FIFA 18 vs. PES 2018

ROLA A BOLA EN­TRE OS DOIS MAI­O­RES JO­GOS RI­VAIS DE SEM­PRE!

Revista PCGuia Play - - ÍNDICE - Ri­car­do Du­rand

Tal co­mo as rou­lot­tes de bi­fa­nas não fa­lham em di­as de jo­gos da bola, tam­bém Ko­na­mi e Elec­tro­nic Arts não fa­lham há já qua­se vin­te anos na al­tu­ra de lan­çar as su­as no­vas ver­sões de FIFA e PES (que já foi ISS Pro). E cla­ro, co­mo em qu­al­quer jo­go de fu­te­bol, há três re­sul­ta­dos pos­sí­veis: em­pa­te, der­ro­ta ou vi­tó­ria. As­sim, to­dos os anos, há lu­gar a uma com­pa­ra­ção en­tre PES e FIFA pa­ra sa­ber co­mo é que os “trei­na­do­res” (leia-se, as ‘edi­to­ras’) pre­pa­ra­ram o seu plan­tel pa­ra o jo­go do ano.

DLC EM VEZ DE JO­GOS NO­VOS

Con­fes­so que es­ta ri­va­li­da­de en­tre PES e FIFA já me can­sa. O cor­po e a men­te. To­dos os anos é a mes­ma his­tó­ria: me­lho­rá­mos a jogabilidade, os grá­fi­cos, os mo­dos de jo­go, há mais re­a­lis­mo, há mais imer­são, há mais emo­ti­vi­da­de. De­pois, ex­pe­ri­men­ta­mos o jo­go, e, quem já o faz há qua­se dez anos, não no­ta qua­se na­da de as­sim tão ex­tra­or­di­ná­rio. Am­bos os mo­to­res grá­fi­cos e a jogabilidade pa­re­cem que es­tão no seu li­mi­te e que, por is­so, che­ga­ram a um pe­río­do de es­tag­na­ção. Mas is­to não sig­ni­fi­ca, cla­ro, que os dois jo­gos se­jam maus, mui­to pe­lo con­trá­rio. O que acon­te­ce é que as ino­va­ções fa­ce aos an­te­ri­o­res tí­tu­los são mui­to pou­cas. Na mi­nha opi­nião, bas­ta­va que am­bas as edi­to­ras lan­ças­sem DLC com a ac­tu­a­li­za­ção

de plan­téis, equi­pa­men­tos, li­gas, equi­pas (en­tre as que so­bem e des­cem de di­vi­são) pa­ra que eu fos­se um jo­ga­dor mais fe­liz a ca­da ano que pas­sa. Quan­do hou­ves­se en­tão aque­le su­bir pa­ra um pró­xi­mo ní­vel em ter­mos de mo­to­res grá­fi­cos e jogabilidade (se­rá que con­se­gue ser mes­mo me­lhor do que o que te­mos ho­je?), aí sim, Ko­na­mi e EA po­de­ri­am im­pin­gir um DVD com­ple­to.

OS NOMES, AI OS NOMES...

O que é cu­ri­o­so é que a EA já faz is­to com a Le­gacy Edi­ti­on, mas ape­nas pa­ra PS3. Se op­tar­mos por es­ta ver­são, fi­ca­mos sem al­gu­mas no­vi­da­des in­tro­du­zi­das na ver­são 2018, mas há a ga­ran­tia de ter­mos equi­pas ac­tu­a­li­za­das. Cla­ro, que qu­al­quer trans­fe­rên­cia se re­sol­ve com um up­da­te, mas PES, por exem­plo, con­ti­nua a ter o pro­ble­ma de nos apre­sen­tar plan­téis que na­da têm a ver com os ac­tu­ais, ain­da sem mui­tas das trans­fe­rên­ci­as do mer­ca­do de Ve­rão. Des­ta for­ma, pa­re­ce que es­ta­mos a jo­gar com a ver­são de 2017, já pa­ra não fa­lar da fal­ta de li­cen­ças que, pa­ra mim, é es­sen­ci­al pa­ra ter­mos um jo­go cre­dí­vel e emo­ti­vo. Por exem­plo, pre­fe­ria com­prar um jo­go de au­to­mó­veis que em vez de ter a Fer­ra­ri, a

Mer­ce­des ou a Toyo­ta nos des­se car­ros co­mo a Black Hor­se­cão, e Th­ree Sta­ren­se e a Ja­pan To­ta­to­la? É cer­to que FIFA tam­bém tem al­gu­mas equi­pas que não têm o no­me cor­rec­to e o res­pec­ti­vo em­ble­ma, mas não é uma fal­ta com­pa­rá­vel aos nomes ab­sur­dos da­dos pe­la equi­pa da Ko­na­mi às equi­pas das quais não têm di­rei­tos. Por exem­plo, no jo­go da Elec­tro­nic Arts, e no que res­pei­ta à Li­ga NOS (cam­pe­o­na­to na­ci­o­nal), ape­nas Clu­be Des­por­ti­vo Fei­ren­se, Clu­be Des­por­ti­vo Ton­de­la e Gru­po Des­por­ti­vo de Cha­ves não têm o em­ble­ma cor­rec­to, mas man­têm os nomes per­fei­ta­men­te re­co­nhe­cí­veis: F. San­ta Ma­ria da Fei­ra, Ton­de­la e Cha­ves. Ou se­ja, in­te­li­gen­te­men­te, a EA deu o no­me das ci­da­des aos três clu­bes, o que, ven­do bem as coi­sas, aca­ba por ir dar ao mes­mo.

JO­GO JO­GA­DO

É ver­da­de que to­dos os clu­bes que par­ti­ci­pam na Li­ga dos Cam­peões es­tão cor­rec­tos, fru­to dos acor­dos com a UEFA, mas de­pois o res­to aca­ba por fa­zer com que o jo­go pa­re­ça dis­pu­tar-se num mun­do à par­te. Co­mo re­fe­ri, FIFA tam­bém não tem to­dos os clu­bes com o no­me cer­to, mas a di­fe­ren­ça é abis­mal. On­de o jo­go da EA tam­bém ga­nha é na quan­ti­da­de de mo­dos de jo­go disponíveis, on­de A Ca­mi­nha­da nos

dá a se­que­la da his­tó­ria de Alex Hun­ter com con­tor­nos mais ne­gros (pa­re­ce um jo­go ro­le play à par­te) e FUT con­ti­nua a ser uma das es­tre­las do plan­tel. Em PES, no­ta-se que a Ko­na­mi es­tá a tra­ba­lhar pa­ra se co­lar aos mo­dos de jo­go do ri­val e ain­da ino­va com co-op on­li­ne de 3 vs 3. Mas tam­bém há, cla­ro, um mo­do de car­rei­ra on­de po­de­mos cri­ar o nosso jo­ga­dor e ir cres­cen­do pa­ra nos tor­nar­mos no no­vo Cris­ti­a­no Ro­nal­do ou Li­o­nel Mes­si. No cam­po da jogabilidade, há me­lho­ri­as nos dois jo­gos, mas FIFA apre­sen­ta-se mais só­li­do e en­tro­sa­do no rel­va­do, mas há ac­ções que con­ti­nu­am de­ma­si­a­do len­tas. Por exem­plo, te­mos de es­pe­rar uma pe­que­na eter­ni­da­de pa­ra fa­zer com que o guar­da-re­des re­po­nha a bola em cam­po de­pois de fa­zer uma de­fe­sa, sen­do im­pos­sí­vel apa­nhar a equi­pa ad­ver­sá­ria em con­tra­pé. A for­ma de mar­car os pe­nál­tis mu­dou, mas con­ti­nua a ser um au­tên­ti­co de­sas­tre: é im­pres­si­o­nan­te co­mo a EA es­tra­ga com­ple­ta­men­te este mo­men­to do jo­go com se­tas e se­ti­nhas de di­rec­ção, que só ser­vem pa­ra atra­pa­lhar. Já em PES fal­tam for­mas de es­con­der a bola e é al­go fácil de­sar­mar um ad­ver­sá­rio. Con­tu­do, aqui a ac­ção é mais

rá­pi­da e os mo­vi­men­tos mais sol­tos. Ac­ções co­mo a de re­ma­tar ou fa­zer um pas­se a des­mar­car são mui­to mais sim­ples e têm mais sucesso no jo­go da Ko­na­mi. Ex­pe­ri­men­te re­ma­tar ain­da lon­ge da ba­li­za e po­de ser que te­nha uma ex­ce­len­te sur­pre­sa. Por is­so, se a ideia é jo­gar um tí­tu­lo mais ar­ca­de, a Ko­na­mi con­ti­nua a ter a me­lhor op­ção, pois to­do o jo­go pa­re­ce mais vi­ra­do pa­ra o jo­go jo­ga­do e menos pa­ra as tác­ti­cas. A pro­du­to­ra ja­po­ne­sa tam­bém tem es­ta­do a fa­zer um com tra­ba­lho no que res­pei­ta à mú­si­ca e, este ano, tem nomes co­mo Bru­no Mars, Blon­die, Jo­nas Blue e Lin­kin Park. Ain­da as­sim, a ban­da so­no­ra de FIFA es­tá num ní­vel su­pe­ri­or, com nomes co­nhe­ci­dos co­mo Lor­de, alt-J, The War On Drugs, Slow­di­ve The Na­ti­o­nal, Portugal. The Man, The xx e ou­tros que se po­dem tor­nar um ca­so sé­rio de po­pu­la­ri­da­de: en­tre es­tes, o bel­ga Ba­lo­ji ou a aus­tra­li­a­na Trasha Sul­ta­na. Aliás, se há coi­sa a que se po­de ba­ter pal­mas a FIFA é na qu­a­li­da­de da play­list que nos ofe­re­ce a ca­da ano e que me­re­cia ser edi­ta­da num dis­co que acom­pa­nhas­se o jo­go.

PES 2018

Am­bos os mo­to­res grá­fi­cos e a jogabilidade es­tão no seu li­mi­te.

A fal­ta de li­cen­ças das equi­pas em PES 2018 é inul­tra­pas­sá­vel.

FIFA 18 traz a con­ti­nu­a­ção da aven­tu­ra de Alex Hun­ter.

PES me­lho­rou na ban­da so­no­ra, mas é FIFA que tem a me­lhor play­list.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.