Tom Clancy’s Rain­bow Six Siege

A HO­RA DO CON­FRON­TO!

Revista PCGuia Play - - Indice -

AU­bi­soft per­mi­tiu à PCGUIA PLAY par­ti­ci­par na fa­se de tes­tes do pró­xi­mo epi­só­dio da sé­rie de jo­gos Rain­bow Six (ba­se­a­do nas obras de Tom Clancy), que co­lo­ca um gru­po ter­ro­ris­ta e uma equi­pa de for­ças es­pe­ci­ais fren­te-a-fren­te. Ape­nas o mo­do mul­ti­jo­ga­dor es­te­ve dis­po­ní­vel du­ran­te es­tes tes­tes. Os dois ma­pas que jo­gá­mos de­mons­tram um cui­da­do ex­tre­mo na in­tro­du­ção de to­dos os por­me­no­res pa­ra que tu­do se­ja o mais pró­xi­mo pos­sí­vel da re­a­li­da­de. Con­tu­do, al­gu­mas ac­ções po­dem pa­re­cer de­ma­si­a­do fan­ta­si­a­das, co­mo no in­te­ri­or do avião, quan­do os ter­ro­ris­tas cons­tro­em bar­rei­ras pa­ra se pro­te­ge­rem. Não cre­mos que os aviões nor­mais ofe­re­çam bar­rei­ras de fer­ro de pro­tec­ção que en­cer­ram por com­ple­to de­ter­mi­na­das zo­nas dos seus in­te­ri­o­res... Mas a ideia foi bem pen­sa­da e, de cer­ta for­ma, di­fi­cul­ta a ac­ção de ca­da um dos gru­pos. No que diz res­pei­to aos ou­tros de­ta­lhes, tu­do per­fei­to e com ca­pa­ci­da­de de nos trans­mi­tir imen­sas emo­ções. Os ob­jec­ti­vos são mui­to sim­ples: de um la­do, os ter­ro­ris­tas têm a to­do o cus­to de de­fen­der o re­fém que es­tá em seu po­der; do ou­tro, a equi­pa de for­ças es­pe­ci­ais de­ve res­ga­tar vi­vo o re­fém e ani­qui­lar, ou cap­tu­rar, ca­da um dos ter­ro­ris­tas. Num ou­tro ce­ná­rio a es­tra­té­gia man­tém-se, só que no in­te­ri­or de uma ca­sa. Apa­ren­te­men­te, é mais di­fí­cil aos ter­ro­ris­tas man­te­rem o re­fém pre­so, ao mes­mo tem­pop que nos pa­re­ceu mais fá­cil res­ga­tá-lo. Tam­bém aqui os ter­ro­ris­tas po­dem usar bar­rei­ras de aço, nes­te ca­so pa­ra re­for­çar as ja­ne­las e por­tas, de for­ma a di­fi­cul­tar a

en­tra­da das for­ças es­pe­ci­ais. Em to­dos os jo­gos o es­que­ma é idên­ti­co: de uma se­lec­ção ge­ne­ro­sa es­co­lhe­mos as ar­mas que va­mos usar, pre­pa­ra­mos e es­tu­da­mos o ce­ná­rio, bar­ri­can­do as ja­ne­las, por­tas e al­gu­mas pa­re­des e es­pe­ra­mos pe­la che­ga­da das for­ças mi­li­ta­res. Do ou­tro la­do, a es­tra­té­gia mu­da um pou­co por­que é ne­ces­sá­rio ana­li­sar o ma­pa do ce­ná­rio, ve­ri­fi­car a po­si­ção do re­fém (e de ca­da ter­ro­ris­ta) re­cor­ren­do a tec­no­lo­gia que per­mi­tir lo­ca­li­zar e de­li­ne­ar a es­tra­té­gia a se­guir. O tem­po que es­ti­ve­mos a jo­gar deu pa­ra sen­tir a ac­ção bem de per­to e o cui­da­do que a equi­pa de pro­du­ção do jo­go es­tá a ter. Tom Clancy’s Rain­bow Six Siege, se tu­do cor­rer bem, de­ve­rá ver a luz do dia em Ou­tu­bro, mes­mo a tem­po de inau­gu­rar uma no­va era nes­ta re­co­nhe­ci­da sé­rie que já nos deu tí­tu­los de gran­de qua­li­da­de.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.