Assassin’s Creed Odyssey

ASSASSIN’S CREED MU­DA-SE DE AR­MAS E BAGAGENS PA­RA A GRÉ­CIA EM PLE­NA GUER­RA DO PELOPONESO PA­RA SE­GUIR A HIS­TÓ­RIA DE ALE­XI­OS OU KAS­SAN­DRA, MERCENÁRIOS ES­PAR­TA­NOS QUE VÃO DESVENDAR UMA CONSPIRAÇÃO PA­RA CON­TRO­LAR O MUN­DO CLÁS­SI­CO.

Revista PCGuia Play - - ÍNDICE - Pe­dro Tróia

Oque di­zer so­bre Assassin’s Creed Odyssey? É um jo­go tí­pi­co des­ta sé­rie e, no en­tan­to, não... é qual­quer coi­sa que sa­be mais a Wit­cher ou Fal­lout que a Assassin’s Creed. Mas pri­mei­ro, a his­tó­ria. O jo­go co­me­ça com a len­dá­ria ba­ta­lha de Ter­mó­pi­las em que, se­gun­do a tra­di­ção, tre­zen­tos es­par­ta­nos, li­de­ra­dos pe­lo rei Leó­ni­das, con­se­gui­ram sus­ter a in­va­são do exér­ci­to Per­sa sob o co­man­do do im­pe­ra­dor Xer­xes. De­pois, os gre­gos fo­ram traí­dos e, na­tu­ral­men­te, aca­ba­ram der­ro­ta­dos. A ac­ção pro­pri­a­men­te di­ta co­me­ça anos mais tar­de, com o nos­so he­rói (ou he­roí­na) a vi­ver em Kapha­lo­nia, uma pe­que­na ilha, on­de em con­jun­to com o ami­go Mar­kos, le­va uma vi­da de pe­que­nos cri­mes, a fa­zer fa­vo­res a quem pre­ci­sar. Quan­do uma per­so­na­gem mis­te­ri­o­sa lhe faz uma pro­pos­ta ir­re­cu­sá­vel, que im­pli­ca sair da pe­que­na ilha, tal­vez pa­ra sem­pre, é que a aven­tu­ra co­me­ça re­al­men­te. Odyssey é o pri­mei­ro jo­go da sé­rie em que se po­de es­co­lher en­tre con­tro­lar uma per­so­na­gem mas­cu­li­na, Ale­xi­os, ou fe­mi­ni­na, Kas­san­dra. Ape­sar dis­to, a for­ma de jo­gar é exac­ta­men­te a mes­ma. Me­ca­ni­ca­men­te, Odyssey é mui­to se­me­lhan­te a Ori­gins, mas com al­gu­mas di­fe­ren­ças, al­gu­mas sub­tis e ou­tras mais evi­den­tes. As sub­tis es­tão li­ga­das, prin­ci­pal­men­te, às ar­mas e às armaduras que se vão apa­nhan­do à me­di­da que vi­a­ja­mos pe­la Gré­cia do pe­río­do clás­si­co. Por exem­plo, em Ori­gins, os ar­cos con­se­gui­am eli­mi­nar pra­ti­ca­men­te to­dos os ini­mi­gos sem­pre que se con­se­guia fa­zer um ‘he­adshot’, is­to se a ar­ma es­ti­ves­se ao mes­mo ní­vel do ini­mi­go

que que­ría­mos eli­mi­nar.

Em Odyssey já não: mes­mo que os ar­cos es­te­jam ao mes­mo ní­vel que o ini­mi­go, mui­tos de­les são mui­to di­fí­ceis de eli­mi­nar des­te mo­do. O com­ba­te cor­po a cor­po tam­bém é se­me­lhan­te ao do epi­só­dio an­te­ri­or, mas es­tá mui­to mais de­pen­den­te das ha­bi­li­da­des que es­co­lhe­mos me­lho­rar quan­do pas­sa­mos de ní­vel.

DI­FE­REN­ÇAS, MAS POU­CAS

As di­fe­ren­ças mais evi­den­tes en­tre os dois jo­gos têm que ver com o ma­pa e com as de­ci­sões que to­ma­mos ao lon­go da his­tó­ria, que mol­dam a for­ma co­mo a mes­ma se de­sen­ro­la. Por exem­plo, no iní­cio do jo­go há

uma mis­são pas­sa­da nu­ma al­deia afec­ta­da por uma epi­de­mia. Quan­do lá che­ga­mos, te­mos a hi­pó­te­se de dei­xar mor­rer, ou pou­par, uma fa­mí­lia. Pos­so di­zer que, se pou­par­mos a fa­mí­lia, mais tar­de re­ce­be­mos notícia que a ilha es­tá to­da to­ma­da pe­la epi­de­mia.

Es­te é um pe­que­no exem­plo do no­vo sis­te­ma de ma­pa e his­tó­ria di­nâ­mi­cos que a Ubi­soft im­ple­men­tou em Odyssey. As conversas tam­bém são o mo­tor pa­ra al­te­ra­ções no ma­pa e na for­ma co­mo a his­tó­ria se de­sen­ro­la: e aqui es­tão as se­me­lhan­ças en­tre es­te Assassin’s Creed e Fal­lout ou Wit­cher.

A GUER­RA NUN­CA MU­DA

De­pois, há a guer­ra. Nes­ta, em que as ci­da­des-es­ta­do gre­gas se de­fron­ta­ram pe­lo con­tro­lo do país, as pro­ta­go­nis­tas fo­ram Atenas e Es­par­ta. O ma­pa es­tá di­vi­di­do en­tre es­tas du­as fac­ções e o jo­ga­dor po­de op­tar por eli­mi­nar os sol­da­dos de um la­do, ou de ou­tro, pa­ra en­fra­que­cer uma, ou am­bas as fac­ções. Is­to, con­ju­ga­do com ac­ções de sa­bo­ta­gem e rou­bo de re­cur­sos, faz com que a fac­ção que con­tro­la es­sa re­gião fi­que tão frá­gil, que se po­de ini­ci­ar uma ba­ta­lha pe­lo con­tro­lo des­sa re­gião. Nes­tas ba­ta­lhas po­de­mos es­tar do la­do dos de­fen­so­res ou dos ata­can­tes - se es­ti­ver­mos do la­do ven­ce­dor há sem­pre ob­jec­tos ra­ros que ga­nha­mos.

As ine­vi­tá­veis ba­ta­lhas na­vais uti­li­zam a mes­ma fór­mu­la me­câ­ni­ca de­sen­vol­vi­da pe­la pri­mei­ra vez em Assassin’s Creed Black Flag, em­bo­ra adap­ta­da aos trir­re­mes da épo­ca. Tes­tei Assassin’s Creed Odyssey nu­ma Xbox One X e pos­so di­zer que não de­sa­pon­ta quem es­tá à es­pe­ra de al­go vi­su­al­men­te tão es­plen­do­ro­so co­mo foi Ori­gins. Es­te jo­go es­tá mui­to bem fei­to do pon­to de vis­ta dos grá­fi­cos, prin­ci­pal­men­te se con­se­guir jo­gá-lo num ecrã 4K com HDR. Se gos­ta des­te jo­go, su­ge­ri­mos: Qual­quer Assassin’s Creed, Wit­cher

Assassin’s Creed Odyssey não de­sa­pon­ta quem es­tá à es­pe­ra de al­go tão ex­plen­do­ro­so co­mo foi o epi­só­dio Ori­gins.

JOGABILIDADE GRÁ­FI­COS SOM LON­GE­VI­DA­DE 9

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.