Middle Earth: Shadow of Mordor

DE VOL­TA A MORDOR

Revista PCGuia Play - - ÍNDICE - Pe­dro Tróia

D epois da no­va vi­são so­bre o uni­ver­so de Se­nhor do Anéis, cri­a­do por J.R.R. Tol­ki­en, que nos trou­xe Middle-Earth: Shadow of Mordor (2014), eis que, pas­sa­dos três anos é lan­ça­do o se­gun­do epi­só­dio des­ta sa­ga: Middle-Earth: Shadow of War. Nes­te jo­go, que tem um ma­pa subs­tan­ci­al­men­te mai­or que o an­te­ri­or, con­ti­nu­a­mos a se­guir as aven­tu­ras de Ta­li­on, um ran­ger morto-vi­vo, cu­jo es­pí­ri­to se fun­diu com o do el­fo Ce­le­brim­bor, um dos cri­a­do­res dos no­ve anéis do po­der que fo­ram dis­tri­buí­dos pe­las vá­ri­as ra­ças que vi­vi­am na Ter­ra Mé­dia. A jun­ção dos es­pí­ri­tos des­tas du­as per­so­na­gens nas­ceu da von­ta­de de Ce­le­brim­bor de se vin­gar de Sau­ron, o se­nhor do mal, que vive em Mordor ro­de­a­do de Orcs e ou­tras cri­a­tu­ras ma­lé­vo­las. Vol­tan­do à his­tó­ria des­te no­vo epi­só­dio, que se pas­sa pou­co tem­po após a ac­ção do pri­mei­ro, os exér­ci­tos de orcs de Sau­ron es­tão pres­tes a in­va­dir os rei­nos dos ho­mens e Ta­li­on tem co­mo pri­mei­ro ob­jec­ti­vo, usar um no­vo anel de po­der pa­ra cri­ar um exér­ci­to que con­si­ga der­ro­tar a in­va­são. Se adi­ci­o­nar­mos a tu­do is­to a cres­cen­te ame­a­ça dos Naz­gul. No­te-se que Ta­li­on não é de to­do co­mo os he­róis a que Tol­ki­en nos ha­bi­tu­ou nas su­as obras, chei­os de vir­tu­des e von­ta­de de ven­cer o mal fa­zen­do ape­nas o bem. Pe­lo con­trá­rio, Ta­li­on es­tá dis­pos­to a ma­tar e es­cra­vi­zar tu­do o que lhe apa­re­cer à fren­te.

MUN­DO ABER­TO

Shadow of War é um jo­go de mun­do aber­to em que, ti­ran­do as mis­sões de his­tó­ria, o res­to po­de ser fei­to pe­la or­dem que o uti­li­za­dor qui­ser. Tu­do nes­te mun­do ima­gi­ná­rio po­de ser tre­pa­do por Ta­li­on e mes­mo quan­do não há for­ma de che­gar a um de­ter­mi­na­do lu­gar, o im­pul­so que se con­se­gue dar à nos­sa per­so­na­gem po­de fa­zê-la al­can­çá-lo. Shadow of War tem um sis­te­ma de con­tro­lo equi­li­bra­do, que per­mi­te a Ta­li­on con­tro­lar com­ple­ta­men­te as ba­ta­lhas em que se en­vol­ve com a mul­ti­tu­de de cri­a­tu­ras que

po­vo­am o mun­do. As ba­ta­lhas são sem­pre di­fe­ren­tes e o jo­ga­dor po­de es­co­lher a for­ma co­mo as abor­da: po­de ser fur­ti­vo ou en­trar a ma­tar. Ou­tra op­ção é a pos­si­bi­li­da­de de li­ber­tar cri­a­tu­ras sel­va­gens que eli­mi­nam gran­de par­te dos ini­mi­gos an­tes de ter de su­jar as mãos. Tal co­mo nou­tros jo­gos des­te ti­po, exis­te uma skill-tree que vai po­den­do ser pre­en­chi­da com no­vas ca­pa­ci­da­des à me­di­da que Ta­li­on vai pro­gre­din­do no jo­go atra­vés do cum­pri­men­to de mis­sões.

INI­MI­GOS OU ALI­A­DOS?

Ape­sar de ha­ver mui­ta mor­tan­da­de, em Shadow of War não se po­de ma­tar tu­do o que se vê, por­que, co­mo vi­mos no iní­cio, o ob­jec­ti­vo é cri­ar um exér­ci­to. E o mé­to­do é atra­vés do sis­te­ma Ne­me­sis. Aqui, o jo­ga­dor po­de de­fron­tar ca­pi­tães orc, ca­da um com vá­ri­as ca­pa­ci­da­des es­pe­ci­ais. Po­de eli­mi­ná-los ou do­mi­ná-los pa­ra que fi­quem sob o seu con­tro­lo. De­pois po­dem ser os seus guar­da cos­tas ou po­de en­viá-los em mis­sões. Mas o ob­jec­ti­vo é mes­mo trans­for­má-los em ge­ne­rais pa­ra o seu exér­ci­to fi­car mais for­te e, as­sim, po­der con­quis­tar Mordor. Pa­ra tal, te­rá de con­quis­tar e de­pois de­fen­der for­ta­le­zas es­pa­lha­das pe­lo ma­pa. Vi­su­al­men­te, Shadow of War es­tá mui­to bem con­se­gui­do. Se ti­ver uma Xbox One X po­de jo­gá-lo em 4K com HDR o que ain­da me­lho­ra mais os já de si bons grá­fi­cos.

As ba­ta­lhas são sem­pre di­fe­ren­tes e o jo­ga­dor po­de es­co­lher a for­ma co­mo as abor­da.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.