MAD CATZ R.A.T. 6

A MAD CATZ RENOVA OS RAT COM ILU­MI­NA­ÇÃO RGB.

Revista PCGuia Play - - Indices - Pe­dro Tróia

Há mui­to que tes­to os ra­tos da Mad Catz: co­me­cei pe­lo R.A.T. 7, pou­co tem­po de­pois de ter che­ga­do às lo­jas por­tu­gue­sas. Lem­bro-me de que, na al­tu­ra, dis­se que o seu de­sign era o Ovo de Co­lom­bo dos ra­tos pa­ra jo­gos. Per­mi­tia uma per­so­na­li­za­ção sem igual e foi o pri­mei­ro a ter um sis­te­ma em que a pe­ça on­de a pal­ma da mão se apoia se pro­lon­ga ao lon­go do chas­sis, o que, na prá­ti­ca, per­mi­te que o ra­to “cres­ça” ou “di­mi­nua” con­so­an­te o ta­ma­nho da mão do uti­li­za­dor. As pe­ças la­te­rais tam­bém po­dem mu­dar de po­si­ção pa­ra co­lo­car os bo­tões em po­si­ções mais na­tu­rais, con­so­an­te o ta­ma­nho dos de­dos do uti­li­za­dor. Por fim, ha­via tam­bém um sis­te­ma de pe­sos que per­mi­tia ao uti­li­za­dor tor­nar o ra­to mais pe­sa­do, ou mais le­ve, pa­ra au­men­tar ou di­mi­nuir a inér­cia.

EVO­LU­ÇÃO NA CONTINUIDADE

Pas­sa­ram-se anos e o de­sign-ba­se da ga­ma de ra­tos pa­ra jo­gos R.A.T. man­te­ve-se mais ou me­nos na mes­ma. No fi­nal de 2016, a Mad Catz lan­çou uma no­va ga­ma on­de es­tá in­cluí­do o R.A.T. 6, ana­li­sa­do nes­ta pá­gi­na, e o mi­ni­ma­lis­ta R.A.T. 1 que será ana­li­sa­do nu­ma pró­xi­ma edi­ção. Tal co­mo to­dos os mem­bros des­ta fa­mí­lia de pro­du­tos, o R.A.T. 6 tem um as­pec­to mui­to agres­si­vo, com notas a ver­me­lho no chas­sis e nas pe­ças la­te­rais, o que con­tri­bui ain­da mais vin­car es­ta ca­rac­te­rís­ti­ca de de­sign.Es­te ra­to si­tua-se no meio da ga­ma de ra­tos da Mad Catz, por is­so tem um pou­co me­nos pos­si­bi­li­da­des de per­so­na­li­za­ção. As­sim, ape­nas po­de au­men­tar ou di­mi­nuir o ta­ma­nho da área on­de a mão re­pou­sa quan­do es­tá a usá-lo. Por bai­xo, es­tão os pe­sos que po­dem ser re­mo­vi­dos in­di­vi­du­al­men­te. E pron­to, a per­so­na­li­za­ção fí­si­ca do R.A.T. 6 acaba aqui. A Mad Catz diz que há on­ze bo­tões pro­gra­má­veis, mas a re­a­li­da­de é que exis­tem no­ve, mais as du­as ro­das: a fron­tal e a la­te­ral. O R.A.T. 6 é tam­bém o pri­mei­ro pro­du­to da mar­ca com ilu­mi­na­ção RGB a que a mar­ca de­ci­diu cha­mar ‘Ka­ma­le­on’. Co­mo tem pou­ca su­per­fí­cie pa­ra ilu­mi­nar, são ape­nas três as áre­as que po­dem re­ce­ber luz: o lo­gó­ti­po, o bo­tão que ser­ve pa­ra al­te­rar a re­so­lu­ção do sen­sor e a pe­ça la­te­ral, que po­de ser pro­gra­ma­da com co­res a in­di­car o per­fil de fun­ci­o­na­men­to em que o R.A.T. es­tá.

SOFT­WARE ME­LHO­RA­DO

Es­te ra­to tem uma me­mó­ria interna que per­mi­te guar­dar até três per­fis de fun­ci­o­na­men­to. O sen­sor é um Pi­xart que po­de che­gar a uma re­so­lu­ção má­xi­ma 8200 dpi. O soft­ware de pro­gra­ma­ção pa­ra os dispositivos da Mad Catz sem­pre foi con­fu­so, mas a no­va ver­são es­tá bas­tan­te mais fá­cil de ope­rar. Tal co­mo acon­te­ceu com os ou­tros ra­tos da Mad Catz, tam­bém o R.A.T. 6 é um so­nho de usar. É mui­to con­for­tá­vel, apre­sen­ta re­sis­tên­cia aos maus tra­tos mui­to boa. A Mad Catz fez uma pe­que­na al­te­ra­ção ao chas­sis que tem mui­ta im­por­tân­cia: o ta­ma­nho do ori­fí­cio do sen­sor la­ser foi au­men­ta­do. Is­to faz com que não fi­que obs­truí­do com o uso, co­mo acon­te­cia com os mo­de­los mais an­ti­gos. De sau­dar ain­da, a presença de um bo­tão de mi­ra mai­or, do la­do es­quer­do. Es­te faz com que o sen­sor fi­que, com me­nos sen­si­bi­li­da­de pa­ra fa­ci­li­tar a vi­da dos snipers.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.