Total War Are­na

A SA­GA TOTAL WAR MU­DOU DE FOR­MA­TO, MAS TE­RÁ MAN­TI­DO A FÓRMULA VICIANTE?

Revista PCGuia Play - - ÍNDICE - Gustavo Di­as

Já lá vão de­zoi­to anos des­de que a Cre­a­ti­ve As­sem­bly lan­çou o pri­mei­ro tí­tu­lo da sé­rie Total War, com Sho­gun, que re­cri­a­va as fa­mo­sas ba­ta­lhas en­tre clãs ja­po­ne­ses. A acei­ta­ção do jo­go foi tal que, des­de en­tão, já saí­ram mais do­ze títulos da sa­ga, fo­ra os spin-off, que per­mi­ti­ram re­cri­ar ba­ta­lhas me­di­e­vais, guer­ras no tem­po do Impé­rio Ro­ma­no e in­va­sões fran­ce­sas com Na­po­leão, en­tre ou­tras. Pa­ra ga­ran­tir o sucesso con­ti­nu­a­do da sé­rie, a Cre­a­ti­ve As­sem­bly, em con­jun­to com a SEGA, che­gou a acordo com a War­ga­ming, pa­ra adap­tar o mo­de­lo de jo­go da sa­ga Total War ao con­cei­to free-to-play, tão ca­rac­te­rís­ti­co des­ta edi­to­ra e que podemos ver em títulos co­mo World of Tanks, World of Warships e World of War­pla­nes. Total War: Are­na pas­sa a fun­ci­o­nar ex­clu­si­va­men­te em mo­do mul­ti­player, sen­do pos­sí­vel com­ba­ter ad­ver­sá­ri­os ar­ti­fi­ci­ais, cri­a­dos pe­lo pró­prio mo­tor de jo­go até atin­gir o ní­vel IV, al­tu­ra em que dei­xam de existir, pas­san­do to­dos os ad­ver­sá­ri­os a se­rem “en­car­na­dos” por ou­tros jogadores li­ga­dos aos ser­vi­do­res da War­ga­ming. O mo­do de jo­go é uma adap­ta­ção da sa­ga Total War com o for­ma­to bem-su­ce­di­do da War­ga­ming, com a re­cri­a­ção de ba­ta­lhas on­de dez jogadores nu­ma fac­ção com­ba­tem con­tra ou­tra fac­ção, tam­bém ela com dez jogadores. Ca­da um de nós con­tro­la três ba­ta­lhões, po­den­do es­co­lher di­ver­sos ti­pos: in­fan­ta­ria, ca­va­la­ria, en­ge­nhei­ros (fun­da­men­tais pa­ra ar­ma­men­to es­pe­cí­fi­co co­mo ca­ta­pul­tas) e ou­tros. Te­mos ain­da aces­so a um total de tre­ze co­man­dan­tes his­tó­ri­cos, co­mo Julio Cé­sar ou Ger­ma­ni­cus (ro­ma­nos), Rei Leó­ni­das ou Ale­xan­dre o Gran­de (gre­gos) ou Ar­mi­nius (bár­ba­ros). Até ago­ra fo­ram re­cri­a­dos onze ma­pas ins­pi­ra­dos em ba­ta­lhas his­tó­ri­cas. Co­mo é ha­bi­tu­al, à me­di­da que vai pro­gre­din­do, po­de­rá fa­zer evo­luir os seus ba­ta­lhões, e res­pec­ti­vos equi­pa­men­tos, em­bo­ra, co­mo é tra­di­ci­o­nal com qual­quer tí­tu­lo free-to-play, pos­sa pa­gar pa­ra pro­gre­dir de for­ma mais rá­pi­da, ga­ran­tin­do mai­or pro­ba­bi­li­da­de de sucesso.

Em­bo­ra Total War: Are­na se­ja gra­tui­to, po­de­rá subs­cre­ver uma con­ta pre­mium pa­ra a ganhar mais pontos por vi­tó­ria e, as­sim, fa­zer evo­luir mais ra­pi­da­men­te os seus ba­ta­lhões.

Es­ta po­de­rá ser a so­lu­ção ide­al pa­ra qu­em quei­ra usar ba­ta­lhões mais avan­ça­dos, co­mo os im­pres­si­o­nan­tes ele­fan­tes car­re­ga­dos de sol­da­dos e es­pi­gões nas su­as costas. Gra­fi­ca­men­te Total War: Are­na con­ven­ce, com ani­ma­ções individuais de ca­da sol­da­do dos di­ver­sos ba­ta­lhões, em­bo­ra al­guns efei­tos no ce­ná­rio ain­da pre­ci­sem de ser afi­na­dos, pa­ra con­fe­rir um mai­or re­a­lis­mo. Se gos­ta des­te jo­go, su­ge­ri­mos:

Le­a­gue of Le­gends, Total War: Warham­mer II

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.