Le­go Ju­ras­sic World

O RE­GRES­SO DOS DI­NOS­SAU­ROS!

Revista PCGuia Play - - Indice -

OWorld­né­do fil­me Ju­ras­sic quar­to epi­só­dio da sa­ga que se ini­ci­ou com Ju­ras­sic Park em 1993. A his­tó­ria ini­cia-se com a cri­a­ção de um par­que de di­ver­sões nu­ma ilha com di­nos­sau­ros re­ais clo­na­dos a par­tir de san­gue ex­traí­do de mos­qui­tos pré-his­tó­ri­cos que fi­ca­ram pre­sos em âm­bar. Co­mo se­ria de es­pe­rar, al­go cor­re mal e os di­nos­sau­ros aca­bam por sol­tar-se dos seus es­pa­ços e des­truir o par­que to­do mes­mo an­tes de abrir. Em Ju­ras­sic World, cu­ja a ac­ção se pas­sa dez anos de­pois dos fil­mes ori­gi­nais, o par­que aca­ba por abrir ao pu­bli­co com no­vas atrac­ções e, co­mo não po­de­ria dei­xar de ser, mais uma vez al­go cor­re mal. E as­sim co­me­ça a ac­ção do fil­me e mais não di­go pa­ra não o es­tra­gar a qu­em ain­da não viu. Tal co­mo já fez com ou­tros fil­mes, co­mo Star Wars, a Tellta­le Ga­mes cri­ou pa­ra a Le­go um jo­go em que o uti­li­za­dor po­de re­vi­ver gran­de par­te das aven­tu­ras de to­dos os fil­mes da sa­ga sob a for­ma de um, ou mais bo­ne­cos de Le­go que vão sen­do des­blo­que­a­dos ao lon­go do jo­go. Tal co­mo os ou­tros jo­gos Le­go, tam­bém es­te é um jo­go de ex­plo­ra­ção com mui­tos mi­ni-jo­gos pa­ra com­ple­tar. Qu­em já jo­gou al­gum dos ou­tros jo­gos da Le­go vai re­co­nhe­cer o ga­me­play, em que po­de des­mon­tar pra­ti­ca­men­te to­dos os ele­men­tos do ce­ná­rio, jo­gar em mo­do co­o­pe­ra­ti­vo pa­ra su­pe­rar os obs­tá­cu­los mais di­fí­ceis.

A gran­de fra­que­za des­te jo­go tem que ver com as hsi­tó­ri­as do se­gun­do e do ter­cei­ro ca­pí­tu­los da sé­rie, mui­to po­bres. Por mui­to bons que se­jam os ar­gu­men­tis­tas da TellTa­le não há mi­la­gres. O jo­go aca­ba por es­pe­lhar es­sa de­ca­dên­cia tor­nan­do-se um pou­co mo­nó­to­no em cer­tas partes. Já no que res­pei­ta à adap­ta­ção de Ju­ras­sic World, o ca­so mu­da de fi­gu­ra. Nes­te fil­me o am­bi­en­te é mui­to mais rico que o dos dois fil­mes an­te­ri­o­res, o que, por sua vez, dá mui­to mais ma­te­ri­al à Tell Ta­le Ga­mes pa­ra cri­ar um jo­go me­lhor. No en­tan­to tam­bém há aqui al­gu­mas “ben­ga­las” co­muns nos jo­gos de con­so­la que os pro­gra­ma­do­res po­di­am ter evi­ta­do, co­mo a uti­li­za­ção re­cor­ren­te do to­que em te­clas es­pe­cí­fi­cas do co­man­do pa­ra li­ber­tar a nos­sa per­so­na­gem de al­gu­mas si­tu­a­ções mais com­pli­ca­das. Um pon­to a fa­vor é a pos­si­bi­li­da­de de se jo­gar na pe­le de um di­nos­sau­ro, o que dá uma pers­pec­ti­va di­fe­ren­te. O jo­go es­tá cheio de hu­mor, co­mo sem­pre, as cut sce­nes são ge­ni­ais. A di­ver­são es­tá ga­ran­ti­da!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.