-lhe um ca­rác­ter na­da vul­gar. O bra­são es­cul­pi­do com­põe-se de um es­cu­do es­quar­te­la­do com 4 quar­téis.

Nos 4 quar­téis do bra­são en­con­tra­mos o tim­bre dos Eça (5 es­cu­de­tes uni­dos pe­lo cor­dão de S. Fran­cis­co), Ar­naut (6 leões de ne­gro), Sa­la­zar (13 es­tre­las de 8 rai­os) e Sar­men­to

(13 be­san­tes).

O Pa­lá­cio es­tá as­so­ci­a­do a epi­só­di­os das In­va­sões Fran­ce­sas. "Sa­be-se que o Ma­re­chal

Mas­se­na, co­man­dan­te das tro­pas na­po­leó­ni­cas, se ins­ta­la­ra nes­ta ca­sa. Em 1811, as tro­pas co­man­da­das pe­lo Ma­re­chal Ney re­ce­be­ram um ines­pe­ra­do ata­que no­tur­no das tro­pas an­glo-lu­sas e pre­ci­pi­ta­ram-se em pâ­ni­co pe­la es­trei­ta pon­te me­di­e­val do Rio Cei­ra, ten­do si­do derrotados. En­tre­tan­to, Mas­se­na, preparava-se pa­ra jan­tar, mas ao re­ce­ber es­ta no­tí­cia (o de­sas­tre na Ba­ta­lha de Foz de Arou­ce) fu­giu pre­ci­pi­ta­da­men­te. Pou­co de­pois, o Du­que de Wel­ling­ton en­tra­va triun­fan­te na Lousã, e sen­tan­do-se à me­sa que Mas­se­na aban­do­na­ra, pô­de sa­bo­re­ar com re­do­bra­do gos­to o jan­tar que ti­nha si­do pre­pa­ra­do pa­ra o ini­mi­go..." (Nel­son Cor­reia Bor­ges, Coim­bra e Re­gião, adap­ta­do).

Nes­te dia, o Du­que de Wel­ling­ton es­cre­veu um re­la­tó­rio de su­ces­sos que es­tá na his­tó­ria da cam­pa­nha. 42 quar­tos e 4 sui­tes

Res­tau­ran­te A Vis­con­des­sa

Pis­ci­na ex­te­ri­or

Cen­tro de reu­niões com 5 sa­las

Sa­la de jo­gos

Par­que in­fan­til

Jar­dins

Lo­ja de pre­sen­tes

Estacionamento

Wi-fi gra­tui­to

Or­ga­ni­za­ção de ca­sa­men­tos e even­tos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.