Nin­ten­do SNES Clas­sic Mi­ni

DE­POIS DO SUCESSO DA NES CLAS­SIC MI­NI, A NIN­TEN­DO ES­TÁ DE VOL­TA COM UMA MICRO-CON­SO­LA CHEIA DE JO­GOS MEMORÁVEIS.

Revista PCGuia Play - - ÍNDICE - Pe­dro Tróia

Pa­ra ca­val­gar a on­da do re­vi­va­lis­mo dos anos oi­ten­ta do sé­cu­lo pas­sa­do, que tem vin­do a fa­zer-se sen­tir nos úl­ti­mos tem­pos em as­pec­tos co­mo a re­cu­pe­ra­ção da uti­li­za­ção de dis­cos de vi­nil ou na es­té­ti­ca de sé­ri­es de sucesso co­mo Stran­ger Things da Net­flix, a Nin­ten­do lan­çou pri­mei­ro a NES Clas­sic Mi­ni uma re­pro­du­ção em mi­ni­a­tu­ra da sua con­so­la Nin­ten­do En­ter­tain­ment Sys­tem, a sua pri­mei­ra con­so­la a uti­li­zar car­tu­chos ROM co­mo meio de dis­tri­bui­ção de jo­gos.

PE­QUE­NO É BO­NI­TO

A NES Clas­sic Mi­ni é uma có­pia exac­ta do ori­gi­nal, mas com di­men­sões mui­to mais pe­que­nas. Mas, ao con­trá­rio do ori­gi­nal, não uti­li­za car­tu­cho co­mo su­por­te pa­ra os jo­gos. Em vez dis­so, os jo­gos es­tão já pré-gra­va­dos no firmwa­re da con­so­la. O sucesso foi tan­to que a em­pre­sa não con­se­guiu acom­pa­nhar as en­co­men­das e, du­ran­te me­ses, as con­so­las es­ti­ve­ram es­go­ta­das em to­do o mun­do. Ago­ra, apa­re­ce a Su­per NES Clas­sic Mi­ni, uma re­pro­du­ção em mi­ni­a­tu­ra da con­so­la da ge­ra­ção se­guin­te que já ti­nha um pro­ces­sa­dor de 16 bits, mui­to mais po­ten­te que o da NES ori­gi­nal, e que tam­bém re­cor­ria a tam­bém car­tu­chos, co­mo meio de dis­tri­bui­ção dos jo­gos.Tal co­mo acon­te­ceu com a NES Clas­sic Mi­ni, a SNES Clas­sic Mi­ni é uma re­pro­du­ção ao de­ta­lhe da con­so­la ori­gi­nal. In­clui dois co­man­dos iguais, em ta­ma­nho re­al, com uma di­fe­ren­ça pa­ra os da SNES: a li­ga­ção uti­li­za­da é igual à dos co­man­dos da NES, mais por uma ques­tão de es­pa­ço que ou­tra coi­sa, vis­to que se a Nin­ten­do in­cluís­se as en­tra­das do ori­gi­nal, a con­so­la te­ria de ser subs­tan­ci­al­men­te mai­or.

ENTRADA FRONTAL

As en­tra­das pa­ra os co­man­dos es­tão es­con­di­das por trás de uma pe­que­na por­ta na zo­na frontal on­de se li­ga­ri­am os co­man­dos se es­ta fos­se uma Su­per Nin­ten­do de ta­ma­nho re­al. Es­ta por­ta tem um as­pec­to um pou­co frá­gil e, de cer­te­za, que se­rá uma das pri­mei­ras coi­sas a es­tra­ga­rem-se com o uso. Há ou­tra di­fe­ren­ça pa­ra o mo­de­lo em mi­ni­a­tu­ra an­te­ri­or: a Su­per NES Clas­sic Mi­ni já in­clui dois co­man­dos na cai­xa, en­quan­to na NES Clas­sic, o se­gun­do co­man­do era op­ci­o­nal. A Nin­ten­do tam­bém foi uma pou­co mais ge­ne­ro­sa com o com­pri­men­to dos ca­bos dos co­man­dos que na NES Clas­sic , que obri­ga­vam o uti­li­za­dor a es­tar em ci­ma da te­le­vi­são de tão cur­tos que eram. Mes­mo as­sim, po­di­am ter si­do um pou­qui­nho mais ge­ne­ro­sos, por­que os ca­bos ain­da são al­go cur­tos.

ca­bo HDMI e a alimentação eléc­tri­ca é atra­vés de um ca­bo USB, que po­de ser li­ga­do di­rec­ta­men­te a uma entrada USB da TV ou a um trans­for­ma­dor des­de que te­nha uma saí­da USB. Mas aten­ção: não vai en­con­trar este ele­men­to na em­ba­la­gem. Tam­bém, tal co­mo acon­te­ceu com a pri­mei­ra con­so­la mi­ni­a­tu­ri­za­da da Nin­ten­do, os 21 jo­gos in­cluí­dos nes­ta es­tão guar­da­dos na pró­pria con­so­la. Quan­do se li­ga a con­so­la apa­re­ce um me­nu com os jo­gos, o uti­li­za­dor es­co­lhe com o co­man­do e co­me­ça lo­go a jo­gar. Pa­ra al­ter­nar en­tre os jo­gos, o uti­li­za­dor tem de pre­mir o bo­tão ‘Re­set’ na con­so­la. Os 21 jo­gos cor­res­pon­dem a uma per­cen­ta­gem mí­ni­ma dos tí­tu­los disponíveis, prin­ci­pal­men­te se con­si­de­rar­mos que fo­ram edi­ta­dos 784 jo­gos pa­ra es­ta con­so­la. No en­tan­to, se for um pou­co en­ge­nho­so, vai con­se­guir gra­var e usar mais jo­gos na SNES Clas­sic Mi­ni atra­vés de um hack lan­ça­do re­cen­te­men­te. Nes­te ca­so, o Go­o­gle se­rá o seu me­lhor ami­go.

PLUG AND PLAY. LI­TE­RAL­MEN­TE!

Os jo­gos es­tão reu­ni­dos num me­nu que lhe dá aces­so rá­pi­do e exis­te tam­bém a hi­pó­te­se de gra­var a pro­gres­são pa­ra que não te­nha de os rei­ni­ci­ar ca­da vez que li­ga a con­so­la. Uma no­vi­da­de é a pos­si­bi­li­da­de de se es­co­lher en­tre vá­ri­os pon­tos de sa­ve dos jo­gos o que ser­ve pa­ra re­gres­sar a ou­tras zo­nas do jo­go em vez de ter ape­nas a úl­ti­ma. Ex­cep­tu­an­do a por­ta que pro­te­ge as en­tra­das dos co­man­dos, a qu­a­li­da­de de cons­tru­ção tan­to da con­so­la, co­mo dos co­man­dos, é ex­ce­len­te e a aten­ção ao de­ta­lhe é es­pan­to­sa. Até os bo­tões fa­zem as mes­mas fun­ções que no ori­gi­nal, com a ex­cep­ção ób­via do bo­tão ‘Eject’ dos car­tu­chos que só exis­te pa­ra com­ple­tar a re­pro­du­ção, já que não exis­tem car­tu­chos pa­ra in­se­rir ou ejec­tar. No que res­pei­ta à ex­pe­ri­ên­cia de uti­li­za­ção, es­ta con­so­la ofe­re­ce tu­do o que a ori­gi­nal ti­nha e mui­to mais. Na NES Clas­sic Mi­ni ha­via um pe­que­no lag en­tre o co­man­do e a con­so­la que mui­tas ve­zes ti­nha de ser com­pen­sa­do com in­puts um pou­co mais rá­pi­dos do uti­li­za­dor. Um exem­plo é o do Pac-Man: an­tes de che­gar a uma cur­va, tí­nha­mos de pre­mir o bo­tão pa­ra cur­var se­não fa­lha­va a ma­no­bra. Nes­ta, tu­do fun­ci­o­na co­mo de­ve ser e não há qu­al­quer lag per­cep­tí­vel.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.