NO MAN'S SKY

Revista PCGuia Play - - DICAS -

Ex­plo­ra­ção es­pe­ci­al na sua for­ma mais pu­ra. É is­to que pro­me­te No Man’s Sky. O jo­go saiu em 2016 e, des­de aí, te­ve vá­ri­as ac­tu­a­li­za­ções e me­lho­ra­men­tos que trou­xe­rem coi­sas co­mo a pos­si­bi­li­da­de de cons­truir ba­ses e jo­gar online.

Co­mo há mais pla­ne­tas que ho­ras no res­to dos di­as da nos­sa vi­da, is­to po­de pa­re­cer al­go tão gran­di­o­so que faz com que se pos­sa sen­tir al­go per­di­do. Pa­ra ter­mos uma aju­da fi­cam aqui al­gu­mas di­cas pa­ra con­se­guir che­gar fa­cil­men­te on­de mais nin­guém che­gou nes­te jo­go da Hel­lo Ga­mes.

A FOR­MA CER­TA DE CONS­TRUIR UMA BA­SE

A úl­ti­ma ac­tu­a­li­za­ção de No Man’s Sky trou­xe al­gu­mas al­te­ra­ções na for­ma co­mo se cri­am as ba­ses. Ago­ra po­de­mos cons­truir, pra­ti­ca­men­te, em qual­quer sí­tio de um pla­ne­ta em vez de lo­cais pré-se­lec­ci­o­na­dos. Pa­ra co­me­çar, te­mos de es­co­lher um lo­cal; de­pois, ao car­re­gar na te­cla com a se­ta pa­ra ci­ma te­mos aces­so ao me­nu de cons­tru­ção, a par­tir do qual é pos­sí­vel cons­truir um Ba­se Com­pu­ter. O ma­te­ri­al usa­do pa­ra cons­truir a ba­se se­rá o Ch­ro­ma­tic Me­tal que te­mos de pro­du­zir, se ain­da não ti­ver­mos. Pa­ra is­so, de­ve­mos cons­truir um Por­ta­ble Re­fi­ner a par­tir do mes­mo me­nu e, de­pois, in­se­rir os se­guin­tes me­tais pa­ra ob­ter Ch­ro­ma­tic Me­tal: Co­bre (Cop­per), Cád­mio (Cad­mium), Es­me­ril ou Ín­dio (In­dium). De­pois de aca­bar de cons­truir o Ba­se Com­pu­ter, po­de­mos co­me­çar a cri­ar a nos­sa ba­se. Exis­tem mi­lha­res de ob­jec­tos que po­de­mos usar, por is­so é sem­pre pos­sí­vel cri­ar al­go úni­co. Co­me­ça­mos por cons­truir um Cons­truc­ti­on Ter­mi­nal e con­tra­tar um Over­se­er, pa­ra nos dar al­gu­mas ta­re­fas pa­ra ga­nhar di­nhei­ro ra­pi­da­men­te. De­pois, po­de­mos cons­truir um Agri­cul­tu­ral Ter­mi­nal pa­ra plan­tar coi­sas e con­tra­tar um agri­cul­tor que vai me­lho­rar as nos­sas plan­tas e cri­ar dez es­pé­ci­es ex­clu­si­vas pa­ra a nos­sa ba­se.

EN­CON­TRAR OU­TROS JO­GA­DO­RES

Des­de a úl­ti­ma ac­tu­a­li­za­ção que se po­de jo­gar No Man’s Sky online. No me­nu ini­ci­al es­co­lhe­mos a op­ção ‘Join Ga­me’ e, de­pois, se­lec­ci­o­na­mos uma pes­soa que já es­tá a jo­gar pa­ra nos jun­tar­mos a ela. Tam­bém nos po­de­mos jun­tar a um jo­ga­dor ao aca­so se es­co­lher­mos a op­ção

‘Join Ran­dom Ga­me’. Se já es­ti­ver­mos a jo­gar, po­de­mos con­vi­dar ou­tras pes­so­as a jun­ta­rem-se ao nos­so jo­go ace­den­do a ‘Network & Voi­ce’ no me­nu de pau­sa e de­pois es­co­lhen­do a op­ção ‘In­vi­te Fri­ends’.

USAR OS PORTAIS PA­RA VI­A­JAR PA­RA OU­TROS PLA­NE­TAS

Os pla­ne­tas têm portais (cla­ra­men­te ins­pi­ra­dos nos star­ga­tes dos filmes e das séries de TV) que são al­go di­fí­ceis de en­con­trar. Nes­te ca­so, os Sig­nal Bo­os­ters po­dem aju­dar na bus­ca pe­los mo­nó­li­tos que, nor­mal­men­te, es­tão ao pé dos portais. No en­tan­to, tam­bém exis­tem vá­ri­os ti­pos de mo­nó­li­tos a des­co­brir e nem sem­pre es­tão per­to de portais. Se des­co­brir­mos um mo­nó­li­to de por­tal po­de­mos es­co­lher a op­ção ‘Lo­ca­te por­tal’ pa­ra apa­re­cer um mar­ca­dor no nos­so ma­pa a in­di­car a lo­ca­li­za­ção. De­pois de des­co­brir o por­tal te­mos de o ac­ti­var usan­do isó­to­pos, óxi­dos e si­li­ca­tos. A se­guir, é só in­se­rir a sequên­cia de sím­bo­los do pla­ne­ta es­pe­cí­fi­co pa­ra on­de quer vi­a­jar. Es­ses sím­bo­los po­dem ser ob­ti­dos atra­vés dos seus ami­gos ou ex­trai-los de cor­pos que en­con­tra­mos em gru­tas.

FA­ZER SCAN A 100%

DAS ES­PÉ­CI­ES NUM PLA­NE­TA

Quan­do es­ta­mos a ten­tar des­co­brir 100% das es­pé­ci­es num pla­ne­ta, de­ve­mos pro­cu­rar os pon­tos ver­me­lhos no scan­ner pa­ra iden­ti­fi­car a fau­na que ain­da não te­mos. Se es­ti­ver­mos com di­fi­cul­da­des em pre­en­cher os re­gis­tos, te­mos de ir a par­tes di­fe­ren­tes do pla­ne­ta; e não nos de­ve­mos es­que­cer de que tam­bém exis­tem ani­mais vo­a­do­res que são mais di­fí­ceis de ana­li­sar. Um bom mé­to­do é aba­tê-los e, de­pois, ana­li­sar os cor­pos.

DES­CO­BRIR OB­JEC­TOS RA­ROS QUAN­DO EXPLORAMOS UM PLA­NE­TA A PÉ

O tru­que é usar o scan­ner com frequên­cia pa­ra con­se­guir ver on­de es­tão os de­pó­si­tos mi­ne­rais e os pon­tos de in­te­res­se, iden­ti­fi­ca­dos com íco­nes que mos­tram o ti­po de ele­men­to. As aná­li­ses lo­cais usam qua­tro la­dos pa­ra as di­fe­ren­ci­ar das mais dis­tan­tes, que uti­li­zam seis la­dos: aqui, te­mos de to­mar no­ta dos pon­tos de ex­cla­ma­ção, pois mos­tram ob­jec­tos va­li­o­sos co­mo Gra­vi­ti­no Ball e Sac Ve­nom: se os apa­nhar­mos, va­mos sem­pre ser per­se­gui­dos por Sen­ti­nels.

FA­ZER UPGRADES AO FA­TO E À NAVE

Em No Man’s Sky há mui­ta coi­sa pa­ra apa­nhar, por is­so o pri­mei­ro up­gra­de que de­ve­mos fa­zer é à ca­pa­ci­da­de de trans­por­te de ob­jec­tos. O Exo­sui­te po­de ser ac­tu­a­li­za­do atra­vés dos ter­mi­nais que se en­con­tram den­tro das Drop Pods nos pla­ne­tas ou em pon­tos de ac­tu­a­li­za­ção em al­gu­mas es­ta­ções es­pa­ci­ais. Ca­da ac­tu­a­li­za­ção su­ces­si­va cus­ta dez mil uni­da­des a mais que a an­te­ri­or. Pa­ra au­men­tar a ca­pa­ci­da­de da nos­sa nave es­pa­ci­al te­mos de com­prar um no­vo veí­cu­lo. Is­to po­de ser fei­to em Tra­ding Posts ou nas es­ta­ções es­pa­ci­ais: apro­xi­ma­mo-nos da nave no­va e in­te­ra­gi­mos com ela pa­ra fa­zer uma ofer­ta e ver a ca­pa­ci­da­de de trans­por­te e va­lor do no­vo veí­cu­lo. Se nos de­ci­dir­mos pe­la com­pra, é pre­ci­so trans­fe­rir o in­ven­tá­rio pa­ra a no­va nave e des­man­te­lar as ac­tu­a­li­za­ções fei­tas à nave an­ti­ga pa­ra re­cu­pe­rar os res­pec­ti­vos ma­te­ri­ais. As na­ves po­dem ser usa­das co­mo ar­ma­zéns por­que têm mui­to mais ca­pa­ci­da­de que os fa­tos; por is­so, não nos po­de­mos es­que­cer de, vol­ta e meia, ir à nave des­car­re­gar a car­ga que tra­ze­mos con­nos­co no fa­to es­pa­ci­al.

CON­SE­GUIR DI­NHEI­RO RÁ­PI­DO

Po­de­mos mi­ne­rar ma­te­ri­ais ra­ros nos pla­ne­tas e tam­bém pro­cu­rar ob­jec­tos ra­ros. De­pois, te­mos de ir até um dos ter­mi­nais de ven­da que exis­tem em al­guns edi­fí­ci­os e nas es­ta­ções es­pa­ci­ais, pa­ra os ven­der. Se ti­ver­mos uma ba­se com um Agri­cul­tu­ral Ter­mi­nal tam­bém po­de­mos ven­der as nos­sas co­lhei­tas. Ou­tra for­ma de ga­nhar di­nhei­ro é ter uma boa nave e vo­ar ao pé das es­ta­ções es­pa­ci­ais. Por ve­zes apa­re­cem na­ves pi­ra­tas que são pro­cu­ra­das pe­las au­to­ri­da­des. Nor­mal­men­te, se as des­truir­mos, po­de­mos ga­nhar mui­to di­nhei­ro.

PER­CE­BER O QUE DI­ZEM OS EXTRATERRESTRES

Po­de­mos me­lho­rar a nos­sa re­la­ção com as vá­ri­as ra­ças ali­e­ní­ge­nas se con­se­guir­mos com­ple­tar in­te­rac­ções com elas. Pa­ra en­ten­der o que eles di­zem, te­mos de exa­mi­nar Kno­wled­ge Sto­ne e mo­nó­li­tos que es­tão es­pa­lha­dos pe­los vá­ri­os pla­ne­tas.

Quan­to me­lhor for a nos­sa re­la­ção com as di­ver­sas ra­ças, mais op­ções va­mos ter quan­do pe­dir­mos as­sis­tên­cia aos co­lo­nos nos Out­posts e es­ta­ções es­pa­ci­ais. A par­tir de um cer­to pon­to, po­de­mos até pe­dir aju­da pa­ra apren­der mais pa­la­vras. Se ti­ver­mos uma re­lí­quia es­pe­ci­fi­ca da ra­ça do in­di­ví­duo com quem es­tá a fa­lar, po­de­mos pô-la no fa­to an­tes de ini­ci­ar o diá­lo­go, pa­ra ter a hi­pó­te­se de a tro­car por uns pla­nos pa­ra fa­bri­car qual­quer coi­sa útil.

O QUE FA­ZER QUAN­DO A PRO­TEC­ÇÃO DO FA­TO ES­TÁ A ACA­BAR?

Fá­cil: te­mos de ir pa­ra a nos­sa nave ou en­trar num edi­fí­cio/Drop Pod e es­pe­ras que o fa­to se­ja re­car­re­ga­do, an­tes de sair. Se não es­ti­ver­mos per­to de um sí­tio protegido, po­de­mos re­car­re­gá-lo ma­nu­al­men­te, mas o pro­ces­so gas­ta subs­tân­ci­as ba­se­a­das em só­dio ou ba­te­ri­as de iões, a me­nos que te­nha­mos Shi­el­ding Shards ou Shi­le­ding Pla­tes; por is­so, o me­lhor é mes­mo pro­cu­rar um sí­tio pa­ra nos pro­te­ger­mos até que o sis­te­ma es­te­ja car­re­ga­do. Se ti­ver­mos uma Plas­ma Lau­cher, po­de­mos fa­zer um up­gra­de que nos per­mi­ta fa­zer um bu­ra­co pa­ra nos pro­te­ger­mos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.