PSD

Já ar­ru­mou os pa­péis, man­te­ve as ro­ti­nas na se­de, vai ce­do pa­ra ca­sa e já tem es­cri­tas par­tes do li­vro so­bre os anos em que go­ver­nou sob a troi­ka.

Sábado - - SUMÁRIO - Por Ma­ria Hen­ri­que Es­pa­da

Os úl­ti­mos di­as de Pas­sos Co­e­lho co­mo lí­der

Na ter­ça-fei­ra, dia 6, Pe­dro Pas­sos Co­e­lho li­gou o Go­o­gle Maps no te­le­mó­vel pa­ra en­con­trar o res­tau­ran­te As­sa­dor Tí­pi­co de Massamá. Foi lá ter a pé, so­zi­nho, à ho­ra do jan­tar. Che­gou com ar bem-dis­pos­to, dis­cur­sou a se­guir, mas não jan­tou. Foi lá pa­ra a to­ma­da de posse dos novos ór­gãos elei­tos da JSD de Sin­tra e não se fez na­da di­fí­cil, ape­sar de apa­re­cer pou­co des­de que anun­ci­ou, na noi­te das au­tár­qui­cas, que não se re­can­di­da­ta­ria, e me­nos ain­da des­de que fi­cou em ges­tão – de­pois das elei­ções in­ter­nas no PSD, a 13 de Ja­nei­ro. “Li­guei-lhe a con­vi­dar, ele dis­se que ia ver a agenda e mais tar­de con­fir­mou”, re­cor­da An­dreia Fi­li­pa Ber­nar­do, re­e­lei­ta lí­der da JSD em Sin­tra, que to­mou a ini­ci­a­ti­va de ten­tar ter o lí­der na posse. Pas­sos Co­e­lho tem man­ti­do os pro­gra­mas de re­pre­sen­ta­ção ins­ti­tu­ci­o­nal e pou­co mais. Mas lá foi. Na in­ter­ven­ção, dis­se que ti­nha mui­to gos­to em es­tar ali, por­que além de es­tar per­to de ca­sa es­ta­va na JSD, on­de ver­da­dei­ra­men­te co­me­çou a sua car­rei­ra po­lí­ti­ca. Fa­lou bas­tan­te da JSD e pou­co ou na­da de po­lí­ti­ca na­ci­o­nal. Ain­da as­sim, dei­xou aber­tu­ra pa­ra fu­tu­ras co­la­bo­ra­ções, dis­se-se dis­po­ní­vel pa­ra o que for pre­ci­so. Avi­sou que na­tu­ral­men­te es­ta­rá me­nos pre­sen­te, mas da­rá o apoio ne­ces­sá­rio: “Sem­pre es­cre­vi mui­to, ar­ti­gos e não só.” Se a JSD de Sin­tra pre­ci­sar de tex­tos e do­cu­men­tos, po­de ir ba­ter-lhe à por­ta. No en­con­tro no As­sa­dor Tí­pi­co, Pas­sos não jan­tou. Saiu por vol­ta das 21h e ex­pli­cou que por es­tes di­as ten­ta jan­tar o mais pos­sí­vel em ca­sa e dar mais apoio fa­mi­li­ar. Nou­tro en­con­tro de to­ma­da de posse da JSD, des­ta vez na con­ce­lhia de Lis­boa, na quin­ta-fei­ra, dia 8, te­ve um tom qua­se in­tros­pec­ti­vo: “To­dos aca­ba­mos por fi­car mar­ca­dos por um cer­to tem­po e ago­ra é ou­tro tem­po, pa­ra ou­tra gen­te. Não va­mos an­dar a ar­mar-nos, co­mo se cos­tu­ma di­zer, ao pin­ga­re­lho.”

Um li­vro já com par­tes es­cri­tas

Que Pe­dro Pas­sos Co­e­lho gos­ta de es­cre­ver, co­mo dis­se em Massamá, é um fac­to. E tan­to as­sim que o pro­jec­to de es­cre­ver um li­vro so­bre os anos em que go­ver­nou sob a troi­ka já avan­çou e há par­tes que o ain­da lí­der já tem es­cri­tas. Já es­tá mes­mo a es­cre­vê-lo, a re­co­lher no­tas e ele­men­tos pa­ra o mes­mo. Tan­to quan­to a SÁ­BA­DO con­se­guiu apurar, não há ne­nhu­ma da­ta pre-

FOI A PÉ, DE CA­SA, PA­RA UM EVENTO DA JSD EM MASSAMÁ: VIU A MO­RA­DA NO GO­O­GLE MAPS

vis­ta ou pen­sa­da pa­ra pu­bli­ca­ção. Mas de­pois de dei­xar a li­de­ran­ça, já es­te fim-de-se­ma­na, te­rá mais tem­po pa­ra se de­di­car à es­cri­ta. No seu ga­bi­ne­te na se­de do par­ti­do já tem tu­do pra­ti­ca­men­te ar­ru­ma­do pa­ra sair. Ar­qui­va qua­se tu­do o que se­jam do­cu­men­tos em for­ma­to di­gi­tal (não lar­ga o iPad) mas a ver­da­de é que gos­ta de guar­dar coi­sas. Ago­ra tem de as le­var.

Mas não há tom de des­pe­di­da ou sau­do­sis­mo em ne­nhu­ma das con­ver­sas que vai man­ten­do. De en­tre os mui­tos mi­li­tan­tes com quem tem con­tac­ta­do a se­ma­nas da saí­da, Pas­sos tem dei­xa­do sem­pre a mes­ma im­pres­são: vai se­re­no. Des­con­traí­do, até. Até apoi­an­tes de Rui Rio (os pas­sis­tas es­ti­ve­ram mai­o­ri­ta­ri­a­men­te com Pe­dro San­ta­na Lopes) fa­zem es­se di­ag­nós­ti­co. Ál­va­ro Ama­ro, apoi­an­te de Rio, es­te­ve com ele na Aca­de­mia do Po­der Lo­cal, na Gu­ar­da: “Pa­re­ceu-me um ho­mem com o sen­ti­men­to do de­ver cum­pri­do. A amar­gu­ra não é na­da a on­da de­le e não é coi­sa que se lhe no­te. Es­tá tran­qui­lo”, diz o pre­si­den­te dos autarcas so­ci­ais-de­mo­cra­tas.

Tran­qui­lo e até me­nos ten­so

A im­pres­são é a mes­ma na se­de, en­tre os seus mais pró­xi­mos, on­de Pas­sos man­te­ve to­das as ro­ti­nas. A Co­mis­são Per­ma­men­te tem reu­ni­do à ter­ça-fei­ra de ma­nhã, co­mo de cos­tu­me. Pas­sos che­ga, tam­bém co­mo ha­bi­tu­al­men­te, en­tre as 9h e 9h30 da ma­nhã e sai en­tre as 18h30 e as 19h, a não ser que te­nha – e tem ti­do ca­da vez me­nos – ou­tros com­pro­mis­sos. Ape­nas man­te­ve os que já ti­nha acor­da­do ou os que im­pli­cam re­pre­sen­ta­ção ins­ti­tu­ci­o­nal.

Mui­tas ve­zes al­mo­ça na se­de, que tem um bar que tam­bém for­ne­ce re­fei­ções. E al­mo­çou uma vez com Jo­sé Edu­ar­do Mar­tins, que mui­tas ve­zes o cri­ti­cou, e que lhe li­gou a con­vi­dá-lo. Co­mo a no­tí­cia veio a pú­bli­co, ex­pli­cou o ges­to, por­que “lhe agra­de­ço e mui­to a se­ri­e­da­de e o pa­tri­o­tis­mo com que exer­ceu as fun­ções de pri­mei­ro mi­nis­tro”. E Pas­sos acei­tou. Reu­niu-se com Rui Rio pa­ra fa­zer pas­sa­gem de pas­tas; a ar­ti­cu­la­ção de ques­tões so­bre o con­gres­so que ar­ran­ca na sex­ta-fei­ra, 16, tem si­do fei­ta en­tre o se­cre­tá­rio-ge­ral em fun­ções, Jo­sé Ma­tos Rosa, e, do la­do de Rui Rio, por Fe­li­ci­a­no Bar­rei­ras Du­ar­te; quan­do há ques­tões que en­vol­vam o gru­po par­la­men­tar e que exi­jam ou­vir o lí­der elei­to, o pró­prio Hu­go So­a­res tem fei­to di­rec­ta­men­te a li­ga­ção. Dos­si­ês que exi­gi­am uma pa­la­vra da fu­tu­ra di­rec­ção fo­ram adi­a­dos, por co­mum acor­do, pa­ra de­pois da en­tra­da em fun­ções de Rui Rio – é o ca­so do pa­co­te da trans­pa­rên­cia, que inclui even­tu­ais al­te­ra­ções ao financiamento par­ti­dá­rio. Nou­tras, o par­ti­do man­te­ve a nor­mal ini­ci­a­ti­va par­la­men­tar: ain­da na sex­ta-fei­ra, dia 9, o par­ti­do apre­sen­tou uma proposta so­bre al­te­ra­ção do re­gi­me das in­ca­pa­ci­da­des. “Sin­to-o mui­to bem”, diz um co­la­bo­ra­dor po­lí­ti­co pró­xi­mo. Um ou­tro acres­cen­ta: “Tal­vez até me­nos ten­so.” Tan­to as­sim que nas in­ter­ven­ções pú­bli­cas, qua­se sem­pre tem uma pi­a­da pa­ra fa­zer, às ve­zes até com au­to-iro­nia. Na Aca­de­mia do Po­der Lo­cal, por exem­plo, de­pois de vol­tar a ape­lar ao go­ver­no pa­ra in­ves­ti­gar o que se pas­sou afi­nal com o ca­so das adop­ções ile­gais da IURD – foi a se­gun­da vez que vol­tou ao te­ma e tem si­do o úni­co di­ri­gen­te par­ti­dá­rio a fa­zê-lo – gra­ce­jou: “Os po­lí­ti­cos têm fu­gi­do des­te as­sun­to co­mo o di­a­bo da cruz – e lá vem ou­tra vez o di­a­bo!” Sen­do que uma das fra­ses que mais se lhe co­lou foi a que te­ria di­to nu­ma reu­nião par­ti­dá­ria que, de­pois da ge­rin­gon­ça, eco­no­mi­ca­men­te, vi­nha aí o Di­a­bo – ele nun­ca o as­su­miu. Te­re­sa Morais, que in­te­gra a di­rec­ção de Pas­sos, ex­pli­ca que o viu sem­pre, nos úl­ti­mos tem­pos, “ab­so­lu­ta­men­te se­re­no e ab­so­lu­ta­men­te tran­qui­lo, e es­sa é uma ca­rac­te­rís­ti­ca de­le. É al­guém que man­tém a ca­pa­ci­da­de de re­flec­tir e de agir em to­das as cir­cuns­tân­ci­as”. E acres­cen­ta ain­da ou­tra vir­tu­de: “Uma imen­sa pa­ci­ên­cia pa­ra ou­vir to­da a gen­te. Quer quan­do ha­via ma­ra­to­nas de 16 e 17 ho­ras pa­ra de­ba­ter o or­ça­men­to em con­se­lho de mi­nis­tros, quer ago­ra.” O par­ti­do fun­ci­o­nou com “nor­ma­li­da­de e re­gu­la­ri­da­de”.

Nos pró­xi­mos tem­pos, já tem pla­nos. Além do li­vro pa­ra aca­bar, o ain­da lí­der foi con­vi­da­do pa­ra lec­ci­o­nar na Uni­ver­si­da­de Lu­sía­da e, em con­ver­sas com ami­gos, tem-se mos­tra­do aber­to a es­sa pos­si­bi­li­da­de. Além dis­so, há es­pe­cu­la­ção so­bre even­tu­ais co­la­bo­ra­ções com con­sul­to­ras ou em­pre­sas ex­por­ta­do­ras, mas, aqui, sem con­fir­ma­ção. Mas es­sa se­rá a vi­da a par­tir de se­gun­da-fei­ra, dia 19. Na sex­ta, 16, é o úl­ti­mo dia na São Ca­e­ta­no à La­pa.

FOI CON­VI­DA­DO PA­RA DAR AULAS NU­MA UNI­VER­SI­DA­DE. MAS TAM­BÉM QUER DAR MAIS APOIO À FA­MÍ­LIA

Na noi­te das au­tár­qui­cas de Ou­tu­bro, em que anun­ci­ou que não vol­ta­ria a ser candidato à li­de­ran­ça do PSD

A su­bir as es­ca­das on­de es­tão as fotos dos ex-lí­de­res, uma ga­le­ria que pas­sa­rá a in­te­grar

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.