Sniper Elite 4

APE­SAR DO NO­ME, ES­TE JOGO JÁ ES­TÁ LON­GE DE SER SÓ PA­RA SNIPERS.

Revista PCGuia Play - - Indices - Pe­dro Tróia

A pri­mei­ra ideia que tem de es­que­cer quan­do pe­ga em Sniper Elite 4 é a de que se tra­ta de um jogo pu­ra­men­te ste­alth ou sne­ak’em up, que era co­mo cha­má­va­mos a es­tes jo­gos quan­do apa­re­ce­ram. Is­to por­que, as­sim que é des­co­ber­to pe­la pri­mei­ra vez a ten­tar eli­mi­nar um qual­quer ofi­ci­al na­zi, o jogo trans­for­ma-se ra­pi­da­men­te num sho­o­ter em que (às ve­zes) dá pa­ra an­dar es­con­di­do e eli­mi­nar os ini­mi­gos sem dar mui­to nas vis­tas. Sniper Elite 4 pas­sa-se em Itá­lia du­ran­te a Segunda Guer­ra Mundial e, co­mo acon­te­ceu nos ou­tros epi­só­di­os da sé­rie, a nos­sa per­so­na­gem é um mis­to de sniper e agen­te-se­cre­to que tem de eli­mi­nar ofi­ci­ais su­pe­ri­o­res da for­ça de ocu­pa­ção ale­mã, rou­bar os pla­nos de mo­vi­men­ta­ções de tro­pas e ma­te­ri­al ou ain­da aca­bar com uma pon­te pa­ra cor­tar as li­nhas de abas­te­ci­men­to do ini­mi­go. E, pa­ra con­se­guir le­var a ca­bo es­tas mis­sões, po­de ali­ar-se aos guer­ri­lhei­ros da re­sis­tên­cia ou à má­fia, que aju­da bas­tan­te a de­tec­tar os sí­ti­os on­de se es­con­dem

Pa­ra con­se­guir le­var a ca­bo es­tas mis­sões, po­de ali­ar-se aos guer­ri­lhei­ros da re­sis­tên­cia ou à má­fia.

os ob­jec­ti­vos. Ao con­trá­rio de ou­tros jo­gos, em Sniper Elite não há gad­gets ul­tra-avan­ça­dos pa­ra nos dar vantagem so­bre o ini­mi­go; ao con­trá­rio dis­so começamos ape­nas com uma es­pin­gar­da (ob­vi­a­men­te), uma me­tra­lha­do­ra, uma pis­to­la, kits mé­di­cos, mi­nas e ex­plo­si­vos. Se qui­ser jo­gar Sniper Elite 4 da for­ma que é su­pos­to (co­mo um sniper), o jogo re­quer mui­ta pa­ci­ên­cia – co­mo não há si­len­ci­a­do­res, ape­nas al­gu­mas (pou­cas) ba­las “si­len­ci­o­sas”, tem de es­pe­rar o mo­men­to cer­to pa­ra dis­pa­rar. Por ‘mo­men­to cer­to’ leia-se um ‘avião a pas­sar por ci­ma do ma­pa’, ‘ti­ros de ar­ti­lha­ria’ ou qual­quer ou­tra coi­sa que fa­ça ba­ru­lho su­fi­ci­en­te pa­ra aba­far o som dos nos­sos ti­ros. Quan­do dis­pa­ra e não acer­ta no seu al­vo, os ini­mi­gos po­dem ou­vir. A par­tir da­qui, o jogo tem dois mo­men­tos: pri­mei­ro, os ini­mi­gos es­con­dem-se; de­pois, se vol­tar a dis­pa­rar sem mu­dar de sí­tio, co­me­çam-no a pro­cu­rar ac­ti­va­men­te (é aqui que a coi­sa se trans­for­ma num sho­o­ter). Se con­se­guir es­con­der-se du­ran­te al­gum tem­po, os sol­da­dos dei­xam de o pro­cu­rar e vol­tam aos lu­ga­res em que es­ta­vam no início, tal co­mo acon­te­ce com pra­ti­ca­men­te to­dos os jo­gos que usam sistemas de com­ba­te des­te gé­ne­ro. Quan­do acer­ta num al­vo, Sniper Elite 4 mos­tra-lhe uma vi­são ‘raio-x’ do sol­da­do

ini­mi­go pa­ra ver on­de a sua ba­la acaba por acer­tar, uma fe­a­tu­re que já exis­tia nas ver­sões an­te­ri­o­res. O ní­vel de di­fi­cul­da­de dos ti­ros po­de ser al­te­ra­do pe­lo jo­ga­dor. Po­de­mos ter um jogo cheio de as­sis­tên­ci­as, qua­se um exer­cí­cio de apon­tar, dis­pa­rar, ma­tar, ou um ce­ná­rio que é qua­se uma si­mu­la­ção. Aqui, te­mos de ter em con­ta as mes­mas coisas que um sniper “à sé­ria” tem, quan­do es­tá no cam­po de ba­ta­lha, no­me­a­da­men­te fac­to­res co­mo o vento, a dis­tân­cia, o peso da ba­la, en­tre ou­tros.

UM AR­SE­NAL VARIADO

Exis­tem vá­ri­as ar­mas que vão sen­do des­blo­que­a­das à me­di­da que pro­gri­de e ou­tras tan­tas que só po­dem ser usa­das atra­vés da aqui­si­ção de um DLC. Uma das coisas mais ir­ri­tan­tes de Sniper Elite 4 são os au­to­sa­ves, que têm a ten­dên­cia pa­ra se­rem fei­tos exac­ta­men­te quan­do se es­tá no meio das si­tu­a­ções mais “ca­be­lu­das”, o que cor­ta a li­nha de ra­ci­o­cí­nio e po­de fa­zer a di­fe­ren­ça en­tre ma­tar e ser mor­to. Es­te jogo disponibiliza tam­bém um mo­do de jogo co­o­pe­ra­ti­vo que, co­mo no me in­di­ca, po­de ser jo­ga­do a dois (pe­lo me­nos) e que in­tro­duz mé­to­dos de jo­gos di­fe­ren­tes, co­mo o de so­bre­vi­vên­cia, em que te­mos de de­fen­der uma ba­se de va­gas su­ces­si­vas de ini­mi­gos. Um ou­tro mo­do mul­ti­player en­gra­ça­do (e ori­gi­nal) é o ‘Dis­tan­ce King’ uma es­pé­cie de de­ath­mat­ch em que se com­pe­te com os ou­tros jo­ga­do­res em dis­tân­cia a que se con­se­guem eli­mi­nar os ini­mi­gos e não pe­la quan­ti­da­de de sol­da­dos mor­tos. Ou­tro é o mo­do ‘No Cross’ em que exis­te uma li­nha no ma­pa que ne­nhum dos jo­ga­do­res po­de ul­tra­pas­sar, o que obri­ga a que to­das as eli­mi­na­ções te­nham de ser fei­tas à dis­tân­cia.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.