MadCatz S.T.R.I.K.E. Tour­na­ment Edi­ti­on

Revista PCGuia Play - - Indice -

De­pois de te­rem si­do qua­se com­ple­ta­men­te pos­tos de la­do no fi­nal dos anos 90, os te­cla­dos me­câ­ni­cos ga­nha­ram no­va vi­da no mer­ca­do do ga­ming. Is­to por­que são mais re­sis­ten­tes ao ba­ter cons­tan­te das te­clas em rá­pi­da su­ces­são quan­do se es­tá a jo­gar. E por fa­lar em ga­ming, a Mad Catz é um dos fa­bri­can­te com mais per­ga­mi­nhos nes­ta área des­de os ex­ce­len­tes ra­to R.A.T. até aos joys­ticks e te­cla­dos. A mais re­cen­te adi­ção à fa­mí­lia de te­cla­dos da Mad Catz é es­te S.T.R.I.K.E. TE (Tour­na­ment Edi­ti­on), o pri­mei­ro te­cla­do me­câ­ni­co da em­pre­sa, tem 12 te­clas pro­gra­má­veis que po­dem ser con­fi­gu­ra­das com sequên­ci­as de co­man­dos de jo­go pa­ra um aces­so mais rá­pi­do. O S.T.R.I.K.E. tem uma te­cla de es­pa­ço com um re­bor­do pro­jec­ta­do pa­ra bai­xo de for­ma a fa­ci­li­tar o aces­so usan­do ape­nas a pon­ta do de­do ou o la­do do po­le­gar. O Mad Catz é ex­tre­ma­men­te bem cons­truí­do e pa­re­ce ser à pro­va de jo­ga­do­res mais fre­né­ti­cos. Por nor­ma, os te­cla­dos me­câ­ni­cos são ba­ru­lhen­tos por cau­sa dos in­ter­rup­to­res que fa­zem fun­ci­o­nar as te­clas. Es­te é bas­tan­te e, se qui­ser jo­gar à noi­te, tem de o fa­zer num sí­tio lon­ge dos quar­tos on­de o res­to da fa­mí­lia es­tá a dor­mir. Co­mo dis­se, o S.T.R.I.K.E. tem 12 te­clas pro­gra­má­veis, se­te na par­te de ci­ma e cin­co jun­to às te­clas das se­tas. Fran­ca­men­te, du­ran­te um jo­go ape­nas as que es­tão jun­to às se­tas são su­fi­ci­en­te­men­te prá­ti­cas pa­ra se­rem usa­das, vis­to que as que es­tão na par­te de ci­ma do te­cla­do es­tão tão jun­tas que gran­de par­te das ve­zes pri­me-se a te­cla (ou te­clas) er­ra­da. A te­cla de Win­dows é des­li­ga­da atra­vés de um in­ter­rup­tor jun­to às te­clas pro­gra­má­veis su­pe­ri­o­res. O soft­ware de pro­gra­ma­ção da Mad Catz nun­ca foi fá­cil de usar, mui­to por par­tir do prin­cí­pio de que to­dos es­tão fa­mi­li­a­ri­za­dos com os as­pec­tos mais obs­cu­ros da pro­gra­ma­ção de ma­cros em te­cla­dos. Fe­liz­men­te, a ver­são in­cluí­da com o S.T.R.I.K.E. foi mui­to sim­pli­fi­ca­da. Ca­da sequên­cia po­de con­ter até 36 co­man­dos que po­dem ser tem­po­ri­za­dos de for­ma que se­jam exe­cu­ta­dos cor­rec­ta­men­te. Es­te te­cla­do in­clui tec­no­lo­gia an­ti-ghos­ting, que per­mi­te car­re­gar em 30 te­clas ao mes­mo tem­po sem que blo­queie.O S.T.R.I.K.E. es­tá cheio de tec­no­lo­gia pa­ra lhe dar to­das as van­ta­gens de um te­cla­do de ga­ming. A ex­pe­ri­ên­ci­a­de uti­li­za­ção é mag­ni­fi­ca: o te­cla­do é bas­tan­te rá­pi­do na resposta, o que faz com que ra­ra­men­te fa­lhe um al­vo. No re­ver­so da me­da­lha, es­tá o ruí­do e a ar­ru­ma­ção das te­clas pro­gra­má­veis su­pe­ri­o­res. Os 150 eu­ros tam­bém não são mui­to con­vi­da­ti­vos. Mas, no ca­lor de uma par­ti­da de Coun­ter-Stri­ke ou DO­TA, qu­em é que se lem­bra dis­to? O S.T.R.I.K.E. TE é, no ge­ral, um ex­ce­len­te te­cla­do de ga­ming.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.